Retrospectiva VAVEL: análise individual do elenco do Cruzeiro em 2017

Raposa levou a Copa do Brasil com um bom plantel ao longo da temporada; veja, peça por peça, quem integrou o grupo celeste neste ano

Retrospectiva VAVEL: análise individual do elenco do Cruzeiro em 2017
Foto: Cristiane Mattos/Light Press/Cruzeiro

As projeções feitas sobre as equipes no começo da temporada carregam consigo uma margem de incertezas. Nunca será possível precisar o que de fato acontecerá com um clube ao longo de seu ano competitivo quando o time ainda está dando seus primeiros passos. O Cruzeiro, por exemplo, iniciou 2017 como um dos elencos que poderiam surpreender, mas ainda assim corria por fora das expectativas mais positivas e gloriosas.

A equipe, no entanto, faturou a Copa do Brasil pela quinta vez e terminou o Campeonato Brasileiro com uma boa campanha na quinta colocação. Posição por posição, a VAVEL Brasil vai destrinchar o elenco usado pela Raposa ao longo de 2017, para avaliar as suas peças, bem como suas atuações e oportunidades ao longo do ano.

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Fábio: o goleiro titular do Cruzeiro se lesionou em meados de 2016 e esteve em processo de recuperação até o início desta temporada. Ele reassumiu a meta celeste na rodada inicial do Campeonato Brasileiro, contra o São Paulo, tendo atuado apenas em um duelo anteriormente. Em 2017, Fábio fez 40 partidas e sofreu 34 gols, encerrando sua 13ª temporada à frente do gol cruzeirense de forma titular. O arqueiro já defendeu a camisa da Raposa em 745 oportunidades e é o atleta que mais fezes jogou pelo Cruzeiro. Recentemente, renovou com a equipe até o fim de 2019.

Rafael: reserva de Fábio, Rafael substituiu o camisa 1 da Raposa desde quando ele se lesionou. Com isso, encerrou o Brasileiro de 2016 e conduziu a meta da equipe durante parte da temporada de 2017. Formado nas categorias de base do time celeste, Rafael é a peça que segue na linha sucessória pela titularidade da meta da equipe quando o experiente Fábio se aposentar. A qualidade do primeiro goleiro reserva do clube já fez com que despertasse atenções do mercado, mas nada se concretizou. Em 2017, fez 33 jogos, e 95 desde quando foi revelado - 2009.

Lucas França: terceiro goleiro do Cruzeiro, Lucas França foi revelado em 2015 e teve apenas uma oportunidade no time principal este ano. Com 21 anos, o jovem atuou frente ao Joinville, na Copa da Primeira Liga, duelo que terminou empatado em 0 a 0. Para completar, Lucas esteve com o time celeste no Brasileiro de Aspirantes, pelo qual disputou três partidas - contra Coritiba, Figueirense e Internacional.

Lucão: aos 19 anos, o jovem Lucas Emanoel Romão, ou simplesmente Lucão, foi o único goleiro cruzeirense que não teve oportunidades no grupo profissional em 2017. Ele foi revelado pela base celeste no ano passado e jogou duas partidas pelo Sub-20 este ano. 

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Léo: principal zagueiro do Cruzeiro, o experiente Léo viveu oscilações em determinado momento da temporada, mas encerrou 2017 muito bem. Ao longo do ano e sempre titular, Léo teve ao seu lado os atletas Manoel, Kunty Caicedo, Murilo, Dedé, Digão e Arthur. O defensor de 29 anos está na Raposa desde XXXX e fez 55 jogos neste ano, vivendo a temporada com mais oportunidades da carreira. Quando dividiu a zaga celeste com Caicedo, chegou a apresentar baixo rendimento, mas a chegada do jovem Murlo cooperou com uma melhora significativa em suas atuações.

Murilo: revelação do Cruzeiro em 2017, o jovem Murilo chegou à titularidade em meio a uma "fogueira". A equipe celeste vivia muita instabilidade em seu setor defensivo quando o atleta foi sacado para ser titular por volta de setembro. Murilo terminou o ano com 31 jogos realizados e muito valorizado. Foi sondado por clubes da Itália e de Portugal recentemente, mas por enquanto segue no elenco para 2018.

Foto: Rafael Ribeiro/Light Press/Cruzeiro

Digão: contratado no decorrer da temporada, Digão chegou ao Cruzeiro quando a equipe tinha apenas o jovem Arthur como reposição para os titulares Léo e Murilo. Ele veio do Al Sharjah, dos Emirados Árabes, em julho, e fez 12 jogos pela equipe em 2017, 11 deles como titular.

Manoel: após iniciar o ano como titular absoluto ao lado de Léo, Manoel sofreu uma grave lesão que comprometeu toda a sua temporada. Em abril, no jogo de volta da quarta fase da Copa do Brasil, contra o São Paulo, o defensor fraturou o pé e só retornou em julho. Em sua volta, sentiu um desconforto no pé novamente e parou novamente, desta vez até outubro. Neste ano, fez 24 jogos.

Dedé: fundamental no bicampeonato brasileiro do Cruzeiro de 2013/14, Dedé se lesionou no fim de 2014 e desde então não conseguiu engatar uma sequência de jogos. Ele não atuou em 2015, fez cinco partidas em 2016 e apenas sete neste ano.

Arthur: cria da casa, o zagueiro Arthur foi a terceira opção de Mano durante boa parte da temporada. O defensor tem 18 anos e subiu nesta ano para o profissional. Arthur fez quatro jogo pela Raposa, além de um com o Sub-23 no Brasileiro de Aspirantes.

Kunty Caicedo: contratado pelo Cruzeiro no fim de 2016, o equatoriano Kunty Caicedo foi visto com bons olhos quando desembarcou em Minas Gerais. O defensor tinha sido vice-campeão da Libertadores com o Independiente del Valle e defendia ainda a sua Seleção. No entanto, acumulou jogos ruins com a equipe celeste em um momento no qual enfrentava problemas pessoais com a doença da mãe e foi emprestado ao Barcelona de Guayaquil.

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Diogo Barbosa: melhor lateral do elenco do Cruzeiro, Diogo Barbosa foi o primeiro a deixar o time celeste dentre os jogadores titulares no fim da temporada. Em 2018, vai defender a camisa do Palmeiras, time com o qual acertou nas rodadas finais do Campeonato Brasileiro. O lateral-esquerdo chegou ao clube para esta temporada, vindo do Botafogo, e fez 59 jogos em 2017 - foi o ano em que mais atuou. Diogo chegou a se tornar um dos pilares do Cruzeiro, despertando, inclusive, comentários do técnico Tite, comandante da Seleção Brasileira.

Bryan: reserva de Diogo ao longo deste ano, Bryan ganhou uma nova companhia para 2018: Egídio, contratado junto ao Palmeiras. Revelado pelo América-MG em 2012, Bryan chegou à Raposa no ano passado e fez apenas 16 jogos nesta temporada devido à super titularidade de Diogo Barbosa.

Fabrício: o torcedor pode não se lembrar, mas Fabrício iniciou o ano  no Cruzeiro. O lateral-esquerdo fez dez jogos em 2017 com a camisa celeste e está emprestado ao Atlético-PR.

Edimar: outro atleta do lado esquerdo que começou o ano no elenco do Cruzeiro foi Edimar. Ele chegou a se reapresentar com a equipe, mas foi negociado com o São Paulo e não disputou nenhum jogo com a camisa da Raposa.

Ezequiel: dono na lateral direita do Cruzeiro na virada do ano, Ezequiel sofreu uma lesão no quadril ao longo da temporada, o que deixou uma lacuna na posição. Mano Menezes recorreu ao volante Lucas Romero improvisado, mas terminou 2017 com o atleta de ofício no setor. Ezequiel fez 38 jogos neste ano e segue como o principal jogador do corredor direito da equipe.

Mayke: revelado na base do Cruzeiro e bicampeão brasileiro em 2013/14 com a equipe, o lateral-direito Mayke foi emprestado pela Raposa ao Palmeiras a troco da vinda definitiva do atacante Rafael Marques. Em 2017, defendeu a camisa celeste em 15 oportunidades e deixou o clube em maio.

Lennon: um mês antes da saída de Mayke, o Cruzeiro acertou com o lateral Lennon, que veio do xará do Rio Grande do Sul. Apesar de reserva de Ezequiel a partir de então, o lateral teve poucas oportunidades e viu, por exemplo, o volante Romero ter mais oportunidades no setor. Mano Menezes, inclusive, chegou a declarar abertamente que preferia o futebol do meio-campista argentino na posição. Lennon fez apenas sete jogos com a camisa celeste.

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Henrique: capitão do Cruzeiro, o volante Henrique herdou a braçadeira da equipe depois da lesão do então dono da faixa, Fábio. O meio-campista chegou a revezar com o zagueiro Leo, tanto que dividiu com o defensor o momento mais glorioso da temporada celeste: a hora em que a taça da Copa do Brasil foi erguida. Em sua segunda passagem pelo Cruzeiro, Henrique coleciona histórias na Raposa, como um bicampeonato brasileiro e final de Libertadores com direito a gol na decisão. Em 2017, fez 53 jogos e é titular absoluto do time desde 2014.

Hudson: envolvido em um imbróglio, o volante Hudson tem contrato com o Cruzeiro até 31 de dezembro de 2017 por empréstimo junto ao São Paulo. A equipe celeste já definiu tudo com o atleta, mas ainda tem pendências com o tricolor paulista pela permanência do jogador. Apesar de tudo, Hudson foi um dos jogadores mais regulares da Raposa em 2017, com atuações muito boas. Neste ano, esteve em campo em 38 jogos e marcou três gols, tendo ainda enfrentado lesões.

Ariel Cabral: titular do Cruzeiro ao lado de Henrique, o argentino Ariel Cabral sofreu uma grave entorse no tornozelo em meados de 2017 e ficou longe dos gramados durante praticamente todo o segundo semestre. Ele iniciou o ano como peça recorrente dos 11 de Mano e mostrou muita segurança. Cabral chegou a entrar em campo na última rodada do Brasileiro, contra o Botafogo, e está recuperado para o ano que vem. Fez 35 jogos em 2017 e está no clube desde 2015.

Lucas Romero: versatilidade. Essa talvez seja a melhor definição de Lucas Romero em 2017. Ao integrar um quadro cheio de volantes, o meio-campista acabou tendo mais oportunidades improvisado na lateral direita. O argentino substituiu Ezequiel e agradou muito atuando na função. Lucas Romero fez, ao todo, 38 jogos em 2017 e está no elenco celeste desde o início do ano passado.

Lucas Silva: cria da base do Cruzeiro, Lucas Silva teve projeção após o bicampeonato brasileiro conquistado com a Raposa e com isso foi negociado com o Real Madrid. O volante, no entanto, não teve oportunidades no time merengue, sendo emprestado ao Olympique de Marseille. De volta ao Brasil, Lucas está emprestado ao time celeste pela instituição espanhola até metade de 2018. Com a camisa dos mineiros, fez 36 partidas em 2017 e um gol.

Nonoca: também chamado Lucas, mas conhecido por Nonoca, o jovem de 19 anos subiu para o grupo profissional do Cruzeiro em 2017. Ele fez apenas nove jogos com a camisa celeste este ano, mas é bastante promissor. Nonoca foi eleito pela Revista Four Four Two como um dos jogadores mais promissores do mundo, ocupando a posição de número 72 no Top 100 mundial. 

Frederico Gino: apesar de ter se reapresentado com o Cruzeiro para a temporada 2017, o volante Frederico Gino foi negociado com o Santa Cruz, pelo qual fez 19 partidas em 2017. 

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Thiago Neves: destaque do Cruzeiro em 2017, Thiago Neves foi contratado em janeiro deste ano e chegou ao clube com status de maior contratação do ano. De fato, o TN30 correspondeu em campo e fez o que ele mesmo chamou de "melhor temporada da carreira". Responsável pelos pênaltis decisivos da Raposa na semi e na final da Copa o Brasil, o meia foi o artilheiro do time celeste no Brasileirão, com 11 gols. Foi também quem mais balançou redes adversárias pelo clube em 2017, com 17 tentos, além de maior garçom, com 14  assistências. Thiago foi eleito o melhor meia do Campeonato Brasileiro, ao lado de Hernanes, do São Paulo. 

Robinho: dono do corredor direito do Cruzeiro, Robinho ficou de fora da grande final da Copa do Brasil por um motivo que outrora ousou incomodar sua temporada: lesão. O meia parou sucessivas vezes em 2017 pela recorrência na coxa, mas, ainda assim, era titular sempre que estava bem. Robinho tem a confiança de Mano e disputou 35 jogos no ano. 

Arrascaeta: camisa 10 do Cruzeiro, o uruguaio termina o ano como um dos atletas mais valorizados do elenco celeste. Em 2018, deve disputar a Copa do Mundo com o Uruguai, na qual também veste a 10. Neste ano, Arrascaeta fez um dos gols mais importantes da temporada mineira, que foi o tento anotado na partida de ida da final da Copa do Brasil, contra o Flamengo. Apesar de ter enfrentado lesão, terminou 2017 com 43 partidas feitas, 12 gols marcados e seis assistências.

Alisson: jogador que mais vezes atuou pelo Cruzeiro em 2017, Alisson fez 57 partidas na temporada. Aos 24 anos, o meia-atacante é da base do Cruzeiro, time no qual está desde quando subiu para o profissional - teve apenas uma rápida passagem pelo Vasco. Neste ano, foi titular absoluta do clube, na temporada mais volumosa da carreira em termo de jogos disputados. Alisson anotou cinco gols.

Rafinha: coringa do meio-campo do Cruzeiro, Rafinha foi usado para substituir as peças titulares tanto do lado direito de armação da Raposa quanto do lado esquerdo. No entanto, em determinado momento da temporada esteve entre os 11 do técnico Mano Menezes. Em 2017, Rafinha foi um dos que mais atuou pela equipe, totalizando um número de 55 aparições e três gols. 

Elber: jogador revelado pela base do Cruzeiro em 2011, o meia Elber chegou a ser emprestado para Coritiba e Sport, mas retornou ao clube celeste. O atleta é conhecido por dar velocidade ao time quando é sacado do banco, panorama de sua temporada. Em 2017, foram 39 jogos feitos e um gol anotado.

Messidoro: envolvido na troca do também argentino Ramon Ábila entre Cruzeiro e Boca Junios, Messidoro chegou à Raposa no meio da temporada. Com um panorama do meio-campo de armação quase praticamente definido quanto às peças de Mano, ele acabou tendo pouco espaço. Foram apenas quatro jogos nesta temporada.

Alex: aos 21 anos, Alex foi outro meia, além do argentino Messidoro, que pouco fez em 2017. Revelado pela base da Raposa, esteve em cinco jogos do time principal no ano, além de ter participado de três partidas no Brasileiro de Aspirantes com a Sub-23.

Marcos Vinicius: depois de fazer apenas dois jogos com o Cruzeiro em 2017, o meia Marcos Vinicius foi para o Botafogo, em negociação que trouxe o atacante Sassá à Raposa.

Fotomontagem: Isabelly Morais/VAVEL Brasil

Rafael Sóbis: principal atacante do Cruzeiro, Rafael Sóbis chegou à Raposa em meados de 2016, vindo do Tigres. Apesar de titular em 2017, o jogador não fez uma grande temporada, oscilando entre boas e más atuações. Sóbis esteve em campo em 50 oportunidades e anotou 13 gols em jogos oficiais, sendo o atleta do ataque celeste que, aparentemente, mais agrada a Mano Menezes. Neste fim de temporada, foi sondado pelo Querétaro-MEX, mas segue no plantel cruzeirense para 2018.

Sassá: após uma passagem polêmica pelo Botafogo, clube que o revelou, Sassá acertou com o Cruzeiro em negociação que levou Marcos Vinicius para General Severiano. O atacante chegou à Raposa em junho e fez apenas 17 jogos devido a uma lesão no joelho. No entanto, a média do atleta foi muita boa, com sete gols marcados no pouco que atuou.

Rafael Marques: Mayke no Palmeiras, Rafael Marques no Cruzeiro. Essa foi uma das trocas recentes entre os Palestras, que recorrentemente têm se envolvido em tratativas. Na Raposa, o atacante fez apenas 19 jogos no ano e marcou apenas um gol.

Raniel: uma lesão cruel tirou o que seria o apogeu da temporada de Raniel. O atacante teve diante de si a oportunidade de comandar o ataque da Raposa na grande decisão da Copa do Brasil, uma vez que o titular Rafael Sobis estava suspenso, Judivan machucado, Sassá e Rafael Marques não inscritos. No entanto, com menos de cinco minutos de jogo, Raniel sentiu uma lesão em ambas as coxas e deixou o gramado do Mineirão. Revelado pelo Santa Cruz, chegou à base da Raposa antes de alcançar o profissional. Em 2017, foram 23 jogos com a camisa celeste e quatro gols.

Judivan: uma das histórias mais marcantes dos tempos recentes do Cruzeiro, o atacante Judivan viveu um grande drama nas últimas temporadas. O jogador se lesionou em meados de 2015, quando vivia o auge de sua carreira com a base da Seleção Brasileira, e enfrentou sucessivas complicações a partir de então. O atleta ficou todo o ano de 2016 sem pisar nos gramados e assim caminhava para se repetir em 2017. No entanto, em 15 de dezembro de 2017, foi sacado do banco no duelo frente ao Avaí, em seu retorno, e ainda marcou um gol de pênalti. Judivan foi aclamado pelo torcedor celeste presente no Gigante da Pampulha e vira a temporada com a esperança de novos capítulos em sua trajetória.

Ramon Ábila: com aspecto de goleador, Ramon Ábila suscitou uma das "polêmicas administrativas" do Cruzeiro em 2017. A Raposa ainda devia o Huracán-ARG pela compra do atleta, sendo, inclusive, acionada na FIFA pelo clube argentino. Com isso, acabou negociando com o Boca Juniors o retorno do jogador ao seu país, em negociação vantajosa para o time celeste pelo cerco no qual estava. Em 2017, Ábila marcou 13 gols em 32 jogos e era um dos atacantes que mais agradava à torcida celeste. 

Willian: presente no bicampeonato brasileiro do Cruzeiro, onde ficou de 2013 a 2016, o atacante Willian iniciou a temporada com a Raposa mas logo foi envolvido em uma troca. O jogador foi para o Palmeiras pela permanência do meia Robinho em terras mineiras.