Retrospectiva VAVEL: Flamengo tem ano na média, mas acumula decepções em torneios de peso

2017 do Flamengo esteve longe de ser catastrófico, mas instabilidade e frustrações em grandes torneios deixam gosto amargo para torcida

Retrospectiva VAVEL: Flamengo tem ano na média, mas acumula decepções em torneios de peso
(Foto: Rodrigo Rodrigues/Editoria de Arte VAVEL Brasil)

O 2017 do Flamengo esteve longe de ser totalmente frustrante, mas decepções em grandes torneios (como a eliminação precoce na Libertadores, além dos vices na Copa do Brasil e Sul-Americana) mantiveram o "cheirinho" nos ares do torcedor rubro-negro. Presente em três finais, a única conquista do clube carioca em 2017 foi o 34º título do Campeonato Carioca, em cima do rival Fluminense.

Com participação carimbada em seis torneios na temporada, o Rubro-Negro foi o clube que mais disputou partidas em todo o território nacional - foram 84 confrontos, sendo 83 oficiais e um amistoso contra o Vila Nova. 

No último dia de 2017 e com 2018 já batendo na porta, a VAVEL Brasil fez uma retrospectiva de todo o ano que se passou dentro do clube da Gávea.

Expectativas em alta e a conquista do Campeonato Carioca

A pressão no Flamengo já era grande antes mesmo da temporada começar, muito por conta dos altos investimentos feitos pela diretoria. No início de 2017, Trauco, Conca - ídolo no rival Fluminense-, Berrío, Rômulo e Renê chegaram ao grupo carioca, que lidava com a maior das críticas da torcida: a falta de retorno nos gramados mesmo com um panorama financeiro de peso.

Favorito na disputa pelo Campeonato Carioca, o Flamengo terminou a fase de grupos da Taça Guanabara sem quaisquer dificuldades. Em primeiro lugar isolado na chave e com 100% de aproveitamento, foram cinco jogos e cinco vitórias do Rubro-Negro.

Na semifinal da TG, o clube da Gávea passou pelo rival Vasco da Gama ao vencer por 1 a 0: Diego estufou as redes, de pênalti, após falta de Luan em Everton na área. Já na grande decisão, o confronto diante do Fluminense terminou empatado em 3 a 3; entretanto, o Rubro-Negro viu o título do turno escapar após Réver e Rafael Vaz desperdiçarem suas cobranças de pênalti.

Flamengo superou rival Vasco na semifinal da TG (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Flamengo superou rival Vasco na semifinal da TG (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Os 100% de aproveitamento do primeiro turno não se mantiveram na Taça Rio, mas o Flamengo ainda assim avançou sem perder às semifinais: foram seis jogos, três vitórias e três empates. Na fase final do returno, o Rubro-Negro foi eliminado após empatar com placar nulo com o rival cruzmaltino, mas a vaga nas semifinais gerais já estava garantida.

Após vencer o Botafogo por 2 a 1 na semifinal estadual - com dois gols de Guerrero, artilheiro do Carioca - era hora de reencontrar o Fluminense em uma final estadual, 22 anos depois do título tricolor e o fatídico ‘gol de barriga’ de Renato Gaúcho.

Na ida, Everton marcou o único gol da partida, que deixou o Flamengo em vantagem para a volta. No segundo confronto da decisão, diante de 58 mil pessoas no Maracanã, a equipe da Gávea saiu atrás, mas garantiu a virada e o título carioca ao vencer por 2 a 1. Foi Guerrero quem empatou a partida após Renato Chaves abrir o placar; já Rodinei marcou no último lance, sacramentando o troféu e a glória rubro-negra no Fla-Flu.

Flamengo conquista título do Carioca (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
Flamengo conquista título do Carioca (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Começo animador e final cruel: o Flamengo na Libertadores

A expectativa em alta no Carioca acompanhou o Flamengo no principal torneio da América: a Libertadores. Na estreia continental, o Rubro-Negro empolgou a torcida ao golear o San Lorenzo por 4 a 0 no Maracanã; Diego, Trauco, Rômulo e Gabriel marcaram os tentos na vitória carioca sobre o time do Papa Francisco.

Na segunda rodada, veio o primeiro tropeço: mesmo jogando melhor que os donos da casa, o Flamengo perdeu para os chilenos da Universidad Católica por 1 a 0 no estádio San Carlos de Apoquindo. O resultado negativo também marcou o fim de uma série invicta do Rubro-Negro, que não perdia um confronto desde outubro de 2016.

Em dois confrontos seguidos diante do também rubro-negro Atlético-PR, dois resultados por 2 a 1 - um positivo e outro negativo. O Flamengo venceu no Maracanã na terceira rodada e assumiu a liderança do grupo 4, mas o fracasso na Arena da Baixada fez com que o Furacão assumisse o topo da chave.

(Foto: Alexandre Schneider via Getty Images)
(Foto: Alexandre Schneider via Getty Images)

Com a vitória por 3 a 1 sobre a Universidad Católica, no penúltimo duelo da fase de grupos, a classificação do Flamengo às oitavas de final estava quase garantida. O Rubro-Negro precisava no mínimo empatar com o San Lorenzo na rodada final para avançar por conta própria; caso perdesse, precisava torcer para que o Atlético-PR não vencesse.

E de todos os cenários, prevaleceu o mais improvável. O Flamengo até saiu na frente no Nuevo Gasómetro, mas tomou a virada do San Lorenzo nos minutos finais da partida. Poucos lances antes, na Arena da Baixada, o Atlético-PR marcara o gol da vitória sobre a U. Católica. Com o terceiro lugar da chave, chegava ao fim mais uma trajetória rubro-negra na Libertadores - a quinta eliminação do clube na fase de grupos do torneio.

Fim da linha: Flamengo é eliminado da Libertadores (Foto: Juan Mabromata via Getty Images)
Fim da linha: Flamengo é eliminado da Libertadores (Foto: Juan Mabromata via Getty Images)

No Brasileiro, instabilidade dita campanha do Flamengo

As 38 rodadas do Flamengo no Campeonato Brasileiro podem ser resumidas a uma palavra: instabilidade. Ao longo de todo o torneio nacional, o Rubro-Negro viveu diversos altos e baixos. Por diversas vezes, a competição ficou em segundo plano em relação a outras disputas, como a Copa do Brasil e a Sul-Americana.

Alguns jogos foram "protagonistas" na campanha - como os dois contra o Vitória, que carimbaram a demissão de Zé Ricardo no primeiro turno, assim como a classificação à Libertadores na última rodada. Além disso, vale destacar as vitórias contra os rivais Vasco e Corinthians. O Rubro-Negro terminou sua trajetória no Brasileiro na sexta colocação, com 56 pontos.  

Flamengo vê troféu da Copa do Brasil escapar nos pênaltis

Com a classificação à Libertadores garantida pelo Brasileiro de 2016, o Flamengo ganhou o direito de ingressar na Copa do Brasil diretamente nas oitavas de final. De “ressaca” e com um time misto três dias depois da conquista do Carioca, a equipe da Gávea empatou em 0 a 0 com o Atlético-GO, no Maracanã. Na volta, uma vitória repleta de surpresas por 2 a 1 no Serra Dourada, que garantiu o avanço carioca às quartas do torneio nacional.

Era hora, então, de enfrentar o Santos nas quartas da Copa do Brasil. Na Ilha do Urubu, Everton e Cuéllar garantiram a festa do torcedor, marcando um gol cada na vitória rubro-negra por 2 a 0. Já na volta, em jogo eletrizante na Vila Belmiro, a vantagem rubro-negra quase foi por terra na derrota por 4 a 2 para o Peixe - com o saldo de gols igualado, o critério de gol fora de casa garantiu o Flamengo nas semifinais.

(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

O último adversário antes da grande final era o rival Botafogo. Na estreia de Reinaldo Rueda no comando da equipe, o Rubro-Negro não saiu do zero com o Glorioso. A presença na decisão foi carimbada apenas na volta, no Maracanã. Os 54 mil presentes na semifinal viram Berrío dar um drible desconcertante em Victor Luis, tocar para trás e encontrar Diego, que estufou as redes. Era o gol da classificação.

Próxima do fim, a Copa do Brasil tinha Flamengo e Cruzeiro como seus grandes finalistas. Guerrero estava suspenso após o terceiro amarelo, mas Lucas Paquetá supriu a ausência do peruano e abriu o placar para os cariocas na ida. De Arrascaeta aproveitou a falha do goleiro Thiago e empatou, calando o Maracanã. Na volta, no Mineirão, o placar zerado levou a disputa aos pênaltis. No lado do Rubro-Negro, Diego desperdiçou sua cobrança; já na Raposa, Thiago Neves carimbou o triunfo por 5 a 3, que deu aos mineiros seu quinto troféu na competição nacional.

Título da Copa do Brasil ficou com o Cruzeiro (Foto: Pedro Vilela/Getty Images)
Título da Copa do Brasil ficou com o Cruzeiro (Foto: Pedro Vilela/Getty Images)

Participação discreta na Primeira Liga

A participação rubro-negra na Primeira Liga foi breve e discreta. Na mesma chave que Grêmio, América-MG e Ceará, o Flamengo terminou a fase de grupos em primeiro lugar isolado - foram duas vitórias e um empate. Com a vaga garantida nas quartas de final, o adversário da vez seria o Paraná.

Em Cariacica, o Rubro-Negro recebeu o Gralha em confronto que definiria um dos semifinalistas da Primeira Liga. Após empate por 1 a 1 nos 90 minutos,  a decisão pela vaga foi levada aos pênaltis. O goleiro Richard, do clube paranaense, defendeu as cobranças de Vinicius Junior e Lucas Paquetá - após as cobranças alternadas, o resultado foi 5 a 4 para os visitantes, carimbando a eliminação do Flamengo na Primeira Liga.

Com cenas de barbárie extracampo, Flamengo fica no 'quase' na Sul-Americana

Eliminado na Libertadores no terceiro lugar da chave, o Flamengo ganhou o direito de disputar a Sul-Americana no restante da temporada. De primeira, um reencontro com um carrasco recente: na segunda fase, o Rubro-Negro iria enfrentar novamente o Palestino (CHI), algoz da eliminação em 2016. Desta vez, entretanto, não houve espaço para sustos: com duas goleadas, por 5 a 2 e 5 a 0, os cariocas garantiram uma vaga nas oitavas de final da competição.

O adversário seguinte foi a Chapecoense. Após empate por 0 a 0 na Arena Condá, nas oitavas de final, Reinaldo Rueda disse que o Flamengo precisava aprender a "guerrear". Uma semana depois, na Ilha do Urubu, o treinador colombiano viu suas palavras surtirem efeito com a goleada por 4 a 0. Em atuação tranquila, o grupo carioca não tomou conhecimento do Verdão do Oeste; Cuéllar, Willian Arão, Juan e Lucas Paquetá marcaram os gols que carimbaram o avanço às quartas.

(Foto: Mauro Pimentel/AFP via Getty Images)
Arão foi um dos que marcou contra a Chapecoense(Foto: Mauro Pimentel/AFP via Getty Images)

O próximo adversário seria o Fluminense, em mais uma edição do “Fla-Flu internacional” - em 2009, os clubes já tinham se enfrentado em uma competição internacional, na mesma Sul-Americana. O Rubro-Negro saiu na vantagem após a vitória “fora de casa” na ida, com gol de Everton. Apesar disso, a volta guardava diversas emoções aos torcedores, em uma das melhores partidas do ano.

Lucas abriu o placar para os tricolores, mas Diego empatou logo na sequência. Renato Chaves, no entanto, jogou um balde de água fria nos rubro-negros ao marcar duas vezes de cabeça, deixando o Fluminense na frente por 3 a 1. As emoções maiores, no entanto, ainda estavam por vir. Com Vinicius Junior mudando o panorama da partida e o gol de Felipe Vizeu, que diminuiu para o Flamengo, faltava um gol para a classificação. A redenção veio aos 38 minutos do segundo tempo, quando Willian Arão subiu mais alto e cabeceou certeiro, botando a bola no fundo das redes. Era o gol da classificação mais que heroica às semifinais.

Na primeira semifinal, o Flamengo saiu atrás no placar, mas conseguiu a virada e carimbou a vitória por 2 a 1 sobre o Junior Barranquilla. A partida no Maracanã teve uma pitada de drama com a contusão de Diego Alves; no lado positivo, Juan marcou novamente e assumiu a artilharia dentre os zagueiros da Gávea. Na volta, Felipe Vizeu marcou duas vezes em Barranquilla e garantiu o avanço rubro-negro à grande decisão.

Flamengo vence na Colômbia e avança na Sul-Americana (Foto: Luis Acosta/AFP via Getty Images)
Flamengo vence na Colômbia e avança na Sul-Americana (Foto: Luis Acosta/AFP via Getty Images)

Na final, o Flamengo tinha uma “revanche” pela frente - o adversário seria o argentino Independiente, que venceu os cariocas na Supercopa da Libertadores de 1995. Com a derrota na ida, em Avellaneda, os cariocas precisavam vencer no segundo confronto para botar as mãos no troféu.

A noite do dia 13 de dezembro (o dia do jogo de volta), no entanto, ficará marcada como uma triste lembrança para muitos rubro-negros. A final da Sul-Americana foi marcada por cenas de selvageria e barbárie, com muita confusão no entorno do Maracanã; alguns setores até mesmo foram invadidos. O futebol, que acabou ficando em segundo plano, também foi uma decepção: Flamengo e Independiente empataram por 1 a 1, deixando a glória continental em mãos argentinas.

(Foto: Buda Mendes/Getty Images)
(Foto: Buda Mendes/Getty Images)