Cruzeiro busca empate no fim e garante classificação às semifinais

Diogo Barbosa marca seu primeiro gol com a camisa celeste e assegura Raposa na próxima fase

Cruzeiro busca empate no fim e garante classificação às semifinais
Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Cruzeiro
1 1
Palmeiras
Cruzeiro: Fábio; Lucas Romero, Léo, Murilo, Diogo Barbosa; Henrique, Ariel Cabral; Alisson (Lucas Silva, min. 43/2ºT), Thiago Neves, Elber (Arrascaeta, min. 17/2ºT); Rafael Sóbis (Raniel, min. 32/2ºT). Técnico: Mano Menezes.
Palmeiras: Jailson; Jean, Mina, Edu Dracena, Egídio; Thiago Santos, Felipe Melo (Raphael Veiga, min. 13/2ºT), Guerra (Keno, min. 1/2ºT); Róger Guedes, Borja, Dudu (Tchê Tchê, min. 29/2ºT). Técnico: Cuca.
Placar: 0-1, min. 26/2ºT, Keno. 1-1, min. 40/2º, Diogo Barbosa.
ÁRBITRO: Wilton Pereira Sampaio (GO). Cartões amarelos: Mina (min. 22/1ºT), Egídio (min. 4/2ºT), Alisson (min. 11/2ºT), Arrascaeta (min. 22/2ºT), Edu Dracena (min. 49/2ºT), Thiago Neves (min. 50/2ºT).
INCIDENCIAS: Jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil, realizado no Estádio Mineirão, em Belo Horizonte/MG.

No sufoco, o Cruzeiro empatou em 1 a 1 o Palmeiras, na noite desta quarta-feira (26), no Mineirão, e carimbou a classificação às semifinais da Copa do Brasil. O avanço à próxima fase foi no sofrimento: aos 26 minutos do segundo tempo, Keno abriu o placar para o Verdão, mas Diogo Barbosa, aos 40 minutos, fez um ‘gol de centroavante’ e igualou o duelo. Foi o primeiro gol do lateral-esquerdo com a camisa celeste.

O adversário da Raposa sai do confronto entre Atlético-PR e Grêmio, que se enfrentam nesta quinta-feira (27), às 21h45, na Arena da Baixada. Tudo indica que time gaúcho avance, já que goleou os rubro-negros, por 4 a 0, no primeiro jogo, em Porto Alegre. O sorteio dos mandos de campo das semifinais vai ocorrer na próxima segunda-feira (31), às 11h, na sede da CBF.

Agora, Cruzeiro e Palmeiras voltam as atenções para o Campeonato Brasileiro. Às 19h do domingo (30), o Cruzeiro vai receber o Vitória, no Mineirão. Já o Palmeiras volta para São Paulo pensando no Avaí, adversário de sábado (29), às 19h, no Allianz Parque. Os jogos serão válidos pela 17ª rodada do certame.

Primeiro tempo sem emoções dentro de campo

Embora o Mineirão estivesse pulsando as cores azuis e brancas, Cruzeiro e Palmeiras não conseguiram absolver a energia que vinha das arquibancadas para fazer um primeiro tempo empolgante. Muito pelo contrário.

Ambas as equipes apresentavam propostas bem definidas. Cruzeiro: optava pelo jogo reativo, ou seja, esperava ser atacado para contra-atacar em velocidade. Palmeiras: como precisava do gol para conseguir a classificação, a equipe alviverde era obrigada a ir para cima, portanto, tinha que propor jogo.

E os times tentavam impedir a construção de jogadas fazendo pressão, com atacantes e meio-campistas, na saída de bola oposta. Devido a esse sufoco no campo defensivo, cortando a linha de passe do rival, Cruzeiro e Palmeiras criaram muito pouco na etapa inicial. A melhor chance da Raposa saiu em um chute fraco da intermediária de Thiago Neves, enquanto o Verdão não deu trabalho ao goleiro Fábio.

No fim, Cruzeiro marca e avança

Cuca, técnico do Palmeias, voltou para o segundo tempo com uma troca em sua equipe: trocou Guerra por Keno. Com isso, Dudu foi recuado ao setor de meio-campo, deixando Keno tomando conta da ponta esquerda. Aos 12 minutos, o treinador palmeirense deixou o time mais ofensivo, sacando o volante Felipe Melo para colocar o meia Raphael Veiga em campo. Mano Menezes, comandante do Cruzeiro, respondeu as alterações de Cuca e atendeu ao pedido da torcida. Elber saiu, Arrascaeta entrou.

Em chute de fora da área, Raphael Veiga tentou tirar o zero do placar, mas a bola saiu à direita da meta de Fábio. Aos 26 minutos, porém, uma bola rebatida por Fábio para fora da área sobrou para Keno. O atacante arrematou da entrada da área, a redonda desviou em Lucas Romero e tirou o goleiro celeste do lance: 1 a 0.

Agora em vantagem, Cuca equilibrou o time palmeirense novamente. Ele tirou Dudu e colocou Tchê Tchê, e Jean passou a fazer o papel de volante, para Tchê Tchê fazer a lateral direita. Mano Menezes, por sua vez, trocou um atacante por outro: Raniel no lugar de Rafael Sóbis.

O jogou virou ataque contra defesa nos dez minutos finais. A Raposa pressionava, mas não conseguia achar espaços, principalmente pelo chão. O jeito, então, foi apostar no jogo aéreo. E deu certo. Aos 40 minutos, Alisson cruzou para a área, o lateral-esquerdo Diogo Barbosa subiu como um centroavante e cabeceou no canto direito de Jailson. O tento explodiu a torcida celeste, que poderia ter comemorado mais uma vez, não fosse o arqueiro alviverde para impedir a finalização de cavadinha de Arrascaeta.


Share on Facebook