Hemerson Maria analisa empate com expulsão de Aguiar: "Resultado não é o que esperava"

Técnico do Joinville comentou taticamente seu time e espera crescimento do JEC ao longo da Série B

Hemerson Maria analisa empate com expulsão de Aguiar: "Resultado não é o que esperava"
(Foto: Divulgação / Joinville)

Após o empate em 0 a 0 com o Criciúma, o técnico do Joinville, Hemerson Maria comentou a partida. O comandante analisou taticamente a disposição de sua equipe, contornou o assunto da expulsão do zagueiro Bruno Aguiar e crê em crescimento do JEC ao longo da Série B do Campeonato Brasileiro. O primeiro assunto foi destrinchar a organização do tricolor em campo no clássico catarinense.

"4-2-3-1. A proposta com a bola era fazer um losango no meio. Temos não só a abertura, como também a amplitude. Fizemos uns 20 minutos muito bons, com criação de algumas jogadas e marcação intensa. Quando fizemos a ligação direta, o jogo ficou bom ao Criciúma", analisou em relação ao primeiro tempo realizado por sua equipe no duelo com o Tigre.

"No segundo tempo, eu abri o Paulinho na direita e centralizei o Pereira. Com a expulsão do Aguiar, piorou e precisei fazer duas linhas de quatro. Fiz 4-4-1. Eu coloquei o Paulinho por dentro e o Adriano na ponta esquerda", analisou taticamente o comandante do Tricolor do norte catarinense.

"Eu não estava mais conseguindo articular as jogadas. A entrada do Adriano como centroavante com o Kadu aberto pela esquerda foi pelo contra-ataque. Tive que ser realista, o resultado não é o que a gente esperava. Nós precisamos fazer ajustes", falou sobre a situação do jogo, em especial sobre a mudança após a expulsão do zagueiro e capitão Bruno Aguiar.

Sobre o cartão vermelho apresentado ao defensor, Hemerson comentou que não estava prestando atenção ao lance, pois conversava com seu auxiliar.

"O Bruno é um jogador experiente, não vi direito o lance. Acontece às vezes. É um clássico, é complicado ficar com um jogador a menos. Eu havia acabado de fazer uma substituição e não pude fazer outras trocas, por exemplo, tirar o Paulinho e colocar mais um jogador de velocidade na frente. Mas teve sacrifício e entrega", reiterou sobre a expulsão de seu capitão na etapa final.

Hemerson Maria negou que o esquema e posicionamento da equipe tricolor fosse defensivo. Justificou por escolhas e encerrou otimista, com o discurso de que o time tem a crescer na competição através do maior número de treinos e do maior entrosamento do time.

"Jogamos com dois atacantes. O Paulinho de meia ofensivo, o Pereira de chegada. Os laterais tem potencial ofensivo e criaram jogadas. Fizemos um treinamento só com essa equipe. Na quarta-feira, eu fiz um trabalho setorial. O Joinville vai crescer. Agora é descansar e em Salvador buscar o resultado positivo", completou o técnico. O jogo com o Bahia é na quarta-feira (25).