Titular pelo terceiro jogo seguido, Renê crê em boa sequência e projeta duelo diante do Palmeiras

Substituindo Trauco, camisa 6 admite que ano do Fla não foi ideal, mas reforça qualidade do elenco rubro-negro

Titular pelo terceiro jogo seguido, Renê crê em boa sequência e projeta duelo diante do Palmeiras
Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

O lateral esquerdo Renê, do Flamengo, está tendo mais uma oportunidade de sequência de jogos com o treinador Reinaldo Rueda, já que o titular da posição, o peruano Trauco, está com a seleção. O jogador piauiense atuou na derrota por 3 a 1 para o Grêmio, na Arena do Grêmio, no domingo (5) e também nessa última quarta (8), contra o Cruzeiro, na Ilha do Urubu, com a vitória do time carioca por 2 a 0, que contou com boa atuação de Renê e de todo time Rubro-Negro. Agora, no próximo domingo, Renê terá a chance de ser titular mais uma vez, contra o Palmeiras, no Allianz Parque

"A gente espera um Palmeiras muito forte. Vai estar em casa, diante de sua torcida. Deu uma distanciada do Corinthians, mas o objetivos deles está sendo o mesmo que a gente, o G4. É um jogo importante que tem tudo pra nos definir ali em cima ou então se vamos continuar no mesmo lugar. A gente tem tudo pra sair com a vitória, mas vai ser um grande jogo, um jogo difícil, espero que possa dar tudo certo", afirmou o camisa 6.

Na primeira metade do ano, enquanto Zé Ricardo ainda era o treinador do Flamengo, Renê era reserva de Trauco ou então atuava quando o peruano jogava como meio campo. Assim que o treinador colombiano Reinaldo Rueda assumiu o comando da equipe da Gávea, Renê foi titular, no jogo contra o Botafogo, na primeira partida das quartas de finais da Copa do Brasil, mas no jogo seguinte, contra o Atlético-GO, sofreu uma lesão que o deixou no departamento médico por mais de um mês. Quando voltou, após o treinador fazer alguns testes na lateral esquerda, Trauco já havia assumido a titularidade da posição.

"Toda vez que eu tenho a oportunidade, é o momento de mostrar meu futebol, mostrar pra quê eu vim. É difícil jogar uma ou duas vezes no mês, e quando tem uma sequência assim é sempre importante pra mostrar o seu melhor. Espero que com essa ausência do Trauco (que está com a Seleção peruana) eu possa dar o meu melhor e ajudar meus companheiros dentro de campo, pra quando ele voltar a gente possa estar brigando pela posição.", disse o jogador. 

Ainda sobre a temporada atual, que marca o primeiro ano de contrato de Renê, o atleta crê que ainda não tenha conseguido alcançar o seu melhor momento. "Não tive uma sequência tão grande. Quando Trauco estava com a seleção, tive dois ou três jogos seguidos. Quando voltei a jogar tive uma contusão. Acho que a temporada foi boa. Sei que posso dar mais, não joguei meu melhor ainda. Ajudar mais na frente e na parte defensiva também. Que nesse restante de campeonato eu possa mostrar meu melhor futebol e ano que vem esteja em alto nível como quando vim contratado do Sport". 

No último jogo, na quarta (8), contra o Cruzeiro, na partida que reencontrava, pela primeira vez, os dois finalistas da Copa do Brasil, o Flamengo venceu por 2 a 0, na Ilha do Urubu, e convenceu. Teve uma performance positiva, não correu riscos na defesa e conseguiu colocar sua forma de jogar em prática, com posse de bola e criando oportunidades.

Após a boa partida, o espírito de confiança estava junto aos jogadores, incluindo Renê, que comentou. "O espírtio é esse. Faltam poucos jogos, a gente sabe que precisa melhorar. A gente vem melhorando nos últimos jogos, vem batalhando, lutando, às vezes não dá na qualidade, mas a gente vai na vontade, na raça, na garra. No último jogo deu certo, a gente conseguiu a vitoria, espero que contra o Palmeiras a gente possa fazer um grande jogo. Fechado, batalhando, lutando e, quando aparecer uma oportunidade, que a gente possa fazer os gols e sair com a vitória."

O Flamengo ocupa a sétima posição na tabela do Campeonato Brasileiro, com 50 pontos, e, no domingo (12), enfrenta o Palmeiras, que está em quarto, com 54 pontos. Os dois times tem o mesmo objetivo no campeonato, conquistar uma vaga direta para a Libertadores. O jogo acontece às 17h, no Allianz Parque, pela 35° rodada do Campeonato Brasileiro. E o time carioca irá desfalcado para a partida. O zagueiro Réver está machucado, e não viaja para São Paulo. Além dele, Diego, com a seleção brasileira, Trauco, com a seleção peruana, e Guerrero, suspenso por acusação de doping, também não estão relacionados. 

Sobre os desfalques no time titular, Renê admite que os jogadores farão falta, mas que os substitutos darão conta do recado. "Perde um pouco pelo fato da importância dos jogadores. Caso do Diego, jogador de seleção, jogou muito tempo na Europa, é o nosso camisa 10, que articula todas nossas jogadas. Mas quem está aqui está preparado para substituir à altura esses desfalques. Não é a toa que contra o Cruzeiro a gente conseguiu fazer um grande jogo e conseguimos a vitória."

Palmeiras e Flamengo, hoje, na reta final do Campeonato Brasileiro, não almejam mais o troféu da competição. Os dois times brigam, porém, para uma vaga no G4, que garante ao clube uma vaga direta na Libertadores do ano que vem. No entanto, no início da atual temporada, devido ao grande investimento financeiro dos dois times, ambos eram colocados como favoritos ao título.

"No Brasil se cobra muito investimento. O Manchester City vem investindo, ano passado não ganhou nada e esse ano está brigando por título. O PSG vem investindo sempre pra chegar na final da Champions e nunca nem chegou à final. O investimento não quer dizer que vamos vencer os jogos. Nosso grupo é forte, vem melhorando aos poucos, chegaram vários jogadores no meio da temporada, alguns não puderam jogar Copa do Brasil, outros não puderam jogar Libertadores. No Brasileiro a gente sabe que está devendo, que poderia estar melhor, mas não pode pensar só no investimento. Acredito que esse time ainda vá dar muitos frutos. Que esse ano possa dar com a Sul Americana e na reta final do Brasileiro, e ano que vem dar mais alegria ao torcedor", declarou o jogador, que ainda tem três anos de contrato.

Confira outros trechos da entrevista coletiva:

Campeonato Brasileiro disputado: "De todos, é um dos melhores campeonatos. Não adianta estar na zona de rebaixamento contra o primeiro colocado, às vezes quem está na zona vence. Todos os jogos são dificeis, independente de ser dentro de casa ou fora. As equipes se fecham muito bem, independente da equipe ser grande ou mediana, se vai brigar pelo título ou não. São sempre jogos duros. O Brasileirão vem melhorando a cada ano e ano que vem também deve ser isso. Cada dia que passa está ficando mais nivelado o futebol e só tem a melhorar."

Apenas o título do Campeonato Carioca e a classificação para Libertadores ainda não estar definida: "Se olhar pelo investimento, pelo que o Flamengo é e pela torcida que tem, é pouco. Mas se ver a dificuldade que está tendo, o Brasileiro disputado... O Corinthians disparou, todo mundo achou que ia ganhar absoluto, passou um sufoco agora. Futebol não se ganhar fora de campo, se ganha dentro de campo. As vezes você investe mas dentro de campo o outro time se impõe."

Caso de doping do atacante Guerrero: "A gente fica triste, sabe como é difícil. Um caso desse já aconteceu com um companheiro meu no Sport, ele ficou dois anos afastado. Tudo que um jogador não quer na sua carreira é passar dois anos sem poder treinar, sem poder jogar. Vi ele pouco tempo depois dessa notícia, acredito que é inocente e que vai provar isso. Ele passou que está bastante confiante e espero que dê tudo certo e que possa voltar logo."