Kannemann e Pedro Geromel: os pilares da defesa gremista para chegar à final

Dupla ajeitou o setor defensivo da equipe no segundo semestre do ano

Kannemann e Pedro Geromel: os pilares da defesa gremista para chegar à final
Imagem: Hugo Alves/Editoria de Artes da VAVEL Brasil

O Grêmio está na final da Copa do Brasil 2016. Nessa quarta-feira (23), o Tricolor faz o jogo de ida com o Atlético-MG, no Mineirão. Com uma defesa sólida e um ataque objetivo, o time de Renato Portaluppi tem uma chance para dar fim ao jejum de 15 anos sem ganhar um título de grande importância nacional. 

Grêmio entra com pedido de anulação da perda de mando na final da Copa do Brasil

Tendo em vista que a temporada do Grêmio estava quase encerrada, uma vez que a campanha de Roger Machado no Brasileirão estava em queda e o Tricolor se encontrava longe do G-4. Mas, com a reviravolta na tabela e a ideia de um G-6, animou os dirigentes gaúchos. A chegada de Renato, ídolo da torcida, pela terceira vez, deu vida nova ao clube. 

A Copa do Brasil que o diga. Em seu jogo de estreia, Portaluppi protagonizou um histórico confronto nos pênaltis, diante do Altético-PR, pela semifinal. Na Arena, foram quase 20 pênaltis cobrados para definir o classificado. 

Há de se dizer, também, que Renato tem em seu maior feito o ajuste do setor defensivo gremista. Com quase metade dos gols sofridos na bola área - com Roger, o Tricolor melhorou seu aproveitamento significativamente no semestre com a chegada do novo comandante. 

Em busca de uma dupla à altura de Pedro Geromel, ídolo da torcida e o melhor zagueiro do Brasil, Portaluppi testou Fred e Wallace Reis, mas não obteve sucesso. Visto isso, buscou a alternativa em um zagueiro argentino que não teve oportunidades com Roger. Walter Kannemann foi a solução.

A dupla entrosou de forma rápida. Atualmente, Geromel e Kannemann formam uma das duplas de zaga mais bem-sucedidas do Brasil. 

Com a técnica e a cobertura de grande precisão de Pedro Geromel, somando com a raça e a presença de área existentes em Kannemann, Renato formou a receita precisa para levar o Grêmio ao patamar de uma final de Copa do Brasil. Contra o Cruzeiro, por exemplo, na semifinal, fora o ápice da dupla. O time celeste levou pouco perigo à meta de Marcelo Grohe e consagrou os zagueiros gremistas. 

Geromel é ídolo. Pela sua técnica e seus dois anos de vivência no mundo gremista, o zagueiro é reconhecido nacionalmente por sua técnica e seus bons desarmes. Atualmente, a vaga para zagueiro só existe para um jogador: o que jogará ao lado de Pedro. Já passaram por ali Rodholfo, Erazo, Wallace Reis, Fred, Rafael Thyere, Bressan, entre outros. Jogador de seleção brasileira, convocado por Tite, ele é o melhor zagueiro do Brasil. 

Walter Kannemann, contratado em julho de 2016, veio com desconfiança. Sua fama de agressivo trouxe um pé atrás do torcedor gremista. Mas, as atuações contra o Palmeiras, líder do Brasileirão e adversário das quartas de finais, consagraram o argentino que não deixou Gabriel Jesus atuar de forma confrotável. Persistente, Kannemann não tem uma técnica apurada, mas equilibra suas qualidades com a garra e o poder de incomodar os atacantes e deixá-los irritados. 

Com essa dupla, o Grêmio pretende parar um dos ataques mais positivos do Brasil, formado por Robinho e Lucas Pratto. Esse será o maior teste para os pilares de Renato consgrarem-se, de fato, nos arredores da Arena.