Em sua gestão, Abad quer administrar Fluminense como uma empresa

Após eleição, candidato voltou a falar em profissionalização do clube

Em sua gestão, Abad quer administrar Fluminense como uma empresa
Pedro Abad e Cacá Cardoso formarão a 'dupla' que comandará o Fluminense no próximo triênio (Foto: Marcello Neves/VAVEL Brasil)

Em prática que vem se tornando cada vez mais comum nos últimos anos dentro do futebol brasileiro, o discurso que ressoa dentro do Fluminense, após a eleição de Pedro Abad como novo presidente, é o da profissionalização da administração do clube. O candidato apoiado pelo grupo político Flusócio é mais um presidente que prega a importância de resultados não somente dentro de campo, mas também fora. Crítico em relação à gestão Peter Siemsen em alguns aspectos, Abad pretende administrar o Tricolor como se fosse uma empresa.

Abad manteve o discurso que utilizou durante toda a campanha em relação ao futebol tricolor, indicando que a administração do Fluminense precisa mudar: "É muito importante que o Fluminense adote um plano de gestão com práticas de governança corporativa. Temos um plano de gestão bem avançado nesse sentido e pretendo criar uma vice-presidência exclusiva para tocar esse projeto no Fluminense. Temos que aproximar o máximo possível a gestão do Fluminense de uma corporação", reiterou o presidente eleito.

Além disso, o novo presidente não deixou dúvidas de que sua vitória representa a continuidade do projeto implementado em 2011, quando Peter Siemsen foi eleito pela primeira vez: "Temos uma confiança do sócio num projeto que se iniciou há seis anos atrás, um projeto visionário que enxergou que não é a circunstância que define os rumos do clube. É um projeto de longo prazo onde a gente enxerga que as diferenças de receita que alguns clubes auferem a mais que o Fluminense precisam ser reduzidas", declarou.

Abad fez questão de ressaltar a importância de seu vice-presidente, Cacá Cardoso e voltou a prometer que montará uma equipe baseada na capacidade profissional de cada um dos escolhidos: "O Cacá vai ser fundamental, não só representando o Fluminense quando eu não puder ir, mas sendo minha dupla na implantação de um projeto de gestão mais profissional. O pessoal que veio com o Cacá são grupos de profissionais extremamente capacitados e posso dizer ao torcedor e ao sócio que vamos escolher nomes por competências e não por conchavos políticos", garantiu o sucessor de Siemsen.

Em relação a nomes que vão compor a sua equipe para administrar o Flu, Abad citou os nomes de Marcelo Teixeira, que já estaria atuando, e Pedro Antônio, homem forte na construção do CT, que ainda não tem cargo definido: "Atualmente o que a gente tem é o Marcelo Teixeira me auxiliando bastante nesse trabalho. Ele vai ficar cada vez mais próximo do profissional, juntamente com nosso diretor executivo, e nosso vice-presidente de futebol. Nos próximos dias, devemos comunicar quem vai ocupar esses lugares".

Pedro Antônio teria liberdade para definir em que área vai atuar sob o comando de Abad: "A verdade é que o Pedro Antônio fez, em 10 meses, algo inacreditável. Eu costumo dizer que ele não se prende a nomes, não se prende a rótulos, mas se prende a desafios. Eu gosto muito de dizer que você dá uma missão e o Pedro cumpre. Ele vai escolher o desafio que quer dentro do Fluminense, vou conversar com ele pra saber onde ele quer estar e como ele vai querer ajudar a levar o Fluminense para frente", revelou.