Luan: a magia que o Grêmio precisa no Mundial de Clubes

Camisa de número 7 dispensa apresentações às vésperas da sonhada decisão de Mundial diante do poderoso Real Madrid

Luan: a magia que o Grêmio precisa no Mundial de Clubes
Foto: Lucas Uebel / Grêmio

Luan Guilherme de Jesus Vieira. O paulista de 24 anos nascido em São José do Rio Preto, no interior. Luan dispensa apresentações pelo vasto currículo atingido tão cedo no futebol brasileiro e mundial. Em 2016, ajudou a Seleção Brasileira olímpica a sair com o título inédito da Olimpíada no Rio de Janeiro. Agora, em outra competição mundial, dessa vez com o Grêmio, Luan é a principal esperança de fazer a magia de seu jogo funcionar contra o Real Madrid. Independentemente do resultado, ele não vai fugir da luta.

De entrevistas geralmente tímidas, mas atitudes em campo com a bola em jogo, Luan ganhou a confiança dos gremistas. Os seus críticos foram se calando e as vitórias e resultados aparecendo. Todos se curvando diante de um novo reinante para dominar a camisa de número 7 às costas. Luan tem 57 gols com a camisa do Grêmio, com a qual estendeu vínculo até o ano de 2020, após ser sondado por clubes europeus. 57 gols e 38 assistências em um total de 215 jogos até às vésperas da decisão do Mundial de Clubes.

Luan vivenciou a experiência de uma final mundial como organizador, fluidor do meio e ataque brasileiros contra a Alemanha na Olimpíada. Não tremeu ao Maracanã lotado quando cobrou um dos pênaltis na disputa derradeira para ver quem ficava com o título. Após a medalha de ouro no Rio de Janeiro, os resultados seguiram aparecendo com a camisa gremista. Conquistas da Copa do Brasil em 2016 e da Copa Libertadores da América em 2017. Na competição sul-americana, Luan foi eleito o melhor jogador na semifinal contra o Barcelona do Equador e o melhor atleta de todo o torneio.

Em Campeonato Brasileiro, o título ainda não veio, mas individualmente foi chamado três vezes, em três anos consecutivos para formar a seleção do torneio. Ninguém pensa que é pouco, mas se pensasse, ainda tem convocações com Tite para seleção principal, que vieram e hão de vir na sequência desse ritmo do paulista.

Coletivo em funcionamento: quem pode decidir o Mundial em favor do Grêmio?

O adversário na final do Mundial de Clubes é o Real Madrid, clube de infinito aporte financeiro em relação aos sul-americanos. Dono de uma seleção global do goleiro costa-riquenho aos atacantes português e francês. Meio campo que tem croata, alemão, brasileiro, time de espanhois, galês e assim por diante. Do Grêmio, no grupo de nascidos na América do Sul, sem ser brasileiros somente os estrangeiros Kannemann e Barrios, oriundos da Argentina, entre os titulares.

A orquestra genuinamente brasileira depende da sintonia, do preparo do maestro Luan. Ele é o cara das estatísticas, dos coelhos da cartola. É o maior assistente, finalizador, driblador e recebedor de faltas. Luan é termômetro. Luan, assim como Renato Portaluppi utilizou a camisa de número 7 para trazer o título mundial em 1983, é o mágico com essa árdua missão pela frente, da qual ele demonstrou potencial suficiente para corresponder. O Real é francamente favorito, mas Luan e a esquadra gremista chegam para tentar o topo.

O impossível não existe