'Pierredependência'? Saídas do volante culminam em desorganização defensiva do Fluminense

Volante ganha reconhecimento graças a uma das piores fases da equipe no torneio: sua substituição tem culminado em desorganização na defesa tricolor

'Pierredependência'? Saídas do volante culminam em desorganização defensiva do Fluminense
(Foto: Agencia Corinthians)

Cão de guarda, o famoso 'cincão' marcador. A posição de primeiro volante tem sido revista pelo futebol moderno, mas ainda é fundamental para a estrutura defensiva de várias equipes no Campeonato Brasileiro. No Fluminense não é diferente e quem atende pela alcunha é Pierre. Não tem grife, não tem glamour, não é idolatrado, mas começa a ganhar reconhecimento graças a uma das piores fases da equipe no torneio: sua substituição tem culminado em desorganização.

+ Com dois tempos distintos, São Paulo bate Fluminense de virada e se distancia da degola

O efeito é vísivel. Nas derrotas para Figueirense, Corinthians, Santos e - principalmente São Paulo, o Fluminense podia não apresentar seu melhor futebol, mas mantinha uma consistência defensiva. Após o momento de sua substituição, todo o planejamento montado por Levir Culpi foi por água abaixo. Via-se uma equipe frágil, desorganizada e sem reação, como se o volante fosse a espinha dorsal do esquema. 

O primeiro momento foi contra o Figueirense, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Jogando em Edson Passos, o Tricolor fez uma excelente primeira etapa e saiu vencendo por 2 a 0. No intervalo, Levir Culpi sacou Pierre e colocou Marquinho. Bastaram 15 minutos para o alvinegro catarinense empatar, em dois lances originados no espaço onde o volante deveria estar fazendo a cobertura.

Carlos Alberto tem total liberdade para chutar. (Foto: Reprodução/TV Globo)
Carlos Alberto tem total liberdade para chutar. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Contra o Corinthians, na partida de volta da Copa do Brasil, o segundo exemplo. Dessa vez a mudança foi tática e necessária. Pierre novamente saiu para entrada de Marquinho pois o Tricolor precisava fazer gols para sobreviver no torneio. Mas, o tiro saiu pela culatra. Com mais espaço, o Timão se soltou e abriu o placar com Rodriguinho, em finalização na entrada da área, exatamente aonde o volante deveria estar.

Rodriguinho também com liberdade para finalizar. (Foto: Reprodução/TV Globo)
Rodriguinho também com liberdade para finalizar. (Foto: Reprodução/TV Globo)

As últimas derrotas no Campeonato Brasileiro também não fogem à regra. Contra o Santos, saiu para entrada de Richarlison e viu o Fluminense se desorganizar no segundo tempo. Contra o São Paulo, talvez a mudança mais pavorosa. Saiu para entrada de Douglas, viu o Tricolor ser amplamente dominado e levar a virada. Pierre pode não ser um craque, mas se mostra essencial no esquema de Levir Culpi.

POSSE DE BOLA
ANTES DA SAÍDA DE PIERRE
FLUMINENSE 68%  X 32%  SÃO PAULO
DEPOIS DA SAÍDA DE PIERRE
FLUMINENSE 27% X 73% SÃO PAULO

Com a virada do São Paulo por 2 a 1, em Edson Passos, o Fluminense amarga sua terceira derrota seguida no Campeonato Brasileiro. O Tricolor se mantém com 46 pontos e cai para a nona colocação. Desde que o G-4 virou G-6, o Tricolor não venceu. O próximo compromisso é contra o Coritiba, pela 32ª rodada, no domingo (23), às 18h30, no Couto Pereira.