Independiente vira para cima do Flamengo com golaço de Meza e abre vantagem na Sul-Americana

Rubro-Negro foi dominado em boa parte da partida, mas liderança argentina ainda é pequena

Independiente vira para cima do Flamengo com golaço de Meza e abre vantagem na Sul-Americana
Foto: Marcelo Endelli/Getty Images
Independiente
2 1
Flamengo
Independiente: Campaña; Bustos, Alan Franco (Amorebieta), Gastón Silva e Tagliafico; Diego Rodriguez e Sánchez Miño; Ezequiel Barco, Maxi Meza e Benítez (Martínez); Gigliotti
Flamengo: César; Pará, Réver, Juan e Miguel Trauco; Willian Arão e Cuéllar; Éverton Ribeiro, Diego (Vinícius Jr) e Lucas Paquetá (Éverton); Felipe Vizeu
Placar: 0-1, min. 8, Réver. 1-1, min. 30, Gigliotti. 2-1, min. 52, Meza.

No dia em que o Flamengo celebrou o 8º aniversário do título brasileiro de 2009, quem comemorou em Avellaneda foi a torcida do Independiente. Depois de sair perdendo, os donos da casa mostraram excelente organização tática, bom futebol, e acabaram virando sobre a equipe brasileira, contando um lindo gol para deixar o gramado com a vantagem na decisão.

Logo no começo da primeira etapa, os brasileiros saíram na frente com lindo gol marcado por Réver, de cabeça, após bom cruzamento de Trauco, em cobrança de falta pelo lado esquerdo da intermediária de ataque rubro-negra. O Independiente igualou ainda no primeiro tempo, com Gigliotti. Já na segunda etapa, Barco fez grande jogada pela esquerda e cruzou para Meza, da entrada da área, pegar de primeira e marcar um golaço, colocando os rojos na frente.

A finalíssima da Copa Sul-Americana segue programada para a próxima quarta-feira (13), às 21h45, no Maracanã. Os ingressos para a partida começaram a ser vendidos nesta terça (5) e já estão esgotados. Para ser campeão, o Rubro-Negro precisará vencer por dois gols de diferença. Uma vitória simples leva o jogo para a prorrogação. Vale lembrar que, nessa final, não existe a regra do gol qualificado, marcado fora de casa.

Flamengo abre o placar logo no começo, mas Independiente domina primeira etapa e iguala

Desde que os times subiram dos vestiários, o grande protagonista da partida foi, sem a menor sombra de dúvidas, a torcida do Independiente, que fez uma linda festa e cantava de maneira incessante enquanto a bola rolava. Dentro do gramado, já não havia tanta beleza assim. O jogo começou nervoso e os primeiros cinco minutos foram recheados de passes errados e pouco controle de bola. No entanto, logo aos oito, o Flamengo abriu o placar, no que sabe fazer de melhor: o jogo aéreo.

Paquetá sofreu falta pelo lado de esquerdo da intermediária de ataque, Trauco cobrou com perfeição, na cabeça de Réver, que testou bonito e abriu o placar na Argentina, sem a menor chance para o goleiro Campaña. A resposta do Independiente veio na mesma moeda: falta da mesma região do campo, mas o desvio de Tagliafico passou por cima. Na sequência, Meza carregou pela direita, tirou Trauco para dançar e cruzou bem. Gigliotti furou e, na sobra, a finalização de Sánchez Miño acabou sendo travada.

Aos 20, o Rubro-Negro voltou a assustar na bola parada, quando Diego levantou na segunda trave, Juan se esticou todo, mas não conseguiu tocar na redonda, que saiu pela linha de fundo. Novamente pela direita, Benítez balançou, driblou Trauco e cruzou, para Willian Arão tocar para trás, por cima do travessão, quase marcando contra. Na bola parada, Gastón Silva tentou chute improvável, sem ângulo, e obrigou César a fazer excelente defesa, no cantinho.

Aos 30, a equipe da casa fez valer sua superioridade e deixou tudo igual. Em rápido contra-ataque, Benítez recebeu linda enfiada de bola, não foi fominha e rolou para Gigliotti, que tocou colocado e não deu chances a César. Menos de dois minutos depois, a zaga roja saiu jogando errado, Éverton Ribeiro tentou bater de muito longe para surpreender Campaña, mas finalizou mal e o goleiro defendeu com tranquilidade. O Independiente ainda assustou no último minuto, em mais um levantamento para a grande área. Depois de desvio na primeira trave, ninguém conseguiu concluir e a bola chegou mansinha para defesa de César.

Independiente vira com golaço de Meza, recua, mas suporta pressão rubro-negra

Gastón Silva, que começou o jogo como zagueiro, curtiu uma de ponta-esquerda, tabelou com Gigliotti e emendou bela finalização de direita, mas viu a bola passar por cima, sem perigo para César. O cenário da primeira etapa se repetiu e o Independiente seguiu dominando. Pela esquerda, Barco driblou dois marcadores com um tapa na bola, fez o cruzamento e Meza emendou de primeira, numa linda finalização que César não teve condições de alcançar, virando a partida para os donos da casa.

Aos 12, o Independiente acelerou belo contra-ataque em cenário de três contra três, Barco recebeu pela canhota, cortou para a perna direita e tentou o chute colocado, mas tirou demais do gol e acabou mandando para fora. O Flamengo até teve boas oportunidades travadas pela marcação, em chutes de Éverton, que havia entrado no lugar de Lucas Paquetá, e Felipe Vizeu. Mas só concluiu a gol de fato com Willian Arão, que emendou sobra na entrada da área e viu o tiro passar à direita do gol de Campaña.

A partir da entrada de Vinícius Jr no lugar de Diego, a posse de bola passou a ser dominada pelo Flamengo, que tentava ensaiar uma pressão sobre os donos da casa. O Independiente, por sua vez, confiava na velocidade de seu time do meio para a frente e buscava os contra-ataques para ampliar a vantagem. Em falta perigosa sofrida por Éverton, o Rubro-Negro grande oportunidade, mas Campaña apareceu bem para defender a cobrança de Cuéllar.