A glória do tricampeonato: Flamengo sagrou-se campeão da Copinha em 2016

Comandados por Zé Ricardo, os jogadores do Flamengo conquistaram o terceiro título da Copa São Paulo de maneira invicta

A glória do tricampeonato: Flamengo sagrou-se campeão da Copinha em 2016
(Foto: Divulgação/Flamengo; Arte: Rodrigo Rodrigues/VAVEL Brasil)

O Flamengo conquistou o seu último (e terceiro) título da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2016. Na terceira final da Copinha que disputou, o Rubro-Negro, comandado por Zé Ricardo, venceu o Corinthians nos pênaltis: triunfo por 4 a 3, após empatar em 2 a 2 no tempo regulamentar. Um título invicto, com sete vitórias e dois empates, um aproveitamento de 85%. O atacante Felipe Vizeu foi eleito o melhor jogador da competição e também foi o vice-artilheiro, com sete gols.

Em Mogi, uma fase de grupos tranquila

A Copinha 2016 começou para o Flamengo no Grupo 24, em Mogi das Cruzes, no estádio Nogueirão. Os adversários do Rubro-Negro foram União Mogi-SP, Palmeira-RN e Red Bull Brasil-SP. A estreia, contra o Red Bull, foi a partida mais complicada para a equipe carioca na fase. A vitória por 2 a 1, gols de Lucas Paquetá e Felipe Vizeu para o Flamengo, foi importante para tirar a pressão da primeira partida.

Na rodada seguinte, o Palmeira, adversário novato que veio do Rio Grande do Norte. Como era de se esperar, o então bicampeão da Copinha não tomou conhecimento e goleou por 5 a 1. Ronaldo, Matheus Sávio, Thiago Ennes, Paquetá e Felipe Vizeu marcaram para o Flamengo.

Na última rodada, já classificado, o Rubro-Negro encarou os donos da casa, União Mogi, que já estavam eliminados. Com uma equipe reserva, os comandados de Zé Ricardo venceram por 3 a 1 e encerraram a fase de grupos com 100% de aproveitamento. Os tentos da equipe carioca foram marcados por Artur, Patrick e Ennes.

No mata-mata, a competência rubro-negra fez a diferença e levou à terceira final

Na segunda fase da competição, o adversário foi o Brasília-DF, segundo colocado do Grupo 23, em Mogi. Assim como contra os adversários do seu grupo, o Flamengo passou com facilidade, 3 a 0. Os gols foram marcados por Lucas Paquetá, Felipe Vizeu e Patrick. Na fase seguinte, o adversário foi o velho conhecido Red Bull Brasil. Assim como na primeira fase, a partida foi disputada até o final e a equipe carioca ganhou por 1 a 0, gol marcado por Matheus Sávio.

Na quarta fase, então nova na Copa São Paulo, o Rubro-Negro enfrentou o Bahia, e nessa fase o Flamengo se classificaria caso até fosse derrotado, e o Tricolor de Aço também se classificaria caso perdesse, mas nos pênaltis somente. Em dois tempos distintos, Vizeu abriu 2 a 0 para os cariocas, mas Geovane Itinga também anotou duas vezes e levou a disputa para as penalidades máximas. Na marca da cal, o goleiro Thiago brilhou e a equipe rubro-negra ganhou por 5 a 4.

Nas quartas de final, o Flamengo foi até Barueri enfrentar o São Paulo. Em mais um duelo equilibrado, o Rubro-Negro soube ser fatal, e Felipe Vizeu anotou os dois gols da grande vitória por 2 a 0, que garantiu a equipe na semifinal. Ainda em Barueri, o penúltimo duelo foi contra o América-MG. O Coelho mineiro abriu o placar com o habilidoso Matheusinho, mas a equipe de Zé Ricardo se manteve focada e logo empatou com Matheus Trindade. No segundo tempo, Lucas Paquetá fez o gol que colocou o Flamengo na terceira final de Copinha da história.

No Pacaembu, Flamengo renasce no segundo tempo e Thiago garante o título

No aniversário da cidade de São Paulo, o Pacaembu recebeu a final da Copinha entre os clubes com as duas maiores torcidas do Brasil: Corinthians e Flamengo. A partida foi marcada por dois tempos distintos. No primeiro, só deu Timão e Gabriel Vasconcelos e Matheus Pereira abriram 2 a 0 em 25 minutos. Depois do intervalo, o Rubro-Negro voltou voando e, além de ter um gol de Lucas Paquetá anulado incorretamente, empatou a partida com Matheus Trindade e Matheus Sávio, tudo isso em oito minutos de segundo tempo.

A partida foi para as penalidades máximas, e os goleiros roubaram a cena. Filipe e Thiago defenderam dois pênaltis cada, e ainda sobrou tempo para ambos se provocarem durante as cobranças, levando um cartão amarelo cada. Nas cobranças alternadas, sobrou para Patrick converter o pênalti que garantiu a vitória por 4 a 3, e devolveu o Flamengo ao posto de campeão da Copa Sao Paulo de Futebol Júnior, após cinco anos.