Flamengo massacra Bauru, vence jogo 5 e é pentacampeão do NBB

Rubro-negro voa no terceiro quarto, vence quinto jogo da série contra Bauru e fatura o NBB 8; Torcida não perde tempo e manda recado para o Vasco, recém-promovido da Liga Ouro

Flamengo massacra Bauru, vence jogo 5 e é pentacampeão do NBB
(Foto: FotoJump/LNB)
Flamengo
100 66
Bauru
Flamengo: Rafa Luz, Ronald Ramon, Marquinhos, Olivinha e Meyinsse.
Bauru: Paulinho Boracini, Alex, Robert Day, Jefferson e Hettsheimeir.
Placar: 1º QUARTO: 21-17; 2º QUARTO: 39-32; 3º QUARTO: 71-49; 4º QUARTO: 100-66.
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELO JOGO 5 DO NOVO BASQUETE BRASIL, REALIZADA NA ARENA CARIOCA 2, NO RIO DE JANEIRO

Existe uma soberania no basquete nacional brasileiro, e ela carrega as cores vermelho e preto. A série precisou ir até o jogo 5, mas o título seguiu para o mesmo rumo das últimas três edições. Na tarde deste sábado (11), na Arena Carioca 2, o Flamengo venceu o Bauru por 100 a 66 e conquistou o pentacampeonato do NBB. Festa para a torcida presente que festejou mais um troféu, coroação para o trabalho realizado pelo técnico José Neto e recados da torcida rubro-negra para o Vasco, recém-promovido da Liga Ouro: "A sua hora vai chegar".

+ TEMPO REAL: confira como foi o duelo entre Flamengo e Bauru

Escalado com Rafa Luz, Ronald Ramon, Marquinhos, Olivinha e Meyinsse, o Flamengo entrou no primeiro quarto ligado, abrindo uma vantagem inicial. Já Bauru, inicialmente com Paulinho Boracini, Alex, Robert Day, Jefferson e Hettsheimeir, demorou para se encontrar, mas chegou a tomar dianteiro da primeira etapa por um certo momento. Quando as bolas de três começaram a cair, o rubro-negro abriu pequena vantagem e venceu o quarto por 21 a 17.

Na abertura do segundo quarto, mudança de postura dos dois lados. O Flamengo parou de apostar nas bolas de três e passou a exigir de seu garrafão. Aumentando seus rebotes defensivos e fazendo mais jogadas de pivô, abriu dez pontos de vantagem e viveu seu melhor momento. O Bauru, que chegou a ficar quatro minutos sem converter uma cesta, reagiu nos minutos finais da partida, mas não impediu que o placar do intervalo fosse 39 a 32.

A abertura do terceiro quarto foi espetacular para o Flamengo. Se as bolas do lado paulista não caiam, as cariocas eram covertidas de qualquer lugar da quadra. Marcelinho Machado marcou 9 pontos com bolas de três em apenas dois minutos, colocando o Flamengo com mais de 20 pontos de vantagem. O Bauru não se encontrava, chutava de todos os lados sem o menor planejamento e foi engolido no placar. Massacre por 71 a 49 e gritos de campeão na arquibancada.

No último quarto, o bom e velho termo "virou passeio" poderia ser usado. A disputa acirrada dos primeiros quartos não era vista, enquanto o Flamengo jogava em ritmo de treino contra um Bauru já entregue e esperando o tempo acabar. José Neto promoveu a entrada dos reservas rubro-negros para aproveitar os minutos finais de Liga Nacional. No fim, o cronômetro estourou pela ultima vez e o título  do NBB foi para a Gávea pela quinta vez na história.

Campeão, Flamengo conquista seu quinto título de NBB

A soberania rubro-negra no basquete nacional não é de hoje. Na sala de troféus, são seis títulos nacionais, sendo cinco deles conquistados no Novo Basquete Brasil (NBB). Também tetracampeão de maneira consecutiva, saiu com o caneco em 2015, 2014, 2013 e 2009.

Antes da nova Liga Nacional, o Flamengo também havia conquistado o Campeonato Brasileiro de Basquete, em 2008, configurando-se assim como hexacampeão nacional na modalidade. Os vice-campeões foram Universo (2008), Brasília (2009), Uberlândia (2013), Paulistano (2014) e Bauru (2015 e 2016).

Flamengo: campeão após ter melhor campanha

Pentacampeão do NBB e dono da melhor campanha da primeira fase. Quem analisa somente os números, pensa que o Flamengo teve facilidade na busca pelo título. No entanto, dentro de quadra, a situação não foi bem assim. Com campanha de 23-5, o rubro-negro garantiu a liderança e os mandos de quadra decisivos no mata-mata. O Bauru, também finalista nesta edição, ficou em segundo na classificação geral com 21-7.

Nos playoffs, não disputou as oitavas de final por ter terminado entre os quatro melhores classificados da primeira fase. Enfrentou o Rio Claro nas quartas, onde varreu o confronto precisando de apenas três jogos para avançar. Na semifinal, contra o Mogi das Cruzes, sufoco e quase uma eliminação precoce. Chegou a estar perdendo a série por 2 a 1, mas foi buscar o empate na casa de seu adversário e venceu o decisivo jogo 5.

Na grande final, duelos arrepiantes e vantagens mudando de dono a todo momento. O Flamengo abriu a série surpreendendo, vencendo o Bauru fora de casa. Mas, caiu do cavalo no Rio de Janeiro e permitiu que os paulistas empatassem a série. Depois, os mandos de campo valeram e a decisão foi para o jogo 5 empatada em 2 a 2. Na Arena Carioca 2, a pressão rubro-negra fez a diferença e o título veio com placar de 100 a 66.