Notas: Fluminense comete erros, mudanças não surtem efeito e trave evita derrota

Tricolor jogou mal, empatou sem gols pela segunda vez seguida no estadual e amarga lanterna do Grupo C

Notas: Fluminense comete erros, mudanças não surtem efeito e trave evita derrota
Foto: Divulgação/Fluminense FC

O Fluminense ficou no empate sem gols com a Portuguesa, no estádio Giulite Coutinho, pela terceira rodada da Taça Guanabara. O Tricolor empatou sem gols pela segunda partida consecutiva e amarga três jogos sem vitória no estadual. Com o empate, o Flu continua na lanterna do Grupo C e fica em situação complicada.

Abel Braga apostou outra vez no 3-5-2, entretanto, o esquema não deu certo ofensivamente. Os laterais tiveram dificuldades para apoiar e os atacantes ficaram isolados. O treinador, então, mudou a formação para o 4-3-3 no segundo tempo, porém, o time deu mais espaços na defesa e a Portuguesa foi superior, criando oportunidades que podiam ter decidido a partida. Se não fosse a trave ou o pênalti não marcado pelo árbitro, o Flu seria derrotado mais uma vez.

Confira abaixo as notas da VAVEL Brasil sobre a atuação do Flu:

Júlio César: 3,5

Apesar da superioridade da Portuguesa, Júlio César não foi muito exigido. Fez uma única boa defesa em chute de fora da área de Sassá no segundo tempo, mas fora isso contou com a ajuda da trave duas vezes. Em uma delas, saiu mal do gol e foi salvo pelo travessão. Essa, entretanto, não foi a única vez que saiu mal do gol na partida.

Renato Chaves: 3,0

Teve dificuldades na marcação no primeiro tempo, cometeu erros de posicionamento e na saída de bola. No final do primeiro tempo, ainda participou do lance que gerou um pênalti não marcado para a Portuguesa. Foi substituído no intervalo.

Gum: 3,0

Assim como Renato Chaves, teve dificuldades na marcação, cometeu erros em posicionamento e saída de bola. Ainda cometeu um pênalti, que para sua sorte, não foi marcado pelo árbitro. 

Ibañez: 6,0

O jogador mais lúcido da defesa e em campo na partida contra a Portuguesa. Embora seja jovem, mostrou muita calma - algo que faltou aos seus companheiros de defesa - e durante o primeiro tempo conseguiu participar nas saídas de bola e avançar ao ataque algumas vezes. 

Gilberto: 4,0

Teve dificuldades no apoio ao ataque, principalmente durante o primeiro tempo. Na etapa final, continuou apagado e errando muitos cruzamentos.

Jadson: 4,5

Jogando como primeiro volante, não conseguiu ter bom desempenho e errou muitos passes durante o jogo. 

Douglas: 4,5

Assim como o companheiro acima, não conseguiu ter bom desempenho. Errou muitos passes, cometeu algumas faltas e apareceu pouco. 

Sornoza: 3,5

Errou muitos passes e não conseguiu articular as jogadas. Levou perigo em cobrança de falta no final do primeiro tempo, mas fora isso errou quase tudo o que tentou. Ainda acabou expulso nos minutos finais da partida.

Ayrton Lucas: 4,0

Assim como Gilberto, teve dificuldades no apoio ao ataque e errou todas as jogadas que tentou. 

Marcos Júnior: 4,0

Mais uma vez produziu muito pouco. É peça importante no esquema 3-5-2, funcionando como válvula de escape por sua velocidade, mas não consegue criar jogadas. 

Pedro: 3,5

Mais uma atuação apaga e outra vez tendo muita dificuldade contra os marcadores. Se esforça, tenta, mas erra quase tudo o que tenta.

Robinho (0'/2º tempo): 5,0

Participou pouco da partida, ficando muito isolado na ponta esquerda. Entretanto, quando participou criou boas jogadas. 

Matheus Alessandro (13'/2º tempo): 5,5

Criou oportunidades pela ponta direita, sendo que algumas levaram perigo. Mostrou vontade e deu mais velocidade a equipe. Consegue ser mais efetivo do que Marcos Júnior. 

Caio (28'/2º tempo): 5,0

Entrou com muita vontade na marcação e apareceu como elemento surpresa na área em jogadas de bola aérea, mas teve atuação discreta. 

Pablo Dyego (28'/2º tempo): 5,0

Buscou tabelas pelo lado do campo e tentou criar algumas jogadas pelo meio. Não teve muito sucesso, mas entrou com vontade e mostrando serviço.