Chineses fazem parceria com Grêmio para 'cultura do futebol' no país

Asiáticos procuraram pelo clube gaúcho, firmando parceria e visando tornar-se potência no futebol mundial

Chineses fazem parceria com Grêmio para 'cultura do futebol' no país
Foto: Divulgação/ Grêmio

Os chineses são conhecidos no mundo do futebol como homens de terno e gravata que contratam jogadores caros, formam times milionários, mas nunca tornam-se uma grande potência no futebol. Um bom exemplo é a seleção Chinesa, na qual não está presente no cenário futebolístico atual. Entretanto, o campeonato nacional está. 

LEIA MAIS: Negueba é apresentado no Grêmio e agradece oportunidade: "Chego para buscar meu espaço"

É inquestionável que a China é um país gigante dentro dos esportes olímpicos, porém os asiáticos desejam mais; e para isso, terão de conquistar o futebol ocidental, e aos poucos, conquistar seu espaço no esporte que reúne mais pessoas no mundo inteiro. 

Para isso, o governo chinês propôs uma nova cultura de futebol em cidades como Zhuhai, província de Guandgong. Lá, há um grande projeto de integração futebolística com a população, em parceria com clubes e empresas do mundo da bola. Visto isso, os asiáticos encontraram no Grêmio, o que precisam para alançar seus objetivos. 

Trata-se de um investimento em escolinhas de futebol, tendo em vista o Tricolor Gaúcho, onde tem nos seus campos de base um exemplo nacional. Sendo assim, após ter dialogado com outros grandes clubes como São Paulo, Corinthians e Flamengo, eles preferiram o Grêmio, de onde já saíram Ronaldinho Gaúcho, Douglas Costa, Lucas Leiva. Atualmente, por exemplo, o Grêmio tem grandes nomes no cenário nacional vindos das categorias de base, tais como Everton, Luan, Walace, o próprio Douglas Costa, Lincoln, Anderson (hoje no Internacional), entre outros..

Ronaldinho Gaúcho é um dos grandes exemplo da potência do Grêmio na base (Foto: Getty Images)
Ronaldinho Gaúcho é um dos grandes exemplo da potência do Grêmio na base (Foto: Getty Images)

O projeto tem em vista parceria com o clube gaúcho para firmar escolinhas de futebol no país, visando incentivar a cultura pelo esporte, que não é o principal e nem o intermediário da gigante China. Junto de coordenadores técnicos do Grêmio, o projeto já deu início. 

Como é sabido, as crianças chinesas estudam mais do que vivem: são 12h30min por dia de livros. Por esse motivo, muitas não têm tempo para praticar esportes. Então, eis que surge Mr. Yue, presidente do Instituto Nacional da Educação, que também está envolvido na parceria, e colocou o esporte como matéria curricular. Além de matemática, inglês, geografia, etc. estará o futebol, visando criar uma cultura de competição dentre os alunos. 

Conforme informado pelo Uol, uma comitiva do Grêmio foi à China para fechar com mais de 35 parcerias. E retornou com 150 contratos firmados, com cada um atingindo cerca de 400 alunos. Visto isso, mais de 60 mil crianças serão cobertadas pela parceria. Duas escolas dos 5 aos 15 anos já estão em atividade.

Além disso tudo, o Grêmio ainda deseja lucrar com o projeto, fortalecendo o mercado com a China e a divulgação do clube do outro lado do mundo. Com a sede fornecida, que tem 1,5 mil metros quadrados, será instalado um museu, um espaço administrativo e uma loja de produtos oficiais. Somando, claro, com os campos espalhados pela área, que já estão em funcionamento. 

Douglas Costa, atualmente no Bayern de Munique, foi a última revelação mundial do Tricolor (Foto: Getty Images)
Douglas Costa, atualmente no Bayern de Munique, foi a última revelação mundial do Tricolor (Foto: Getty Images)