Hemerson Maria descarta saída do Joinville: "Não passa pela minha cabeça"

Comandante do JEC afirma estar prestigiado pela direção e ser capaz de conquistar vitórias nos próximos jogos da equipe

Hemerson Maria descarta saída do Joinville: "Não passa pela minha cabeça"
Foto: João Lucas Cardoso/Joinville Esporte Clube

O Joinville continua sem encontrar o caminho das vitórias na Série B do Campeonato Brasileiro 2016. A derrota para o Paraná Clube por 1 a 0 na tarde deste sábado (25) no estádio Durival de Britto em Curitiba pela décima segunda rodada foi a quarta partida consecutiva do JEC sem vencer na competição. Apesar dos maus resultados e de ter deixado o clube na zona do rebaixamento do certame, o técnico Hemerson Maria se diz prestigiado pela diretoria tricolor e descarta a hipótese de deixar o comando da equipe.

"Tivemos uma reunião de alto nível, colocamos dificuldade que temos. A diretoria deu credibilidade ao trabalho, entende o momento. Fizemos estreias também, é uma equipe em formação. Não passa na minha cabeça eu não comandar a equipe na terça-feira. Sou capaz e provei que posso recuperar a equipe. Temos que recuperar nossa confiança. Estamos trabalhando o psicológico dos atletas, e o melhor remédio para isso é vencer", afirmou Maria.

Para o treinador, a equipe do PRC foi melhor na partida apesar das tentativas do JEC de chegar ao empate. "Em termos de volume de jogo, o primeiro tempo foi equilibrado. No segundo, o Paraná nos deu posse de bola e ficou no contra-ataque. Entramos com o Bertotto, o Pereira fez o meia-atacante, junto com três atacantes: o Barbio, o Gabriel e o Dodô. Depois com a saída do Pereira tentamos trabalhar no 4-2-4. Chegamos próximos de finalizar, mas nada contundente para conseguir o empate. O Paraná administrou e se você fizer uma análise dos 90 minutos, eles foram vencedores", analisou.

Hemerson também admitiu a dificuldade de criação no meio campo e de finalização no ataque. "O primeiro tempo foi taticamente equilibrado, mas individualmente não foi bom. Quando se tem quatro ou cinco jogadores abaixo da média, você sente essa dificuldade de criar. A situação da finalização é um problema que estamos tentando solucionar, buscando a solução dentro do grupo. Falta a equipe ser mais eficiente e errar menos na definição. A questão de tomada de decisão é difícil, é muito individual, é do jogador", desabafou.

Agora o Joinville volta a jogar em casa para tentar um resultado positivo após duas semanas sem vencer e para sair da incômoda décima sétima colocação na tabela. O adversário será o CRB, na próxima terça-feira (28) às 19h15 na Arena Joinville, pela décima terceira rodada da competição.