Com título da Copa do Brasil nos planos, Gilvan Tavares quer sair do comando do Cruzeiro consagrado

Em seu segundo mandato à frente da Raposa, equipe celeste ainda não conseguiu um título sequer

Com título da Copa do Brasil nos planos, Gilvan Tavares quer sair do comando do Cruzeiro consagrado
Foto: Pedro Vilela/Light Press

Com poucos dias restantes na presidência do Cruzeiro, o advogado Gilvan de Pinho Tavares planeja fechar sua segunda passagem com "chave de ouro" na condição de cartola da Raposa. A eleição do novo presidente do clube mineiro está marcada para outubro, mas, até lá, Gilvan poderá conquistar um último título com o clube celeste neste segundo triênio de seu mandato.

"Título a gente sabe que é o sonho, é o ideal. Para mim, muito mais porque estou no meu último mandato, no último ano, e se eu sair do Cruzeiro com mais essa conquista, vou sair do Cruzeiro seguramente consagrado, como o presidente que mais conquistou títulos em mandatos do Cruzeiro", disse Gilvan, que conquistou o bicampeonato brasileiro com o time celeste.

"Estou pensado também como os jogadores de deixar essa alegria para a torcida do Cruzeiro, com essa conquista fabulosa de mais uma Copa do Brasil, além de dois Brasileiros e um Mineiro. A gente vai sair, sem dúvida, consagrado com tantos títulos, tantas conquistas, e o Cruzeiro merece e a torcida do Cruzeiro, muito mais do que isso, porque tem feito o papel do 12 jogador", completou. 

Algozes celestes: quando a Copa do Brasil escapou das mãos do Cruzeiro

Após o fim de seu mandato, Gilvan entrará para o seleto grupo de presidentes da Raposa que mais levantaram taças pelo clube, ficando atrás de nomes como os irmãos Zezé e Alvimar Perrela, que conquistaram títulos como a Copa Libertadores de 1997, o Campeonato Brasileiro de 2003 e o tricampeonato da Copa do Brasil (1996, 2000, 2003). 

Grandes confrontos: Flamengo e Cruzeiro remontam grandes duelos no Rio de Janeiro

Em busca do último objetivo com o elenco celeste, Gilvan embarcou com o time nesta quarta-feira, pela manhã, rumo ao Rio de Janeiro, para a primeira partida da final da Copa do Brasil, contra o Flamengo. O duelo será realizado na quinta-feira (7), às 21h45, no estádio Maracanã. 

"Cruzeiro chegou a esta decisão porque os jogadores estão conscientizados de que é necessário ganhar alguma coisa. Me lembro que no jogo do Rio Grande do Sul, contra o Grêmio, não ganhamos, mas eles se fecharam na sala, decidiram jogar completo contra o Sport para motivar a torcida, para que a torcida pudesse comparecer, imbuída do pensamento de classificar", apontou Gilvan.

Foram para o jogo contra o Grêmio com aquela vontade toda que a gente viu, conseguiram ir para os pênaltis, jogaram com aquela vontade toda e com o apoio da torcida, que lotou o estádio. Tenho certeza que para a final a torcida do Cruzeiro pode esperar a mesma coisa, essa mesma vontade e essa mesma disposição", concluiu.

A partida de volta entre Cruzeiro e Flamengo será no dia 27 de Setembro, às 21h45, no Mineirão, valendo o título. Em campo estarão sete taças, quatro conquistadas pela Raposa (1996, 2000 e 2003) e três conquistadas pelo rubro-negro carioca (1990, 2006 e 2013).