Jogadores do Grêmio reclamam de injustiças diante do Fluminense

Em partida válida pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, o Tricolor Gaúcho e o Tricolor Carioca ficaram no 1 a 1, após inúmeras falhas da arbitragem e contestações por parte de atletas e comissão técnica

Jogadores do Grêmio reclamam de injustiças diante do Fluminense
Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Depois de cometer erros prejudiciais à equipe gremista, a arbitragem de André Luiz de Freitas Castro recebeu protestos por parte dos atletas do Grêmio. O discurso adotado pelo plantel foi recheado de ira, indignação e revolta. 

O capitão Maicon se mostrou inconformado com a postura do juiz: "Acho que ele errou. A maneira que ele diz que expulsou acontece em todo jogo. A bola bateu na mão, todo mundo viu. Foi pênalti, é a regra. No gol deles, a bola bateu na mão. Eu me exaltei, falei com ele, pedi desculpas. Mas ele tem que reconhecer que errou. Durante a partida falei que ele estava errado, que ele reveja os lances. Nos prejudicou expulsando o Ramiro, todo jogador xinga, é normal. Ele tem que por a mão na consciência e reconhecer que prejudicou a gente. Nós trabalhamos duro para vir aqui jogar com um adversário de qualidade. A gente tem que ficar p****, porque a gente merecia mais que um ponto"

Com discurso semelhante, o meia Douglas foi categórico: "Não gosto de falar toda hora de arbitragem, mas sim, hoje nós fomos prejudicados. Se tivesse o pênalti, não tivesse a expulsão e vários outros lances, sairíamos vitoriosos, sem dúvidas. Estamos próximos do lance, a gente acaba questionando. Ele estava próximo do lance também e disse que não viu o pênalti. É impossível"

Visivelmente exaltado, Giuliano levantou questionamentos em relação ao critério adotado para expulsar Ramiro, e afirmou que a vitória escapou por atitudes do juiz: "Ramiro xingou ele, mas poxa vida. Se todos os árbitros que forem xingados vão expulsar, não vai ter jogador em campo para terminar uma partida. Todo mundo xinga, ele prejudicou a nossa equipe e atrapalhou o nosso resultado. Conseguimos o gol com um jogador a menos, lamentamos pela nossa entrega. A bola bate claramente na mão do jogador e ele não marca. Dois pesos, duas medidas. Pela circunstância da partida, a gente merecia ter ganho"

Em tom moderado, o goleiro Bruno Grassi minimizou a arbitragem, preferindo valorizar a entrega do time do Grêmio: "Não gosto de falar, todos somos seres humanos, podemos errar. Ele errou, faz parte. Nos prejudicou. Agora, a equipe está de parabéns. Lutamos, isso valeu à pena".

Focado na sequência do Brasileirão, o zagueiro Wallace lamentou as injúrias, porém, decretou que o dever dos jogadores depois do término da partida é se preocupar com o próximo duelo: "O árbitro errou na expulsão, no pênalti, no gol do Fluminense. Agora, isso é a diretoria que fica responsável. Nós, jogadores, temos que esquecer a arbitragem. Não tem mais justificativa. Não vai voltar. Vamos pensar na Chapecoense"

Vítima de uma expulsão duvidosa, Ramiro explicou que a ofensa englobou todo cenário da partida, portanto, não foi dirigida unicamente ao árbitro: "Fui lamentar de uma falta que não foi marcada, um carrinho por trás, talvez até expulsão do jogador deles. No calor do jogo, tu não vais reclamar com palavras bonitas, educadas. Vai ser uma reclamação mais alterada. Foi um momento de lamentação, pela circunstância. Foi um palavrão dirigido a uma situação toda. Tu reclamas um pouco com o juiz, um pouco contigo, um pouco com a jogada. Fiz um gesto com o braço e falei, tipo assim: "Vai tomar no c*", e ele decidiu me expulsar"

Com o empate, o Grêmio é vice-líder do Campeonato Brasileiro. O próximo compromisso gremista é diante da Chapecoense, quarta-feira (15), à partir das 19h30, em Santa Catarina.