No sufoco, Avaí arranca empate do Cruzeiro em jogo com lances polêmicos

Judivan marcou para o Cruzeiro após dois anos se recuperando de lesão em pênalti inexistente, mas Júnior Dutra marcou seu segundo gol nos acréscimos para fechar o placar em 2 a 2

No sufoco, Avaí arranca empate do Cruzeiro em jogo com lances polêmicos
Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Cruzeiro
2 2
Avaí
Cruzeiro: Fábio; Rafael Galhardo (Bryan, min. 20/2ºt), Léo, Digão, Diogo Barbosa (Judivan, min. 30/2ºt); Henrique, Lucas Romero; Robinho, Thiago Neves, Rafinha; Jonata (Élber, min. 10/2ºt). Técnico: Mano Menezes
Avaí: Douglas; Maicon, Alemão, Betão, João Paulo; Judson, Wellington Simião; Rômulo (Maurinho, min. 27/1ºt), Marquinhos (Caio César, min. 23/2ºt), Pedro Castro (Luanzinho, min. 33/2ºt); Júnior Dutra. Técnico: Claudinei Oliveira
Placar: 0-1, min. 22/1ºt, Júnior Dutra (pênalti). 1-1, min. 14/2ºt, Thiago Neves. 2-1, min. 33/2ºt, Judivan (pênalti). 2-2, min. 47/2ºt, Júnior Dutra
ÁRBITRO: Leandro Pedro Vuaden, auxiliado por José Eduardo Calza e Maurício Coelho Silva Penna, todos do RS. Amarelos: Digão, Léo, Thiago Neves (CRU); Judson, Douglas (AVA)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 35ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro 2017, no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, MG. Público: 7.173 pagantes | Público presente: 9.259 torcedores; Renda: R$ 107.928,00

Em segundo tempo movimentado, o Cruzeiro vencia de virada até os acréscimos, mas o Avaí marcou já aos 47, garantindo o 2 a 2 pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Júnior Dutra abriu o placar, Thiago Neves empatou e Judivan, que voltava de contusão após dois anos, quando se machucou pela Seleção Sub-20, converteu pênalti inexistente para virar. Já nos acréscimos, o artilheiro avaiano empatou o jogo.

Com 55 pontos, o Cruzeiro permanece na 5ª colocação. Já o Avaí sobe para 36, ainda em 19º, com três pontos de desvantagem para o primeiro time fora da zona de rebaixamento.

No próximo domingo (19), o Cruzeiro enfrenta o Vitória, mais um time ameaçado pelo rebaixamento, às 17h. Já o Avaí fecha a rodada, na segunda-feira (20), contra o Palmeiras, na Ressacada, às 20h. Jogos no horário de Brasília.

Avaí suporta pressão e aproveita pênalti para sair na frente

Como era de se esperar, o Cruzeiro, desde o começo, tomou a iniciativa do jogo no Mineirão. O time da casa teve mais posse de bola - 56% -, finalizou 13 vezes, contra quatro do Avaí e esteve próximo à área rival durante a maior parte do jogo. Com o meio campo reforçado, o Leão apostou em contra-ataques e na sua solidez defensiva para segurar o talento cruzeirense para buscar os três pontos.

Após arrancada pela esquerda aos 15, Diogo Barbosa cruzou, Jonata não alcançou e Thiago Neves apareceu livre na segunda trave, mas mandou longe do gol a primeira grande chance do jogo. Mesmo sendo pressionado durante toda a partida, o Avaí conseguiu encaixar um contra-ataque aos 22. Em ótima jogada pela direita, Rômulo tabelou com Maicon, saiu dentro da área e foi calçado por Henrique. Na cobrança, Júnior Dutra bateu no meio, Fábio chegou a desviar, mas a bola morreu nas redes: 1 a 0 para o Avaí.

O gol avaiano reforçou o panorama do jogo, com o Avaí defendendo sua área, com um Douglas inspirado, enquanto o Cruzeiro buscava, através da troca de passes, achar espaços para empatar a partida. Aos 24, Rafinha recebeu de Thiago Neves na entrada da área, girou para cima da marcação e bateu com perigo, por cima do gol.

O Avaí ainda foi obrigado a fazer uma alteração aos 27, quando Rômulo, que machucou o ombro no lance em que sofreu o pênalti, deu lugar a Maurinho, que foi a válvula de escape do time em alguns momentos, apesar de falhar na tomada de decisões para emplacar boas jogadas no campo de ataque.

Aos 30, Thiago Neves recebeu na intermediária de Romero, arriscou rasteiro no canto, mas Douglas pulou e espalmou para escanteio. Quatro minutos depois, após cruzamento de Galhardo, Rafinha ajeitou para trás, Thiago Neves girou e bateu forte, porém Douglas fez milagre para evitar o segundo.

Já na reta final da primeira etapa, o Avaí conseguiu encontrar mais uma vez uma saída para assustar o rival. Aos 41, Maicon recebeu grande lançamento de Judson na linha de fundo, cruzou para trás e Marquinhos apareceu livre, mas chutou mal, por cima do gol, e a partida foi para o intervalo com a vantagem dos visitantes por 1 a 0.

Judivan volta a marcar, mas Avaí busca empate no fim

O Cruzeiro começou o segundo tempo com a mesma postura, buscando espaços e pressionando o Avaí em seu campo. Depois de tanto rondar a área avaiana, aos 14, após cruzamento de Diogo Barbosa, Léo não alcançou, e a bola sobrou para Thiago Neves, que girou e tocou no canto esquerdo de Douglas para empatar em BH.

Mano Menezes buscou mudar o time com as entradas de Elber, Bryan e Judivan nas vagas de Jonata, Galhardo e Diogo Barbosa, atrás de uma nova movimentação para o time. O Avaí passou a subir um pouco mais suas linhas, porém deu mais espaços, deixando a partida mais aberta na segunda etapa.

Aos 22, Pedro Castro recebeu de Maurinho na entrada da área, ajeitou e bateu forte, à esquerda do gol. Três minutos depois, Thiago Neves recebeu na entrada da área de Rafinha, arriscou da entrada da área e Douglas caiu para segurar firme.

O lance polêmico que mudou a partida veio aos 30. Após saída errada do de Alemão, Robinho foi travado por Douglas na bola, e no rebote, Bryan mandou para fora. Instantes depois, o árbitro voltou atrás e apitou pênalti para o Cruzeiro pela dividida do goleiro. O atacante Judivan, voltando de lesão após mais de dois anos, cobrou no meio e virou o jogo no Mineirão.

Judivan marcou em seu retorno aos gramados (Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)
Judivan marcou em seu retorno aos gramados (Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

Para a reta final, foi o time de Claudinei Oliveira que passou a pressionar, com o Cruzeiro recuado. O Avaí teve posse de bola na reta final e conseguiu criar algumas chances. Aos 46, Luanzinho fez ótima jogada na linha de fundo, tocou para trás e Maurinho chegou batendo de primeira, mas a bola explodiu em Digão. No rebote, Judson arriscou de longe, mandando por pouco sobre o gol. Já aos 47, Caio César recebeu na esquerda, levantou na segunda trave e Júnior Dutra subiu alto de cabeça para empatar em Belo Horizonte, e manter o Leão vivo na luta contra o rebaixamento.