Diretor executivo Rui Costa e vice de futebol Cesar Pacheco deixam Grêmio após eliminação

Dirigentes eram pressionados pelos torcedores após resultados ruins do Tricolor gaúcho em 2016

Diretor executivo Rui Costa e vice de futebol Cesar Pacheco deixam Grêmio após eliminação
Foto: Lucas Uebel / Grêmio

De volta ao Brasil, o Grêmio tem suas primeiras mudanças confirmadas após eliminação na Copa Libertadores 2016. Após derrota por 3 a 0 para o Rosario Central nas oitavas de final do torneio, o diretor executivo Rui Costa e o vice de futebol Cesar Pacheco estão de saída do Tricolor Porto-Alegrense.

Eles sofriam pressão recente da torcida em função dos maus resultados, tanto no Campeonato Gaúcho quanto com a derrota na ida para o adversário da Argentina. O oásis neste 2016 foi a contratação do equatoriano Miller Bolaños, comemorada pelos tricolores. Mas a trajetória dos dirigentes é maior e traz mais fatores acumulados para o desfazer da relação com o clube.

Rui Costa trabalhava no Grêmio desde 2012 e teve responsabilidade na contratação de 48 atletas e passagem com cinco treinadores. Nas competições disputadas desde então, entre o estadual, as Libertadores de 2013, 2014 e 2016, Copas do Brasil e Brasileirão: nenhum título.

Quanto ao vice de futebol, e também efetivado vice presidente, Cesar Pacheco, os discursos vazios irritaram os torcedores. Eram uma forma de demonstrar atraso na caminhada do Tricolor.

O avanço ocorreu em modernização da avaliação de estatísticas e rendimentos do elenco, mas as falas de Pacheco refletiam um futebol já passado. Ele tem trajetória vitoriosa na década de 90, com título de Copa do Brasil (94), Libertadores (95) e Campeonato Brasileiro (96). Nada ou muito pouco refletido na atual gestão.

A expectativa é que a continuidade dos nomes para trabalhar junto ao presidente Romildo Bolzan venham logo. O Grêmio estreia no Campeonato Brasileiro neste mês de maio e fez boa campanha na edição anterior, terminando atrás somente do Corinthians.

Do grupo atual de atletas, nomes como o lateral Marcelo Oliveira, o volante Maicon, que veio em transição cara com o São Paulo, e o zagueiro Bressan, que retornou ao clube após empréstimo ao Flamengo, são os mais cobrados para melhor desempenho ou até deixarem a equipe.