Diante do Paysandu, Joinville aposta últimas fichas para se manter na Série B

Tricolor do norte precisa desesperadamente da vitória para reascender as esperanças; Lobo do Norte quer embalar na competição após vencer o Vasco na última rodada

Diante do Paysandu, Joinville aposta últimas fichas para se manter na Série B
Foto: Divulgação/Joinville EC
Joinville
Paysandu
Joinville: Jhonatan; Reginaldo, Rafael Donato, Ligger e Fernandinho; Naldo, Tinga, Erick Luís, Claudinho e Carlos Alberto; Jael. Técnico: Ramon Menezes.
Paysandu: Emerson; Edson Ratinho, Gualberto, Domingues e Lucas; Augusto Recife, Rodrigo Andrade, Jhonnatan e Tiago Luís; Jobinho e Leandro Cearense. Técnico: Dado Cavalcanti.
ÁRBITRO: Flávio Rodrigues de Souza (SP). Assistentes: Herman Brumel Vani e Anderson de Moraes Coelho (SP).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 31ª rodada do campeonato brasileiro da série B 2016, a ser disputada na Arena Joinville, em Joinville (SC).

Treze pontos separam Joinville e Paysandu na tabela da série B, uma diferença considerável entre duas equipes que sempre entram em uma competição visando a parte de cima, mas nessa 31ª rodada do Brasileirão, nenhum dos dois vai a campo visando nada mais que buscar a simples permanência na competição. A tarefa mais simples é do clube paraense, que está perto de garantir sua manutenção, mas para o tricolor catarinense a missão é nada fácil, o coelho precisa fazer em nove jogos o que não fez até agora na Série B, que é jogar um bom futebol.

Após um mês fora dos gramados devido a uma lesão, meia Carlos Alberto vai para guerra

Para o Tricolor catarinense, a situação é bem delicada, e a seis pontos de distância do primeiro time fora da zona de rebixamento, a palavra "vitória" nunca foi tão necessária no ambiente jequeano. Após a derrota contra o Ceará na última terça-feira (04), o grupo voltou aos trabalhos logo no dia seguinte, e apesar do elenco ser limitado, o Joinville busca forças para conseguir as vitórias e tentar sair desse cenário horrendo que vive hoje. O técnico Ramon não fez mistério para definir os 11 titulares para o jogo frente ao papão, e contando com o retorno do meia Carlos Alberto, o JEC está pronto para o duelo.

Retornando para o time titular, Carlos Alberto falou sobre seu retorno aos gramados após a lesão que o tirou por um bom tempo de ação; otimista, o meia disse o seguinte: "A expectativa para poder voltar a atuar é boa demais. Estou muito feliz, pois meu principal objetivo é ajudar o Joinville dentro de campo e agora posso novamente ser útil ao clube". Falando sobre o tempo que ficou fora, o camisa 10 destacou o quão ruim é estar fora de combate: "É uma sensação horrível, pois queremos sempre ajudar de alguma maneira, mas lesionado você não pode fazer nada... Não desejo para ninguém".

Fora de combate, Gilvan fala sobre o adversário e a situação do Papão na Segundona 

 

Apesar de não ir para a batalha, o zagueiro Gilvan pregou muito respeito ao Joinville, que mesmo estando mal na tabela, requer seus cuidados: "Tenho certeza que quem for para Santa Catarina irá com a cabeça boa, com os pés no chão e, se Deus quiser, conquistaremos um bom resultado diante do Joinville, que é uma grande equipe". Falando agora sobre a sequência na competição, o defensor bicolor disse que nada foi alcançado ainda, apesar de toda a empolgação em relação a grande vitória sobre o Vasco da Gama: "Temos que manter os pés no chão. Ainda não conseguimos nada. Nosso objetivo é primeiro chegar aos 45 pontos", disse o atleta do Paysandu.

O Lobo do Norte busca algo que praticou pouco até agora na competição: boas atuações fora de casa. Apenas duas vezes o bicolor venceu fora de casa (Vasco e Criciúma), partidas completamentes atípicas do que vem sendo apresentando longe de seus domínios. Para a partida, o professor Dado Cavalcanti terá o retorno do lateral-direito Roniery, que cumpriu suspensão na última rodada, mas que deve começar no banco de reservas; em contrapartida, o comandante bicolor não poderá contar com Gilvan, que recebeu o terceiro cartão amarelo na partida contra o Vasco, ou seja, é um Paysandu sem grandes mistérios