Diego Alves lamenta oscilações no Brasileiro e não se contenta apenas com vaga na Libertadores

Para goleiro do Flamengo, se classificar ao torneio continental não pode ser considerado suficiente; em entrevista, Diego queixou-se de instabilidade no Brasileiro e deu voz a críticas da torcida

Diego Alves lamenta oscilações no Brasileiro e não se contenta apenas com vaga na Libertadores
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Após temporada contestada pelos resultados não tão satisfatórios dentro de campo, resta ao Flamengo a disputa pela Sul-Americana e uma possível vaga na Libertadores para "salvar" o ano de 2017. Para Diego Alves, entretanto, assegurar a classificação ao torneio continental está longe de ser suficiente. 

"Nós entramos sempre com o pensamento de ser campeão (do Brasileiro). O jogador do Flamengo não pode se contentar em ir para a Libertadores. Ficou difícil com as situações da temporada. E não sendo campeão o caminho é ir pelo G-4. O Cruzeiro conseguiu ser campeão da Copa do Brasil e abriu mais uma vaga para os primeiros colocados. A gente sabe que está sendo complicado, até porque os times que estão embaixo tiveram oportunidade de passar a gente e não conseguiram", afirmou.

Em entrevista coletiva nesta terça (14), o goleiro falou sobre um dos principais fatores que abalaram a campanha do Rubro-Negro no Campeonato Brasileiro: a instabilidade. Na opinião do camisa 1, a constante oscilação impactou diretamente as chances de um título nacional para a equipe da Gávea.

Flamengo x Junior Barranquilla: informações e valores de ingressos para o duelo da Sul-Americana

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

"A instabilidade faz o Flamengo estar nessa posição que está. Se a gente não tivesse a irregularidade, estaríamos lá em cima, e talvez brigando pelo título. A gente tenta corrigir e melhorar, e temos os dois objetivos. Vamos fazer de tudo. Concentrar ao máximo, se doar bastante nos treinamentos e chegar nesses jogos e fazer o nosso melhor", completou.

Apesar do momento conturbado, Diego Alves fez questão de dar voz às críticas dos torcedores - que inclusive marcaram protesto para esta quarta (15), dia em que se comemora o aniversário de 122 anos do Flamengo. Para o arqueiro, a torcida é essencial ao do clube carioca, seja na hora de apoiar a equipe ou pressionar por melhores resultados.

"Quem joga no Flamengo tem que estar acostumado com esse tipo de situação. O torcedor está no direito dele de fazer um protesto pacífico. Claro que eles não estão satisfeitos e nem a gente. São eles que vão ao jogo e gritam. Do mesmo jeito que são eles que vão fazer o protesto, também queremos que eles estejam na Ilha e no jogo da Sul-Americana. Isso aqui é Flamengo. A gente tem que estar junto nessa situação. Temos certeza que eles vão protestar, sabemos como estão sentidos e temos certeza que também vão nos apoiar. Nessa reta final, a união com o time é fundamental para conquistarmos nossos objetivos", disse o jogador.

Confira outros trechos da coletiva de Diego Alves:

Disputa pela Libertadores"Acho que perdemos algumas oportunidades que seriam importantes para alcançar esse G-4 e ter a entrada na Libertadores diretamente. Os times que tiveram oportunidade de tirar mais pontos da gente não conseguiram A gente vai fazer de tudo para entrar no G-4 por mais que pareça bem difícil. Mas não é impossível. A gente tem que jogar e assumir essa responsabilidade porque o ano não foi da maneira que imaginávamos. Vamos tentar terminar de uma maneira correta para termos essa vaga. Se não puder ser no G-4, será de outra maneira."

Diego joga contra o Coritiba? "É o nosso calendário... Na Europa não tem rodada, mas aqui a gente tem, mas vai depender muito do estado do Diego. Como pessoa e jogador é muito importante ter o Diego no nosso grupo. Com certeza será um jogador muito importante para os últimos jogos, que serão de extrema importância. Se não puder jogar contra o Coritiba vamos com nossos jogadores concentrados. Mas com certeza, Diego é um dos pilares e líderes do time."

Convívio com Reinaldo Rueda:"Rueda é uma pessoa muito tranquila. Ele se comunica bastante, mesmo tendo pouco tempo para trabalhar. A gente tenta aproveitar ao máximo e ele também sempre tenta estar perto e conversar. Ele melhorou bastante no idioma. Eu me lembro bem quando fui para a Espanha. Nos primeiros três meses é difícil. Ele está tendo uma adaptação bem rápida. É um trabalho para ser avaliado em bastante tempo. Em três meses ele conviveu com coisas boas e ruins."

Gostaria de assumir a braçadeira de capitão? "Independente da braçadeira, a atitude do jogador com ela e sem ela tem que ser a mesma. Não é ela que vai fazer eu me comunicar mais ou menos. A gente tem líderes dentro do grupo com muito mais tempo de casa. Com certeza que, independente de usar a braçadeira ou não, vou tentar sempre ajudar."

Desfalques importantes:"O Diego é um jogador importante desde o momento que chegou ao Flamengo, é um dos líderes. O Juan, Réver, Guerrero... são jogadores importantíssimos. É uma pena não podermos contar com eles, mas é uma oportunidade para outros jogadores crescerem e assumirem a responsabilidade. Sabendo dos compromissos e da importância desses jogadores. Vamos ver e vamos esperar que os jogadores estejam frescos para atuar nesse jogo de extrema importância."

Reta final no Brasileiro:"A gente está falando de quatro vitórias seguidas, mas também não sabemos... Vamos esperar o que vai acontecer. O “se” é complicado de responder porque pode ser tanto positivo quanto negativo. O pensamento prioritário é no jogo contra o Coritiba, então vamos fazer de tudo para buscar a vitória. E no fim de semana também. O primeiro passo é contra o Coritiba. O principal é poder estar concentrado para esse jogo de quinta-feira."