Gilvan relembra bons momentos sob comando do Cruzeiro e fala sobre seu sucessor

Ex-mandatário exaltou as conquistas celestes durante os seis anos de mandato

Gilvan relembra bons momentos sob comando do Cruzeiro e fala sobre seu sucessor
Foto: Alice Tosatti/VAVEL Brasil

Na tarde desta sexta-feira (1º), Gilvan de Pinho Tavares se despediu da presidência do Cruzeiro. Após seis anos no comando, o mandatário será substituído por Wagner Pires de Sá, que assumirá a presidência em janeiro. Em entrevista coletiva na Toca da Raposa II, o ex-mandatário demonstrou decepção com seu próximo sucessor, com quem rompeu há pouco tempo.

"Não vou mentir. Nunca tive tanta decepção quanto no fim do meu mandato. Os senhores viram perfeitamente que teve de tudo, inclusive um flagrante no candidato que estávamos apoiando que gerou a prisão dele. Alegaram que ele estava dirigindo sob efeito de bebida alcoólica. Ele se defendeu, isso foi matéria policial, foi detido no Detran e até hoje se defende.  Essas coisas chocam a gente. Sou de uma época que gente de bem não aceitava isso. Essas coisas me chocaram profundamente. Tanto que fui obrigado a me afastar daquele que eu apoiei na eleição para presidente”, disse.

Durante os seis anos sob o comando celeste, Gilvan participou de três títulos da equipe principal: Brasileirão de 2013 e 2014 e Copa do Brasil de 2017, além de dois triunfos das divisões de base: Brasileirão e Supercopa 2017, ambos pelo sub-20. 

"Qual clube no Brasil, com investimento menor, conseguiu todos esses títulos? Não se pode querer que o dirigente de hoje monte um elenco que brigue para não cair, como aconteceu em 2011. Tenho certeza que, depois de ouvir isso, a torcida vai entender que o presidente montou time para ganhar títulos. O presidente trabalhou para ganhar títulos e ganhou títulos”, completou.

Gilvan pregou transparência em sua última entrevista como presidente do Cruzeiro. "Vou apresentar para o presidente do Conselho Deliberativo a minha declaração de imposto de renda. Não foi acrescentado nenhum item ao meu patrimônio. Não me aproveitei do Cruzeiro para levar vantagens financeiras. Espero que o futuro presidente e futuros dirigentes façam a mesma coisa. Deixem a declaração de imposto de renda quando chegarem e quando saírem como prova de que não fizeram nada de errado", concluiu.