Fluminense volta a sofrer em excesso com gols originados de bolas aéreas

São cinco gols vindos de bolas levantadas na área sofridos nas últimas três rodadas

Fluminense volta a sofrer em excesso com gols originados de bolas aéreas
Fluminense volta a sofrer em excesso com gols originados de bolas aéreas

O Fluminense chegou a ter a defesa menos vazada do Campeonato Brasileiro 2016, mas, nas últimas rodadas, tem sofrido com um novo - ou velho - pesadelo: o excesso de gols sofridos em bolas aéreas. Gum e Henrique tem tido boas atuações no torneio, mas os números recentes preocupam a todo o sistema defensivo e - principalmente - a torcida.

São cinco gols vindos de bolas levantadas na área sofridos nas últimas três rodadas, respectivamente contra Sport, Santos e Flamengo. Desses tentos, quatro foram finalizados em cabeçadas e três partiram de jogadas ensaiadas. Tais lances ligam o sinal de alerta em Laranjeiras pois, apesar dos pesares, a bola aérea é um ponto forte da equipe Tricolor.

Com a derrota para o Flamengo, na última quinta-feira (13), o Fluminense caiu para a sexta colocação do Brasileirão com 46 pontos conquistados em 30 rodadas. Atualmente, a defesa tricolor é a sétima menos vazada do torneio, com 32 gols sofridos.

Relembre os gols de bolas aéreas sofridos pelo Flu:

Fluminense 3 x 1 Sport: contra o Sport, Gabriel Xavier cobrou escanteio, Gum se enrolou na marcação e acabou desviando contra a própria meta.

Fluminense 1 x 2 Santos: no primeiro gol, Copete se antecipou a Wellington Silva e marcou. No segundo, Ricardo Oliveira aproveitou o cruzamento na primeira trave e sentenciou.

Fluminense 1 x 2 Flamengo: cruzamento vem da direita, Wellington Silva erra o corte e Fernandinho empurra às redes.