Incomodado com derrota, Mano Menezes critica mais uma vez falta de centroavante no time

Sem opções ofensivas, técnico tem contado com Arrascaeta e Thiago Neves na posição, jogando de maneira improvisada

Incomodado com derrota, Mano Menezes critica mais uma vez falta de centroavante no time
Mano Menezes em ação na tarde deste domingo, em jogo válido pela 37ª rodada do Brasileirão (Foto: Washington Alves/Cruzeiro)

O Cruzeiro terminou de forma melancólica a participação diante do seu torcedor no Campeonato Brasileiro de 2017. Nesse domingo (26), a Raposa perdeu no Mineirão para o Vasco da Gama, por 1 a 0, gol marcado por Paulão, ainda no primeiro tempo. Apesar do resultado ter sido negativo, para Mano Menezes a falta de um centroavante foi o ponto mais importante no jogo válido pela 37ª rodada do certame nacional.

“Nos faltou mais características de área, um jogador para cabecear, porque você vai cruzar bolas na área, com o Vasco fechado. Faltou isso. Temos dois jogadores com características de área, até três, se você considerar o Jonata, que é um menino. Mas temos o Raniel e o Sassá com essas características. Então, os acabamentos pelo lado, um bom cruzamento, essas coisas todas influenciam na construção e na concretização de um domínio, como a gente teve hoje”, destacou.

Não é de hoje que o treinador celeste cobra a presença de um jogador de área no elenco estrelado. Atualmente, o clube conta com Sassá, Raniel e Jonata, todos afastados por problemas médicos. No meio do ano, o Cruzeiro vendeu o argentino Ramon Ábila ao Boca Juniors. Wanchope, como é conhecido, é um dos artilheiros do time na temporada, com 14 gols marcados, ficando atrás apenas de Thiago Neves e Rafael Sóbis, com 16.

Ainda para Mano, os cruzeirenses atuaram melhor em boa parte do confronto contra os cariocas, no entanto, esbarraram na boa marcação montada por Zé Ricardo, técnico do Gigante da Colina. 

“O jogo foi positivo, com exceção do resultado. O Cruzeiro jogou bem, o Vasco chutou duas bolas ao nosso gol. E nós, com todo esse volume, criamos oportunidades claras para poder empatar e até virar. Têm dias que a bola não quer entrar, o adversário tem méritos de se defender com muitos jogadores dentro da área, como foi no segundo tempo. Eles se redobraram e conseguiram segurar o 1 a 0 do primeiro tempo. Não era o que gostaríamos de fazer para encerrar o ano em nossa casa”, concluiu.

O Cruzeiro agora, fecha o ano pegando o Botafogo, no próximo domingo (3), no estádio Nilton Santos. O jogo será realizado a partir das 17h. Os alvinegros brigam por vaga na Libertadores de 2018, enquanto, os mineiros já estão classificados para o torneio continental.