Cruzeiro encerra ano com indefinições em seu ataque, e diretoria já busca por opções

Jogadores da posição terminam o ano em baixa e geram dúvidas para nova diretoria

Cruzeiro encerra ano com indefinições em seu ataque, e diretoria já busca por opções
Alvo do Querétaro, Sóbis ainda segue com futuro indefinido no Cruzeiro (Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro)

O Cruzeiro enfrentará no domingo (3) o Botafogo, no Rio de Janeiro para encerrar a temporada de 2017, que foi bastante vitoriosa com o título da Copa do Brasil e a garantia da vaga para a Libertadores do ano que vem. Mas, o final da temporada está repleto de dúvidas na Toca da Raposa, e uma delas é sobre quem será o atacante que comandará o time em busca do tri da América.

O time encerrará o ano com seus meias ofensivos em alta, com Thiago Neves bem em meio à torcida, Arrascaeta com chances de disputar a Copa do Mundo pelo Uruguai, Alisson reencontrando seu bom futebol após diversas lesões, além de Robinho e Rafinha em bons momentos. Mas, o técnico Mano Menezes ainda não tem o definidor das jogadas criadas por todos esses jogadores em boa fase. 

O principal nome da temporada celeste foi  o de Rafael Sóbis, que teve sobre si depositada a confiança de comandar o ataque da equipe. O atacante, porém, não conseguiu repetir as boas passagens por Internacional e Fluminense e não correspondeu a enorme expectativa gerada. Inclusive, já teve seu nome ventilado como possível reforço do Querétaro (MEX) no próximo ano.

Outro nome da temporada para o ataque foi o de Sassá, que até chegou a agradar marcando gols e decidindo em jogos importantes,  mas uma cirurgia no joelho direito o afastou do restante da temporada e o polêmico atacante ainda é dúvida para o ano que vem. 

Outros jogadores já tiveram a oportunidade durante o ano de servir Mano, mas com enormes dificuldades e contratempos, o Cruzeiro alternou entre Rafael Marques, Raniel, Judivan, além de jogadores de meio campo como Arrascaeta e Thiago Neves, que tiveram suas funções mudadas pontualmente.

Raniel, por exemplo, agradou quando atuou, mas uma lesão o tirou dos campos em setembro. No caso de Judivan, o retorno aos gramados aconteceu após dois anos e meio afastado por lesão, e por isso só jogou no fim da temporada. Outra opção encontrada foi o jovem Jonata, que é o artilheiro do time no sub-20.

Com o final do ano e o planejamento para a próxima temporada começando, o time já deixou claro que irá ao mercado na busca de um artilheiro. Nomes como os de Ricardo Oliveira, com fim de seu contrato com o Santos, e do argentino Gustavo Bou, do Tijuana (Mex), que teve ótima passagem pelo Racing, já entraram na pauta celeste. Agora basta aguardar as cenas dos próximos capítulos e ver a solução que a nova diretoria encontrará para conquistar campeonatos, principalmente, o tri da América, tão sonhado pela torcida azul.