Thiago Scuro critica modelo de gestão do Cruzeiro em sua época no clube: "Não é referência"

Atual CEO do Red Bull Brasil, ex-diretor de futebol da Raposa apontou falta de planejamento no período em que esteve no clube - 2015 e 2016

Thiago Scuro critica modelo de gestão do Cruzeiro em sua época no clube: "Não é referência"
Fotos: Washington Alves / Light Press / Cruzeiro

Durante um evento de uma consultoria em São Paulo, o atual CEO do Red Bull Brasil, Thiago Scuro, lembrou o período em que trabalhou como diretor de futebol do Cruzeiro, entre 2015 e 2016, e avaliou a antiga gestão do clube celeste. Na época, o clube era presidido por  Gilvan de Pinho Tavares.

"Eu tive uma experiência de quase dois anos no Cruzeiro como diretor de futebol. Acho que o time não é a referência. Acho que serve de alerta, porque teve resultado esportivo sem uma estrutura de gestão, e isso é preocupante, porque, de certa forma, é o errado dando certo. Isso dificulta o trabalho de quem quer fazer certo e eventualmente não tem títulos", relatou para o site ESPN Brasil.

Scuro argumentou que seu trabalho foi prejudicado devido a uma falta de planejamento do time celeste. “A falta de um orçamento, de definir que tipo de investimento você tem a capacidade de fazer. Eu vinha de clubes-empresa, como Audax e Red Bull, e foi um momento difícil de entendimento até do que as pessoas esperam de um diretor-executivo. Muitas vezes você é contratado para ser diretor-executivo, mas quem te contratou não sabe qual é o seu trabalho e nem como cobrar ou direcionar”, explicou.

O ex-diretor da Raposa ainda elogiou as gestões de Flamengo e Palmeiras, considerando-as mais sólidas. "Fico feliz de ver outros clubes com comportamento mais consistente do ponto de vista de gestão de processos. Acho que no final é isso que vai prevalecer. E vem prevalecendo, tanto é que o Flamengo e Palmeiras estão brigando na ponta da tabela constantemente", ressaltou.

Durante o seu período como diretor de futebol pelo Cruzeiro, Thiago  fez as seguintes contratações: Sánchez Miño, Lucas, Ezequiel, Bryan, Edimar, Frederico Gino, Lucas Romero, Denílson, Marciel, Robinho, Matias Pisano, Rafinha, Bruno Nazário, Rafael Silva, Rafael Sóbis e  Ábila.