Em novo encontro com o maior rival, Cruzeiro vive momento completamente diferente

Se no primeiro turno a Raposa estava pressionada, neste segundo, o time de Mano Menezes já está tranquilo

Em novo encontro com o maior rival, Cruzeiro vive momento completamente diferente
Cruzeiro e Atlético-MG voltam a se enfrentar, mas momentos dos times são completamente diferentes (Foto: Hugo Alves/Editoria de Arte/VAVEL Brasil)

Um clássico pode mudar completamente o ambiente dos clubes. Seja para melhor ou para pior, dependendo do resultado. Mas, o segundo duelo entre Cruzeiro e Atlético-MG no Campeonato Brasileiro de 2017 parece importar e ser um modificador apenas para o lado alvinegro do jogo. Fato bem diferente da partida do primeiro turno, quando a Raposa estava pressionada e o duelo com o rival poderia ser a faísca que faltava para incendiar os bastidores.

Cruzeiro pressionado e Mano balançando 

O encontro na 11° rodada do Campeonato Brasileiro poderia ser a virada de chave para as pretensões celestes. Naquela época, o time de Mano Menezes já dividia a atenção entre o campeonato nacional e a Copa do Brasil. Também naquela altura, o treinador estava balançando no cargo. Isso porque, no duelo diante do Palmeiras, o Cruzeiro conseguiu fazer três gols no primeiro tempo e deixou o alviverde empatar no segundo.

O jogo contra o Galo não ajudou em nada o técnico do Cruzeiro. Derrota de virada, por 3 a 1. Pressionado com a sequência ruim de sua defesa, Mano Menezes na época chegou a prometer que seu time não tomaria três gols num mesmo jogo.

“Meu trabalho é em relação à equipe toda. Não é só da parte ruim. Quando faz gol, é meu também. Começou a fazer gol, é trabalho do treinador. A parte ruim, que é a parte defensiva, que caiu, também é parte do treinador. Vamos resolver. Só tem um jeito de resolver: é trabalhando. Penso que temos essa possibilidade novamente. Eu prometo ao torcedor do Cruzeiro que, no próximo jogo, o Cruzeiro não vai tomar três gols.” disse.

Mano dando explicações após mais uma derrota do Cruzeiro (Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)
Mano dando explicações após mais uma derrota do Cruzeiro (Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Mas o mundo do futebol dá voltas e muitas vezes rápido demais. Após o jogo entre os maiores rivais de Minas, tudo mudou nos dois lados. Mano cumpriu sua promessa: no jogo seguinte, contra o Palmeiras, o Cruzeiro não tomou três gols e seguiu assim até a final da competição que acabaria sendo conquistada pela quinta vez pela Raposa.

Título de um lado, demissões do outro

Já no outro lado, que também tinha atenções voltadas para outras competições além do Brasileiro, as situações  não fluíram bem: o Atlético foi eliminado pelo modesto Jorge Wilstermann na Libertadores e mandou embora Roger Machado. Já com Rogério Micale no comando, o clube ainda seria eliminado da Copa do Brasil e cairia muito na tabela de classificação do Brasileiro. O treinador da medalha de ouro olímpica também não durou muito e acabou demitido após derrota para o Vitória-BA em pleno Independência.

“Vim anunciar que o Micale não é mais nosso treinador. Hoje era um jogo decisivo para a gente buscar essa vaga na Libertadores. Não posso aceitar perder para o Vitória por 3 a 1 em casa, a sétima derrota em casa. Já agradeci no vestiário. Futebol é resultado. A gente não pode brincar com mais nada”, disse Daniel Nepomuceno, presidente do clube.

Micale não durou muito no cargo de treinador do Atlético (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)
Micale não durou muito no cargo de treinador do Atlético (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Duelo final dos opostos

No começo do ano, o Cruzeiro não aparecia como um dos favoritos ao títulos que disputaria no ano, bem diferente do rival, que era apontado como um dos favoritos da Libertadores e até do Brasileiro. Dez meses depois, o cenário está bem diferente. Campeão da Copa do Brasil e com boa campanha no Brasileiro, o Cruzeiro chega tranquilo para o jogo diante do Galo.

Cruzeiro conquistou seu quinto título da Copa do Brasil (Foto: Cristiane Mattos / Light Press / Cruzeiro)
Cruzeiro conquistou seu quinto título da Copa do Brasil (Foto: Cristiane Mattos/Light Press/Cruzeiro)

Já o time de Oswaldo Oliveira, terceiro técnico na temporada do AAtlético, tenta minimizar a pressão por causa das eliminações e se aproximar da classificação para a Libertadores do ano que vem.

“Eu, na minha carreira, me habituei a lidar com momentos difíceis. E, normalmente, eu consigo solucionar. É isso que eu vou tentar fazer agora, porque, numa eventual derrota, principalmente quando a equipe vem com irregularidade, é admissível. A gente não pode é se entregar. Vamos utilizar todos os recursos possíveis para a equipe se reerguer”, disse Oswaldo.

Atlético e Cruzeiro se enfrentam a partir das 17h deste domingo, no Mineirão. A partida é válida pela 30ª rodada do Brasileirão. Em 2017, foram cinco partidas: duas vitórias do Cruzeiro, duas do Atlético-MG e um empate. Portanto, é a chance de um dos times terminar a temporada coroada com título e afundando ainda mais o rival ou carimbando a faixa e se recuperando na competição.