Inter e Chapecoense protagonizam jogo ruim e não saem do zero

Colorado, inclusive, perdeu pênalti cobrado por Paulão na estreia do Campeonato Brasileiro

Inter e Chapecoense protagonizam jogo ruim e não saem do zero
Foto: Ricardo Duarte/ S.C. Internacional
Internacional
0 0
Chapecoense
Internacional: Alisson; William, Paulão, Ernando e Artur (Gustavo Ferrareis, 32/2ºT); Fabinho, Fernando Bob, Sasha, Andrigo (Alisson Farias, 37/2ºT) e Vitinho; Aylon (Marquinhos, 20/2ºT). Técnico: Argel Fucks
Chapecoense: Danilo; Cláudio Winck, Marcelo, Willian Thiego e Dener; Josimar, Cleber Santana, Gil, Lucas Gomes (Silvinho, 30/2ºT) e Ananias (Lourency, 46/2ºT); Bruno Rangel (Rafael Lima, 36/2ºT). Técnico: Guto Ferreira
ÁRBITRO: Nielson Nogueira Dias (PE), auxiliado por Bruno Boschilia (PR) e Clovis Amaral da Silva (PE). Cartões amarelos: Vitinho, William e Andrigo (INT); Willian Thiego, Josimar, Cleber Santana e Gil (CHA). Cartão vermelho: Thiego (CHA)
INCIDENCIAS: Partida válida pela primeira rodada do Brasileirão 2016, no Beira-Rio, em Porto Alegre

Internacional e Chapecoense tiveram a chance de encerrar a primeira rodada do Brasileirão 2016 com chave de ouro, elevando a média de gols. Mas nada disso aconteceu. No Beira-Rio, o confronto acabou com o placar zerado. Para piorar, a qualidade técnica foi baixíssima em Porto Alegre.

O Colorado volta a campo no próximo domingo (22), quando visita o São Paulo às 16h no Morumbi. Por outro lado, o Verdão do Oeste de SC tem compromisso no meio da semana: precisa reverter a derrota de 2 a 1 para o Paraná Clube, pela Copa do Brasil. Pelo certame de pontos corridos, a Chape recebe o América-MG, também no domingo que vem.

Defesas levam a melhor no primeiro tempo

Durante os 45 minutos iniciais, as duas equipes mostraram propostas claras. Mandante, o Inter ditou o ritmo do duelo praticamente na íntegra. Fechada em duas linhas de quatro com Lucas Gomes e Ananias pelos lados e Bruno Rangel e Cleber Santana mais adiantados, a Chape parecia confortável com o panorama.

Na saída de bola colorada, não houve novidade: Fernando Bob entre os zagueiros para os laterais gerarem amplitude no centro do gramado. Vendo os 11 jogadores adversários posicionados atrás da linha divisória do campo, o Colorado mal conseguiu desenvolver tramas de ataque.

O confronto começou com uma sequência de escanteios a favor dos gaúchos. Logo de cara, Vitinho levantou e Sasha só não mandou para as redes porque Thiego apareceu na hora H cortando. Aos sete minutos, uma grande oportunidade desperdiçada. Fernando Bob descolou linda enfiada em profundidade para Artur. O lateral-esquerdo cruzou na cabeça de Aylon, que, sozinho, testou para fora.

Com 15 minutos, o Verdão assustou pela primeira vez. Lucas Gomes roubou a bola e finalizou para defesa de Alisson. Após minutos de jogo morno, com as ações concentradas na faixa central, Argel modificou o posicionamento ofensivo ao colocar Aylon aberto pela direita e Sasha partindo da referência.

Conforme a qualidade do embate caía, iam surgindo cartões amarelos. Vitinho, William, Thiego e Josimar foram os advertidos pelo árbitro Nielson Nogueira Dias na etapa inicial. Aos 39 minutos, Bruno Rangel teve chance de puxar contragolpe, mas ficou sozinho diante de Ernando e Paulão. Resultado: perda da redonda.

Quando restavam quatro minutos para o fim do tempo regulamentar, o Inter quase inaugurou o marcador. Se na jogada trabalhada desde trás não era possível, no contra-ataque deu certo. Depois de cobrança de falta a favor dos catarinenses, Aylon avançou bastante com a posse e largou para Sasha. O camisa 9 recebeu na área e bateu forte, cruzado, exigindo intervenção de Danilo rente ao chão. Assim, os times se dirigiram aos vestiários com placar zerado.

Foto: Ricardo Duarte/S.C. Internacional

Nível técnico cai, Paulão erra pênalti e marcador não muda

Se na metade inicial o jogo teve pouca qualidade técnica, na final foi ainda pior. Nos primeiros segundos, até parecia diferente. Artur cruzou da esquerda e Aylon não alcançou por pouco. Aos dez minutos, o Verdão poderia ter saído na frente. Dener disputou com Paulão na lateral, ganhou e prosseguiu com liberdade até errar passe rasteiro procurando Bruno Rangel.

Mesmo com a intensa movimentação no ataque, o Colorado não era capaz de vencer o forte sistema defensiva da Chape. Aos 18 minutos, uma chance de ouro caiu do céu aos vermelhos. Com a bola quicando na área, Andrigo estava pronto para bater mas foi tocado por Ananias: pênalti.

Na cobrança, Paulão telegrafou e mandou fraco, facilitando ação de Danilo. O gol quase saiu no rebote, quando Vitinho chutou cruzado e Andrigo, dentro da pequena área, tocou. O camisa 1 alviverde foi firme novamente.

Tentando mudar o panorama, Argel mandou Marquinhos a campo na vaga de Aylon. Do outro lado, Guto Ferreira respondeu trocando Lucas Gomes, cansado, por Silvinho. Outra modificação nos vermelhos foi o ingresso de Gustavo Ferrareis no lugar de Artur, com a ida de Fabinho para a lateral-direita e William para a esquerda. Nada deu certo. Pela Chape, Gil finalizou de longe e mandou por cima.

Aos 34 miuntos, os visitantes ficaram com um a menos. O zagueiro Willian Thiego cometeu falta forte perto da área e recebeu o segundo cartão amarelo. Desta forma, se mandou para o chuveiro mais cedo. Nem assim o Colorado teve forças para criar uma mísera chance. Buscando segurar a igualdade, o comandante dos catarinenses sacou Bruno Rangel e colocou Rafael Lima para recompor a defesa.

Desesperado por um gol para triunfar na estreia, o Inter ao menos tentou finalizar de longe várias vezes. Em todas, no entanto, parou na estrela da noite: o goleiro Danilo. Zero a zero no Beira-Rio.