Aos 39 anos, Léo Moura disputa sua primeira final de Libertadores

Experiente lateral-direito gremista passou muito tempo no Flamengo, passou por equipes de menor expressão nos últimos anos, mas chegou ao Grêmio para retomada na carreira

Aos 39 anos, Léo Moura disputa sua primeira final de Libertadores
Foto: Lucas Uebel / Grêmio

Na próxima quarta-feira (29) o Grêmio visita a equipe do Lanús, no estádio La Fortaleza, na Argentina, em partida que decidirá o campeão da Conmebol Libertadores Bridgestone 2017. O tricolor defende a vantagem conquistada na última semana, na arena, em vitória pelo placar de 1 a 0. Dentro todos os personagens da partida, um dos mais improváveis é o lateral direito do clube brasileiro, Léo Moura. Aos 39 anos, o atleta disputa sua primeira final de Libertadores.

O lateral chegou ao Grêmio no início do ano, em transferência junto ao Santa Cruz, de Pernambuco. Pelo clube de Recife, Léo Moura jogou o Brasileirão de 2016, disputou 33 partidas e marcou três gols. Anteriormente, havia atuado pelo modesto Metropolitano (SC). A retomada na carreira e a chegada a um grande clube como o Grêmio surpreendeu a todos, menos ao próprio jogador. Em seu Instagram, no dia da primeira partida da final da Libertadores, o jogador declarou:

“...lembro de todo turbilhão vivido depois de sair de um clube grande e de expressão...rodei por ai ainda um pouco perdido, clubes menos desconhecidos, momentos sem receber...enfim, passei por isso sendo provado diariamente, e se eu tinha capacidade de vestir uma camisa forte de um grande clube. Lutei, corri atrás, focado, empenhado como foi toda minha carreira e cheguei aqui no Grêmio. Hoje Deus está me dando a oportunidade de disputar uma final de L.A, a 1a da carreira...”

A carreira de Léo Moura é recheada de conquistas. Pelo Flamengo, conquistou um Campeonato Brasileiro (2009), uma Copa do Brasil (2006),  e quatro Campeonatos Carioca (2007, 2008, 2009, 2011, 2014). Pelo Santa Cruz, o lateral venceu a Copa do Nordeste e o Campeonato Pernambucano de 2016. Pelo maior torneio continental das Américas, o mais longe que o lateral havia chegado havia sido em 2010, pelo Flamengo. Na oportunidade, o clube carioca foi eliminado em pelo Universidad de Chile, após perder em casa por 3 a 2 e vencer na casa da La U por 2 a 1.

Mesmo não tendo entrado em campo na primeira partida da decisão, o jogador importante para o tricolor na construção da campanha da Libertadores, tendo marcado, inclusive, o primeiro gol do Grêmio na competição, na partida contra o Zamora, fora de casa, na estreia da competição. A experiência de Léo Moura pode ser decisiva para o tricolor, em uma possível eventualidade do jogo. Porém, mesmo que não entre em campo, a presença do lateral nessa final já é uma das grandes histórias da Libertadores 2017.