Na volta ao Maracanã, Fluminense cede empate no fim para o Vitória e segue fora do G-6

Com direito a pênalti inexistente em Richarlison, Tricolor até consegue a virada sobre o rubro-negro, mas vê Marinho marcar nos minutos finais e frustar os mais de 20 mil presentes no Maracanã

Na volta ao Maracanã, Fluminense cede empate no fim para o Vitória e segue fora do G-6
Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C.
Fluminense
2 2
Vitória
Fluminense: Júlio César; Wellington Silva, Gum, Henrique e Giovanni (Marquinho, Intervalo); Pierre, Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa; Wellington (Marcos Junior, 25'/2ºT) e Richarlison (Magno Alves, 27'/2ºT)-
Vitória: Fernando Miguel; Diego Renan, Kanu, Victor Ramos e Euller; Amaral (David, 13'/2ºT), Willian Farias, Marcelo (Tiago Real, 33'/2ºT) e Cárdenas (Serginho, 23'/2ºT); Marinho e Kieza
Placar: Marcelo, 30'/1ºT (0-1), Richarlison, pênalti, 36'/1ºT (1-1), Cícero, 47'/1ºT (2-1), Marinho, 42'/2ºT (2-2)
ÁRBITRO: Nielson Nogueira Dias (PE)
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 33ª rodada do Brasileirão 2016.

Após 11 meses separados, o Fluminense e o estádio do Maracanã se reencontraram nesta sexta-feira (28). Precisando acabar com o jejum de vitórias para entrar no G-6 do Brasileirão, o Tricolor apenas ficou no empate em 2 a 2 com o Vitória. Richarlison e Cícero marcaram para os donos da casa, enquanto Marcelo e Marinho fizeram a favor dos visitantes.

Com o empate, o Fluminense amarga seu quinto jogo seguido sem vitória. Desde então, foram três derrotas e dois empates. O último triunfo foi na 28ª rodada, contra o Sport, ainda no início do mês. A má fase tricolor refletiu na tabela de classificação, onde o Tricolor permanece fora do G-6, em oitavo, com 48 pontos. O Vitória, em situação mais delicada, segue na zona de rebaixamento, em 17º, com 36.

O próximo compromisso do Fluminense será contra o Cruzeiro no Mineirão. O Vitória, por sua vez, recebe em casa o Atlético-PR. Ambos os jogos acontecerão no domingo (6), às 17h (horário de Brasília).

Vitória sai na frente, mas Flu consegue a virada

O jogo começou movimentado no Maracanã. Jogando com o apoio do seu torcedor, o Fluminense iniciou o duelo no campo de ataque do Vitória. A primeira  chance de gol aconteceu aos 13 minutos, quando Wellington fez boa jogada individual e tocou para Cícero, que chutou sem problemas para Fernando Miguel. Um minuto depois, o time baiano respondeu. Marinho recebeu na ponta esquerda e arrematou colocado no gol, assustando Júlio César.

As propostas de jogo das equipes eram bem distintas. Precisando encerrar o jejum de vitórias, o Fluminense se lançava mais ao ataque, principalmente explorando a velocidade de Wellington. Já o Vitória mostrava postura mais precavida, tentando levar perigo nas bolas paradas. E foi usando justamente esse artifício que o time baiano chegou ao gol. Aos 30 minutos, Marinho cobrou falta e Marcelo, de cabeça, abriu o placar no Maracanã.

Sem tempo para lamentar, o Fluminense reagiu rápido. Victor Ramos derrubou Richarlison fora da área, mas o árbitro entendeu que a infração foi dentro e marcou o pênalti. O próprio camisa 70 bateu e deixou tudo igual novamente. Minutos depois, o rubro-negro, por pouco, não empatou com Kanu, que, livre, chutou sem força. Empolgado com o gol de empate, o Tricolor conseguiu a virada nos acréscimos do primeiro tempo. Wellington Silva cruzou e Cícero, de cabeça, marcou o segundo e deixou o Fluminense em vantagem na etapa inicial.

Vitória melhora no segundo tempo e arranca empate no fim

Em desvantagem no placar, o Vitória começou assustando o Fluminense no segundo tempo. De fora da área, Amaral arriscou e obrigou Júlio César a fazer boa defesa. Buscando mais ofensividade, o técnico Argel Fucks promoveu a entrada do atacante David na vaga do camisa 5 rubro-negro. O Fluminense, por sua vez, foi obrigado a improvisar o Douglas na lateral-esquerda, já que Giovanni levou uma cotovelada na cabeça e não teve condições de retornar.

Fora isso, o duelo ficou bastante morno, com muito toque de bola, mas pouca objetividade. Com Marquinho no meio campo, o Fluminense pouco conseguia criar jogadas e assustar a meta do goleiro do Vitória. Só aos 20 o Tricolor quase ampliou com Gustavo Scarpa, que de fora da área, obrigou Fernando Miguel a fazer boa defesa. Minutos depois, novamente em bola parada, ponto fraco do Flu, o rubro-negro baiano assustou com David, que mandou a direita de Júlio César.

Nos dez minutos finais, o Vitória, já na base do desespero, ia todo à frente e dava o contra-ataque para o Fluminense, que, por sua vez, não sabia como aproveitar. Encurralado, o Tricolor já dava sinais de nervosismo e também abusava de fazer faltas próximas à área. De tanto insistir, o Vitória conseguiu chegar ao empate. Aos 42, Marinho passou por Gum, chutou forte, rasteiro e deixou tudo igual novamente. Nos acréscimos, o Fluminense até buscou o triunfo no voleio de Cícero, mas sem êxito.