Gritos de 'burro' e pedido por Roger Machado: Levir vive crise com torcida do Fluminense

Torcida caça culpados e a gota d'água desta relação aconteceu na última sexta-feira (29), no Maracanã, após o empate por 2 a 2 contra o Vitória, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, muitas vaias para o treinador, gritos de burro e até mesmo xingamentos

Gritos de 'burro' e pedido por Roger Machado: Levir vive crise com torcida do Fluminense
Gritos de burro e pedidos por Roger Machado: casamento de Levir com a torcida vive crise

São cinco jogos sem vencer. Ou então, apenas 2 pontos conquistados nos últimos 15 disputados. A situação do Fluminense no Campeonato Brasileiro vai se complicando a cada rodada, exatamente quando parecia existir tranquilidade. Desde que a zona de classificação à Copa Libertadores aumentou de G-4 para G-6, o Tricolor não venceu maior no torneio. E como é de costume no futebol brasileiro, a culpa da crise que atinge Laranjeiras cai na conta do treinador Levir Culpi.

A torcida caça culpados e a gota d'água desta relação aconteceu na última sexta-feira (29), no Maracanã, após o empate por 2 a 2 contra o Vitória, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, muitas vaias para o treinador, gritos de burro e até mesmo xingamentos. Não foi a primeira vez, mas esta se destaca por terem chamado o nome de outro técnico, Roger Machado, que teve boa passagem pelo Grêmio e atualmente está sem clube. O clima pesou e a paciência chegou ao fim.

Mas, se engana quem pensa que esta foi a primeira crise da relação Levir Culpi x torcida do Fluminense. Contra o Figueirense, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Tricolor vencia por 2 a 0 e permitiu o empate. No fim, encontrou o terceiro gol e venceu a partida, o que rendeu a Levir o apelido de "burro com sorte". O técnico brincou com a situação, coisa habitual em sua passagem pelo clube, mas estava ciente da real situação que vivia.

"Um técnico de clube do futebol brasileiro não tem futuro, só presente. É o próximo jogo. Não adianta pensar mais para frente. Claro que sonho, faço planos, mas tudo pode mudaar em uma, duas semanas. Procuro focar mais no príximo jogo. Não adianta a gente fazer muitas contas. Faço uma projeção, mas fica tudo no sonho", declarou o treinador em entrevista.

E os próximos jogos vieram. As bolas começaram a não entrar, a defesa começou a falhar e os resultados passaram a não agradar. O Fluminense passou a não convencer até contra equipes que lutam contra o rebaixamento. Levir Culpi, que veio de uma arrancada espetacular no início do segundo turno e chegou a dormir no G-4 após vencer o Sport pela 28ª rodada, hoje vê o sonho do G-6 se distanciar lentamente. E sua relação com os torcedores vai se desgastando a cada tropeço.

Com o Fluminense vivendo um período eleitoral conturbado, Levir Culpi não sabe se renovará seu contrato que encerra no fim deste ano. No geral, sua passagem não foi de todo ruim. Campeão da Primeira Liga em poucos meses após assumir uma equipe em crise, iniciou seu trabalho com bons resultados, mas não tem agradado na segunda metade do ano. Resta saber se uma classificação à Libertadores lhe manterá no cargo ou se as portas ficarão abertas para um novo comandante em 2017.