Peter Siemsen elogia estrutura do CT e diz estar orgulhoso: "Sempre sonhei com isso"

Presidente do Fluminense rasgou elogios à Pedro Antônio, principal responsável pela construção; Peter revelou desejo do Flu retornar ao Maracanã no próximo dia 28, contra o Vitória

Peter Siemsen elogia estrutura do CT e diz estar orgulhoso: "Sempre sonhei com isso"
Foto: Divulgação/Fluminense FC

Na tarde da última terça-feira (11), o Fluminense realizou o primeiro treino no novo Centro de Treinamento, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro. Em meio a preparação para o clássico contra o Flamengo, na quinta-feira (13), em Volta Redonda, às 21h, exisita também o clima de festa por ser um momento histórico na vida do clube. O presidente Peter Siemsen esteve no treino e afirmou sentir orgulho por fazer parte do projeto.

Antes e depois: veja como foi a construção do CT do Fluminense

FOTOS: confira imagens do novo Centro de Treinamento do Fluminense

"Eu acho que é uma grande mudança de patamar e de infraestrutura. Era uma demanda não só do Fluminense, mas de todos os clubes do Rio de Janeiro, que eram muito criticados. Antes de ser sócio, sempre sonhei com isso. Esse centro de treinamento não é só no âmbito do futebol. Ele extrapola o âmbito internacional. O Thiago Silva mesmo quando veio aqui brincou dizendo que o CT iria 'chamar atleta'. Isso vai fazer diferença para o Fluminense. Estou muito orgulhoso e muito feliz"

Apesar do clima de festa, em campo o Fluminense se preparava para o Fla-Flu. O árbitro do clássico será Sandro Meira Ricci, que já foi alvo de críticas do presidente Peter Siemsen. O mandatário tricolor falou sobre e fez um pedido para o árbitro.

"Não acho que o árbitro (Sandro Meira Ricci) seja ruim, pelo contrário. Os árbitros no Brasil podem evoluir bastante. Tem muita coisa envolvida que atrapalha. Só peço que o árbitro chegue bem e tranquilo, olhe o jogo com critério e não se influencie com torcida e caia na pressão. Vamos dar um voto de confiança para que faça um bom trabalho na quinta-feira", disse.

Peter Siemsen revelou o desejo do Fluminense mandar o jogo contra o Vitória, dia 28, no Maracanã. O mandatário não confirmou a realização da partida no local, entretanto, deixou claro que, se o estádio estiver em condições, a ideia é o clube mandar todos os jogos restantes por lá.

"O nosso objetivo é fazer o jogo do dia 28 (contra o Vitória) no Maracanã. Esperamos estar lutando por uma vaga na Libertadores. Seria o reencontro com a torcida. Sabemos que sexta-feira não é um dia tão fácil aqui no Rio de Janeiro e 19h30 é horário com muito trânsito. Mas eu estou confiante de que o Maracanã estará pronto e, se estiver, o jogo será lá. Se estiver em condições e apelo, aí a vontade de fazer os quatro jogos lá", explicou.

O Fluminense é o quinto colocado com 46 pontos e enfrentará o Flamengo, vice-líder do Brasileirão, que tem 57 pontos. O jogo acontecerá no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, às 21h (de Brasília). A VAVEL Brasil transmitirá em tempo real.

Confira a entrevista na íntegra:

CT

"Eu acho que é uma grande mudança de patamar e de infraestrutura. Era uma demanda não só do Fluminense, mas de todos os clubes do Rio de Janeiro, que eram muito criticados. Antes de ser sócio, sempre sonhei com isso. Esse centro de treinamento não é só no âmbito do futebol. Ele extrapola o âmbito internacional. O Thiago Silva mesmo quando veio aqui brincou dizendo que o CT iria 'chamar atleta'. Isso vai fazer diferença para o Fluminense. Estou muito orgulhoso e muito feliz"

Pedro Antônio

"É uma obra e mudança do clube. É um orgulho fazer parte disso. Mas vale um agradecimento especial ao Pedro Antônio. Sem ele, o Fluminense não teria esse centro de treinamento. O crédito é todo dele. Não entrei nessa discussão (nome do CT), mas ele merece toda e qualquer tipo de homenagem. O Fluminense precisa continuar contando com ele porque pode fazer a diferença"

Jogos no Maracanã

"O nosso objetivo é fazer o jogo do dia 28 (contra o Vitória) no Maracanã. Esperamos estar lutando por uma vaga na Libertadores. Seria o reencontro com a torcida. Sabemos que sexta-feira não é um dia tão fácil aqui no Rio de Janeiro e 19h30 é horário com muito trânsito. Mas eu estou confiante de que o Maracanã estará pronto e, se estiver, o jogo será lá. Se estiver em condições e apelo, aí a vontade de fazer os quatro jogos lá"

Edson Passos

"Vou deixar a presidência em dezembro. Então, ficar falando do futuro é difícil. Vamos manter Edson Passos e queremos continuar jogando lá sim. Vamos equilibrar isso com o Maracanã. É um estádio que nos acolheu. O clima entre torcida e time é muito forte lá. A conexão é muito grande. O Maracanã com 10, 15 ou 20 mil pessoas não produz essa relação. Vamos extrair o melhor do estádio do América e compor com grandes jogos no Maracanã"

Futuro estádio do Fluminense

"A novidade sobre o estádio do Flu é que fechamos um terreno. Ele fica aqui pertinho e mostra que o clube está sendo muito empreendedor, como no início do século passado. É muito importante nós viabilizarmos com a prefeitura esse estádio de médio porte, como o Atlético-MG tem com o Independência. Não negamos a nossa história com o Maraca, tanto que queremos continuar jogando lá"

Sandro Meira Ricci árbitro do Fla-Flu

"Os sorteios indicam os árbitros. Foi uma opção do departamento de arbitragem. Não acho que o árbitro (Sandro Meira Ricci) seja ruim, pelo contrário. Os árbitros no Brasil podem evoluir bastante. Tem muita coisa envolvida que atrapalha. O vídeo é uma ferramenta que começa a ser desenvolvida e pode ser solução. Já disse que o árbitro poderia dar entrevista após o jogo como o técnico e o jogador, porque isso acabaria com aquilo de bastidores. Isso sempre cria o sentimento de desconfiança, mesmo que não seja má fé. O árbitro falar sobre sua opção iria colaborar para o ambiente do futebol. Mas como isso não é possível, só peço que o árbitro chegue bem e tranquilo, olhe o jogo com critério e não se influencie com torcida e caia na pressão. Vamos dar um voto de confiança para que faça um bom trabalho na quinta-feira"

Local do Fla-Flu

"Em nenhum momento voltamos atrás sobre onde seria o Fla-Flu. Nossa vontade era que fosse em Edson Passos. Conversamos com as entidades de segurança e o governo do Estado. Tentamos até o último minuto, mas a questão de não ter saídas em duas ruas diferentes, impediram que fosse realizado lá. A gente tinha a opção de jogar em Manaus, mas surgiu, através da Ferj, de jogar no Engenhão. Quando o Engenhão mostrou estar interditado, chegamos a um consenso com o Botafogo de jogar na Ilha. No dia seguinte, por razões que só o Botafogo pode explicar, tivemos que procurar outro lugar para jogar. Estádio tem sido um problema desde que o Maracanã fechou. A ideia era de levar o jogo para Manaus e a CBF entendeu que não poderia mais tirar o jogo do Rio de Janeiro. Então a própria Ferj indicou o Raulino de Oliveira e vamos ter que jogar lá. Bola para frente"

Divisão de torcida no Fla-Flu

"Não havia decisão interna no clube sobre que forma seria a divisão de torcidas. A gente tinha muita discussão interna por ser um estádio que não estávamos preparados. Com relação ao Flamengo, a gente tinha contrato para divisão de receita. Tenho contrato comigo e mostrei para quem me perguntou. A nossa posição é que tenha um grande jogo. O grande palco do Fla-Flu é o Maracanã. Eu tive muito pouco o Maracanã e por isso fui um grande defensor do estádio próprio e acho que devemos fazer uma administração inteligente do Maracanã"

Candidatos à presidência

"Eu tenho meu candidato (Pedro Abad), acredito no trabalho e na continuidade feita pelo meu candidato e nas pessoas que estão e estarão futuramente trabalhando com ele. A mudança de Xerém foi feita com essa diretoria e transformou em um dos centros mais modernos de base do Brasil e da América Latina. O centro de treinamento foi um sonho dentro da gestão, a prefeitura ajudou e nós estamos dando a resposta hoje que o Fluminense tem capacidade para construir. Os outros candidatos eu não posso falar nada. Eu acredito em quem faz, em quem constrói. Acredito em quem acredita na base e em quem acredita no Fluminense construindo para ficar mais forte. Alguns candidatos nunca foram favoráveis aos projetos da base e ao projeto internacional. Alguns candidatos lutaram até contra a construção do centro de treinamento. Esses deveriam fazer exame de consciência e pensar se devem ser candidatos à presidência do Fluminense"