Embalado após goleada, Atlético-MG enfrenta Figueirense no Orlando Scarpelli

15º na competição, Figueira pode figurar no Z-4 em caso de resultado negativo; caso vença, Galo pode terminar a rodada entre os quatro primeiros

Embalado após goleada, Atlético-MG enfrenta Figueirense no Orlando Scarpelli
Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG
Figueirense
Atlético-MG
Figueirense: Gatito Fernández; Ayrton, Marquinhos, Bruno Alves, Marquinhos Pedroso; Jackson Caucaia, Jociney, Bady, Yago; Everton Santos, Guilherme Queiroz. Técnico: Vinícius Eutrópio.
Atlético-MG: Victor; Douglas Santos, Erazo, Leonardo Silva, Marcos Rocha; Júnior Urso, Eduardo, Cazares; Clayton, Fred, Robinho. Técnico: Marcelo Oliveira.
ÁRBITRO: Rafael Traci (PR). Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016, a ser realizada no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis/SC.

Quando o relógio marcar 19h neste domingo (3) em Florianópolis/SC, Figueirense e Atlético-MG entrarão em campo, no Estádio Orlando Scarpelli, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016. A partida tem contornos distintos para ambos, um na parte de baixo da tabela e outro se misturando aos times da parte de cima.

O Furacão do Estreito, que ocupa a 15ª colocação, com 14 pontos, não vence há três todadas vem de uma goleada sofrida contra o líder Palmeiras por 4 a 0. Um novo resultado negativo pode colocar o time na zona de rebaixamento. Já o Galo, em ascensão no Brasileirão, venceu suas últimas quatro partidas e embalou rumo ao sétimo lugar, com 19 pontos e mira o G-4, uma vez que apenas um ponto o afasta do quarto colocado, Internacional.

Em baixa na tabela e com baixas no elenco: retrato do Figueirense para encarar o Galo

A posição na tabela de classificação é incômoda para a equipe treinada por Vinícius Eutrópio. Os desfalques que assolam o Figueira dificultam a montagem do time titular que vai enfrentar o Atlético-MG. O treinador tem apenas três opções no ataque: Everton Santos, Ermel e Guilherme Queiroz. Lins e Gabriel Esteves estão no departamento médico.

Além destes, há outros desfalques importantes. Dudu, negociado com o futebol japonês e Rafael Moura, suspenso devido ao terceiro cartão amarelo recebido diante do Palmeiras. O volante Ferrugem, que sentiu uma fisgada na coxa é outra ausência confirmada. Porém, na posição, Elicarlos, que cumpriu suspensão contra a equipe paulista, está de volta.

Além de Elicarlos, quem retornou contra o Palmeiras e pode ser titular contra o Galo é o meio-campo Yago. Em meio a tantas baixas do time, o jogador comentou sobre problemas pessoais e celebrou a oportunidade dada por Eutrópio, que pode se repetir no domingo. "No começo do ano eu tive um problema família, perda de dois tios meus, a minha família passava por uma situação difícil. Mas nunca deixei de trabalhar e fiquei feliz pelo Vinícius ter me dado essa oportunidade, nos treinamentos eu demonstrei isso", declarou.

Galo quer continuar com o bom momento e fazer do Figueirense a vítima da vez

Ponte Preta, Corinthians, América-MG e Botafogo. Os últimos quatro adversários do Atlético-MG foram degraus subidos na escada do Brasileirão. Do 17º lugar, na zona de rebaixamento, para o sétimo lugar, a um ponto do G-4. A arrancada atleticana vislumbra um novo foco para o time comandado por Marcelo Oliveira, que já se encontra em solo catarinense.

Em sua última atividade, realizada no CT do Avaí, o treinador comandou um recreativo, seguido do treino de lances de bola parada, defensiva e ofensivamente. A única dúvida do time era Erazo, que está recuperado de um desconforto muscular. Dátolo não foi relacionado para o jogo, vetado pelo departamento médico devido a um desconforto muscular. Como o atleta já apresenta um histórico de lesões, a comissão técnica optou por poupá-lo.

Assim como venceu quatro partidas seguidas em Belo Horizonte, o Galo também quer triunfar fora de casa. O time ainda não venceu fora da capital mineira, uma vez que a única vitória como visitante foi no clássico regional diante do América. O lateral-direito Marcos Rocha sabe da dificuldade em enfrentar os donos da casa e enfatiza que é preciso marcar com eficiência e usar dos contra-ataques na busca pelo resultado positivo.

 “A gente sabe da força que eles têm lá dentro, é uma equipe que gosta muito do contra-ataque, tem bastante velocidade. Então, é importante respeitá-los, principalmente na hora de marcar, para que a gente possa também aproveitar nossa velocidade nos contra-ataques, conseguir fazer o resultado e trazer os três pontos", disse.