Mário Bittencourt: "Dryworld não pagou mais de três meses até agora"

Candidato concedeu entrevista exclusiva à VAVEL Brasil; Eleição presidencial ocorre na segunda quinzena de novembro

Mário Bittencourt: "Dryworld não pagou mais de três meses até agora"
Mário Bittencourt: "Dryworld não pagou mais de três meses até agora"

As eleições do Fluminense se aproximam e os candidatos ao pleito presidencial começam a divulgar seus planos para o mandato. Mário Bittencourt, candidato da  'Fluminense me domina' que traz Ricardo Tenório como vice de chapa, concedeu entrevista exclusiva à VAVEL Brasil e comentou sobre as mudanças que deseja fazer no clube. Segundo ele, estar presente para defender o Fluminense nos piores momentos da história recente do Fluminense é seu maior trunfo por não fugir das responsabilidade.

+ Eleição Presidencial: VAVEL entrevista Mário Bittencourt

"Pelo que eu ouvi falar, a Dryworld não pagou mais de três meses da relação até agora. É um contrato que a gente tem que avaliar, inclusive, se não tem que ser rescindido quando a gente assumir e com ressarcimento pro Fluminense. Tem que avaliar, não conheço o contrato. Acho que a saída da Adidas foi complicada porque você trocou uma marca sólida e com uma história enorme por outra recém chegada no mercado. Trocou por valores, mas não está recebendo esses valores porque a marca não conseguiu comportar a demanda.

Quanto ao patrocinador master, a busca tem que ser incessante para que a gente possa ter um time forte e alguém colocando dinheiro. Eu iniciei a relação com a Caixa Econômica em meados de 2015, era para ser anual, agora parece que ela vai ser pontual. A gente reabre essa negociação se ganhar a eleição. Nós temos um grupo de empresários que deve fechar a parceria e o apoio a nossa candidatura dentro de uns dez dias e, dentre esses empresários, a maioria é do Rio de Janeiro muito bem colocados em grandes empresas e já estão em busca de patrocínio pra gente"

Candidato da 'Fluminense me domina', Mário Bittencourt é um dos quatro concorrentes à presidência do Fluminense para o triênio 2017-2019. Além dele, Celso Barros, Pedro Abad e Cacá Cardoso almejam ao cargo que atualmente pertence a Peter Siemsen, reeleito em 2013. As eleições ocorrem na segunda quinzena de novembro, em Laranjeiras.