A redenção de Cícero: do banco de reservas ao gol decisivo

Ao marcar seu primeiro gol com a camisa do Grêmio, meia deixou Tricolor em vantagem para jogo final da Copa Libertadores da América 2017

A redenção de Cícero: do banco de reservas ao gol decisivo
Foto: (Lucas Uebel/ Grêmio FBPA)

Em sua terceira participação com a camisa do Grêmio, o jogador Cícero saiu do banco de reservas para deixar sua marca, na última quarta-feira (22/11). Dos pés do camisa 27, veio a conclusão que deixou o tricolor em vantagem para o segundo jogo das finais da Copa Libertadores da América, diante do Lanús, na Argentina.

Contratado apenas para a disputa do torneio continental, o meia Cícero chegou ao Grêmio em setembro, após rescisão de contrato com o São Paulo. Na equipe paulista, o atleta estava afastado da equipe principal,  treinava em horários alternativos, junto com atletas que retornaram de empréstimo.

Em acordo com a direção são-paulina, o jogador rescindiu o contrato, que era válido até dezembro de 2018 e acertou com o clube gaúcho, até o fim desta temporada. E, chegou a Porto Alegre com status de homem de confiança do técnico Renato Portaluppi.

Ambos estiveram juntos no Fluminense em 2008, quando na mesma oportunidade disputavam a Copa Libertadores, deste vez, pelo tricolor do Rio de Janeiro. Naquela edição, foram vice-campeões, após a derrota nos pênaltis para a equipe da LDU

Em 2017, novamente, os caminhos entre jogador e técnico se cruzaram. A confiança do comandante oportunizou que aos 26 minutos do segundo tempo, a entrada de Cícero mudasse os rumos da primeira decisão das finais da Libertadores.

E bastaram 11 minutos em campo para o jogador retribuir a confiança do chefe e causar a euforia do torcedor. Aos 37 minutos da etapa final, após a bola levantada na área por Edílson, o atacante Jael tocou para o desvio de Cícero. A bola ao fundo da rendes causou a explosão da Arena do Grêmio. Jogadores abraçavam Cícero em campo e na arquibancada os gremistas abraçavam a equipe num corro ensurdecedor.

Era a alegria e a redenção de quem deixava o banco de reservas para conquistar a glória do primeiro gol e deixar a equipe em vantagem para a disputa do título. Era Cícero, vestindo a camisa 27, que depois de 22 anos dava de volta ao torcedor gremista, a esperança de uma Libertadores.

O final desta história será conhecido nesta quarta-feira (29/11), quando Grêmio e Lanús fazem duelo final pela taça da Copa Libertadores da América, na Argentina.