Henrique Dourado relembra duelos contra LDU e pede apoio da torcida: "Será nosso 12º jogador"

Tricolor reencontra algoz após oito anos e camisa 9 afirma que apoio da torcida será fundamental para buscar a classificação

Henrique Dourado relembra duelos contra LDU e pede apoio da torcida: "Será nosso 12º jogador"
Foto: Divulgação/Fluminense FC

O Fluminense encerrou nesta quarta-feira (13) a preparação para o confronto contra a LDU, pela Copa Sul-Americana, no Maracanã. O artilheiro Henrique Dourado concedeu entrevista coletiva após o término das atividades no CT e falou sobre a atitude que o Tricolor terá neste duelo de 180 minutos.

"Campeonato mata-mata se jogar a primeira em casa temos que ser inteligentes. É um jogo de 180 minutos. Esperamos fazer uma boa partida e levar uma vitória para Quito, nos daria tranquilidade. Eles podem fazer um jogo mais cadenciado amanhã e temos que ter inteligência", explicou o camisa 9.

Após oito anos, o Fluminense reencontra a LDU. Em 2009, os times decidiram a Copa Sul-Americana e, assim como no ano anterior, na decisão da Libertadores, os equatorianos levaram a melhor. Henrique Dourado lembrou que eram outros jogadores na época, mas que o atual elenco está ciente da importância do duelo para o clube e para a torcida, e pediu apoio dos torcedores.

"Histórico que tem essa partida, claro que para a torcida e para o clube é muito importante. Eram outros jogadores, mas temos ciência da importância e vamos tentar quebrar essa barreira. Não estávamos aqui, mas temos que nos colocar na pele de quem estava. Sabemos o que se passa no extracampo. Temos que ter inteligência, não deixar que isso atrapalhe. E que dentro de campo possamos dar o nosso máximo e alegria à torcida que vai comparecer em grande número. Será o nosso 12º jogador, vão nos ajudar muito", disse.

Para o jogo contra a LDU, mais de 30 mil ingressos foram vendidos antecipadamente. Henrique Dourado afirmou que o apoio da torcida no Maracanã será fundamental para buscar uma vitória e ir com vantagem para o jogo da volta em Quito, no dia 21.

"É importante sairmos com uma vitória. Conseguimos fazer dois gols em Quito na fase anterior [contra a Universidad Católica]. Podemos surpreender novamente. No Maracanã temos que fazer pressão, é o que vamos fazer lá. Que o torcedor nos apoie até o último minuto. Se quiser vaiar, que seja após o apito final. Uma vitória já é meio caminho andado. Temos consciência disso", afirmou.

Por fim, Henrique Dourado também comemorou o bom momento com a camisa do Fluminense e a melhor temporada da carreira. O camisa 9, após marcar contra o Vitória, se isolou na artilharia do país e do Brasileirão, e além disso, tornou-se o 10º maior artilheiro do clube no século XXI.

"Fico muito feliz, agradeço a Deus por estar ajudando. Ter conquistado essa marca de estar entre os dez maiores artilheiros do Flu no século. Fruto de muito trabalho", finalizou.

Confira outros trechos da coletiva do jogador:

Novo confronto contra LDU pela Sul-Americana

"Nossa atitude vai ter que ser fundamental nessa partida. Campeonato como a Sul-Americana é um jogo de muito contato, conversei com o Gum essa semana, estava nesses jogo. Estamos motivados"

Desfalque de Henrique

"Henrique é um jogador muito experiente. Nosso capitão, vai fazer muita falta. Estamos passando tranquilidade para quem vai jogar. A oportunidade bate e a pessoa não está nem esperando. Tem que estar sempre trabalhando e tenho certeza que vai dar tudo certo"

Novo capitão contra LDU

"O capitão será uma opção do Abel. Ele ainda não passou. Eu por costume falo e oriento bastante. Temos que nos comunicar dentro de campo"

Direito de imagem atrasado

"A diretoria já conversou com os jogadores sobre os atrasados. Estão fazendo esforço para quitar as pendências, mas não tem influenciado. Nós jogadores temos conversado muito sobre isso. Temos que deixar isso para a diretoria. Temos que nos preocupar em dar o nosso máximo. Ninguém aqui está pensando nisso agora. O jogo e o clube vão muito além disso"

Irregularidade do Fluminense no ano

"O atleta tem que saber lidar com as dificuldades. Vivemos altos e baixos. Tem que ter uma base familiar muito boa e um psicológico bom. Nesses momentos de adversidades surge o abatimento, mas acredito muito em Deus. Passei momento bom no Palmeiras. Depois teve a adaptação em Portugal, atingi minhas metas e tive dificuldade no início no Flu. O segredo é não se deslumbrar com o bom momento e nem se abater com a má fase"

Robinho expulso na estreia

"Quando acabou a partida fui falar com o Robinho. Passei por um momento como ele. Veio do Atibaia, Figueirense e agora num grande clube como o Flu. É uma mudança rápida que gera ansiedade. Ele não teve maldade. Fui conversar, disse que alguns vão criticá-lo, é normal. Mas pedi para manter a cabeça boa. Ele vai nos ajudar muito. O Richarlison era criticado e deixou boa imagem"