Mário Bittencourt evita críticas a gestão Peter: "Não vou ficar apontando dedo"

Candidato concedeu entrevista exclusiva à VAVEL Brasil; Eleição presidencial ocorre na segunda quinzena de novembro

Mário Bittencourt evita críticas a gestão Peter: "Não vou ficar apontando dedo"
Mário Bittencourt evita críticas a gestão Peter: "Não vou ficar apontando dedo"

As eleições do Fluminense se aproximam e os candidatos ao pleito presidencial começam a divulgar seus planos para o mandato. Mário Bittencourt, candidato da  'Fluminense me domina' que traz Ricardo Tenório como vice de chapa, concedeu entrevista exclusiva à VAVEL Brasil e comentou sobre as mudanças que deseja fazer no clube. Segundo ele, estar presente para defender o Fluminense nos piores momentos da história recente do Fluminense é seu maior trunfo por não fugir das responsabilidade.

+ Eleição Presidencial: VAVEL entrevista Mário Bittencourt

"Na primeira gestão, tiveram algumas coisas ótimas, outras de regulares para boas. Na segunda gestão, muitas coisas ruins. Acho que a primeira foi melhor e muita coisa que não foi feita na segunda. O nosso grande objetivo não é olhar no retrovisor, não é ficar olhando pra trás e apontando o dedo. Muito pelo contrário, nós todos somos Fluminense. A ideia é olhar pra frente e tentar implementar aquilo que não foi feito. Por exemplo, a governancia corporativa, nada foi feito com relação a isso, não foi feita nenhuma reforma administrativa, não foi feito um plano de cargos e salários.

Não foram feitas reformas no clube, basta você passear, dar uma volta no ginásio, nas quadras laterais, na churrasqueira, na quadra lá de cima, na sauna, no estande de tiros. Se você fizer um passeio pelo clube, vai ver que nada foi feito em termo de patrimônio, porque  talvez não deva ter dado tempo. Não dá pra fazer tudo em três, nem seis anos. É uma constatação, não é uma crítica e certamente vamos fazer muita coisa em três ou seis anos."

Candidato da Fluminense me domina, Mário Bittencourt é um dos quatro concorrentes à presidência do Fluminense para o triênio 2017-2019. Além dele, Celso Barros, Pedro Abad e Cacá Cardoso almejam ao cargo que atualmente pertence a Peter Siemsen, reeleito em 2013. As eleições ocorrem na segunda quinzena de novembro, em Laranjeiras.