Novo presidente do Fluminense indica que rescisão com Dryworld está adiantada

Clube já está negociando com novos fornecedores de material esportivo

Novo presidente do Fluminense indica que rescisão com Dryworld está adiantada
Dryworld deve parar de fornecer uniformes do Flu em breve (Foto: Divulgação/Fluminense FC)

O casamento entre o Fluminense e a empresa canadense Dryworld, responsável pelo fornecimento de materiais esportivos ao clube carioca, deve mesmo terminar nos próximos meses. Logo após ser eleito, Pedro Abad comentou a relação entre o clube e a fornecedora e indicou que o processo de rescisão contratual já está em estágio avançado. As principais motivações para o rompimento dizem respeito à uma má distribuição do material e também à falta de pagamento de royalties e da cota de patrocínio ao clube.

Presidente eleito com 2126 votos, Abad afirmou, em coletiva de imprensa, que já existem negociações com outras empresas para substituir a Dryworld: "Pelas informações que tenho, já há um processo avançado de rescisão de contrato e sei que existem tratativas com outras fornecedoras. Agora eleito, me sinto confortável para buscar informação e vamos ver qual é a situação de cada negociação para dar seguimento a elas", declarou o candidato apoiado por Peter Siemsen.

Além de viver um problema com sua fornecedora de material, o Flu segue sem um patrocinador master, e a busca terá continuidade nas mãos de Abad: "No que diz respeito a patrocínio master, não considero um desafio, embora seja tarefa bastante difícil, dada a situação econômica do país, e do volume do investimento que é associar uma marca à camisa do Fluminense. Estamos tentando ter acesso para ver a quantas andam as negociações e então, vamos comunicando a medida que houverem novos avanços", garantiu o presidente.

O Fluminense rompeu com a Adidas no ínicio deste ano, para assinar com a Dryworld, que prometia pagamentos maiores ao clube. No entanto, os problemas começaram cedo, com torcedores reclamando da falta de camisas disponíveis para compra, e evoluíram ao ponto de alguns times do Tricolor, como o de vôlei, e as categorias de base, serem obrigados a utilizar uniformes da antiga fornecedora de material.