Após 14 anos, Cruzeiro e Flamengo se enfrentam pela segunda vez na final da Copa do Brasil

Clubes repetem, nesta quinta-feira (7), o duelo decisivo pela partida de ida da final da Copa do Brasil, no Maracanã

Após 14 anos, Cruzeiro e Flamengo se enfrentam pela segunda vez na final da Copa do Brasil
De letra, Alex marcou um golaço sobre o Flamengo, em 2003 (Foto: Editoria de Arte/VAVEL Brasil)
Flamengo
1 1
Cruzeiro
Flamengo: Júlio Cesar; Luciano Baiano, Fernando, Váldson (Fernando Baiano, min. 80), André Bahia, Athirson; Fabinho, André Gomes (Igor, min. 87), Felipe; Zé Carlos (Jean, min. 66), Edilson. Técnico Nelsinho Baptista
Cruzeiro: Gomes; Maurinho, Edu Dracena, Thiago, Leandro; Augusto Recife, Wendell, Márcio (Jardel, min. 64), Alex; Deivid (Mota, min. 81), Aristizábal (Luisão, min. 88). Técnico Vanderlei Luxemburgo
Placar: 0-1, min. 30, Alex 1-1, min, 47, Fernando Baiano
ÁRBITRO: Athirson (Flamengo). Edu Dracena, Thiago e Augusto Recife (Cruzeiro).
INCIDENCIAS: Jogo realizado pela final da Copa do Brasil entre Flamengo x Cruzeiro

A final histórica da Copa do Brasil de 2003 se repete em 2017. Flamengo e Cruzeiro se reencontram na grande decisão após 14 anos de um confronto que ficou marcado na história do futebol.

O time carioca jamais havia perdido em partidas de ida da fase final da Copa do Brasil e assim se manteve. Naquele ano, a partida de ida foi realizada no dia 8 de junho e terminou empatada em 1 a 1. Com um público memorável, o Maracanã recebia cerca de 70 mil pessoas para prestigiar o clássico brasileiro.

O primeiro tempo da partida foi marcado por tensão e chutes a gol sem precisão das duas equipes. Foram seis tentativas de fora da área para cada lado, mas nenhuma ofereceu perigo.

O Maracanã estava em plena festa, torcedores confiantes lotaram o estádio e fizeram sua parte na arquibancada. O goleiro cruzeirense Gomes comentou a dificuldade em se comunicar com os colegas de equipe, devido ao constante barulho do estádio. "Não dá. Eu ali, pertinho do Thiago, tentei falar com ele mas realmente a torcida do Flamengo faz muito barulho", disse.

Na tentativa de desestabilizar o time Celeste, a torcida do Flamengo soprava cornetas, cantavam, incentivavam o time de todas as formas, mas quem abriu o placar naquele jogo, foi a Raposa.

 Aos 30 minutos do segundo tempo, Deivid cruza para Alex, que mostra todo seu talento em um belíssimo gol de letra. O camisa 10 do Cruzeiro completava seu sexto gol na competição, um dos mais bonitos da Copa.

Após muita pressão do Rubro-Negro carioca, a bola até chegou a entrar nas redes celestes, aos 43, mas foi marcado o impedimento. Já nos acréscimos, mais precisamente aos 47 minutos, o Flamengo conseguiu o empate, gol marcado por Fernando Baiano.

Ao final da partida, o técnico Vanderlei Luxemburgo saiu nervoso por não concordar com os cartões amarelos aplicados em Edu Dracena e Thiago, que consequentemente ficaram fora da partida de volta, no Mineirão. "Você é o culpado, Simon, você é o culpado", repetia o treinador da Raposa.

Cotado para ser o campeão daquele ano, o Cruzeiro foi a campo com Gomes; Maurinho, Edu Dracena, Thiago, Leandro; Augusto Recife, Wendell, Márcio, Alex; Deivid e Aristizábal.

Já o Flamengo iniciou o jogo com Júlio Cesar; Luciano Baiano, Fernando, Váldson, André Bahia, Athirson; Fabinho, André Gomes, Felipe; Zé Carlos e Edilson.