Klauss Câmara dá adeus ao Cruzeiro: "Sentimento de dever cumprido"

Cartola deixa o cargo de diretor de futebol do clube após um ano

Klauss Câmara dá adeus ao Cruzeiro: "Sentimento de dever cumprido"
Câmara será substituído por Marcelo Djian (Foto: Alisson Guimarães/Cruzeiro)

Em entrevista coletiva ocorrida na tarde desta terça-feira (28), na Toca da Raposa II, o diretor de futebol do Cruzeiro, Klauss Câmara, se despediu do clube de forma oficial. Apesar de a saída acontecer no final da temporada, notícias de bastidores davam conta que Câmara não ficaria no clube para a próxima gestão. Quem ficará com a vaga é o ex-zagueiro Marcelo Djian.

Fatos ocorridos após a vitória de Wagner Pires de Sá para a presidência da Raposa ajudaram na decisão de Klauss Câmara em deixar o Cruzeiro. Principalmente, as saídas de Bruno Vicintin, amigo de Câmara, do cargo de vice-presidente de futebol na gestão de Gilvan de Pinho Tavares, e de Tinga, gerente de futebol. 

Quero agradecer imensamente pelas mensagens que recebi de apoio de todos os amigos, colegas da imprensa, e principalmente dos torcedores. Desde que aconteceu as eleições e foram confirmados os novos diretores, já sabíamos da minha não continuidade, mas deixei para falar mais ao final do processo para que causasse o mínimo de turbulência”, disse.

Klauss Câmara, de 36 anos, encerra sua terceira passagem pelo Cruzeiro. A primeira foi como jogador da base do clube. A segunda, como coordenador de captação, e a terceira, como diretor das categorias de base e, em seguida, como diretor de futebol.

São quase dez anos de serviços prestados a este clube. Foi um orgulho muito grande ter recebido a missão de dirigir o departamento de futebol em 2017. Diante do cenário que tínhamos, sabíamos que no início da temporada haviam resistências por parte até de outros profissionais de estarem aqui, por ser um ano político, porque poderia ter um prazo de validade curto, o que é normal e está dentro do segmento do futebol. Era um cenário bastante difícil para assumir para qualquer outro profissional, mas para mim não. Tive um orgulho muito grande por ser o responsável pelo futebol do Cruzeiro nessa temporada. Me sinto ainda mais honrado e privilegiado por ter sido diretor das Tocas I e II, talvez fazendo parte de um grupo seleto de diretores com essa façanha”, declarou.

Volto a dizer que saio daqui com o sentimento de dever cumprido, com a satisfação de ter representado um gigante do futebol mundial que é o Cruzeiro, honrado por ter conseguido cumprir essa missão tão difícil e desafiadora que se apresentava”, encerrou.