Brasil de Pelotas e Náutico encaram frio, mas empatam sem gols em Caxias do Sul

Em jogo sem grandes emoções, gaúchos e pernambucanos pecaram nas finalizações e saem do estádio Centenário com um ponto cada

Brasil de Pelotas e Náutico encaram frio, mas empatam sem gols em Caxias do Sul
(Foto: Jonathan Silva/Grêmio Esportivo Brasil)
Brasil de Pelotas
0 0
Náutico
Brasil de Pelotas: EDUARDO MARTINI; WENDER (WELDINHO, MIN. 72), LEANDRO CAMILO, TECO, MARLON; LEANDRO LEITE, WASHINGTON, DIOGO OLIVEIRA (CLEBSON, MIN. 82); RAMON, MARCOS PARANÁ (NATHAN. MIN. 66), FELIPE GARCIA. TÉCNICO: ROGÉRIO ZIMMERMANN.
Náutico: JULIO CÉSAR; JOAZI, RAFAEL PEREIRA, EDUARDO, HENRIQUE; RODRIGO SOUZA (GUSTAVO HENRIQUE, MIN. 70), GASTÓN FILGUEIRA, RONY (LEO PEREIRA, MIN. 91), CAIQUE VALDIVIA (RENAN OLIVEIRA, MIN. 61); JEFFERSON NEM, TIAGO ADAN. TÉCNICO: ALEXANDRE GALLO.
ÁRBITRO: ALINOR SILVA DA PAIXÃO (MT). CARTÕES AMARELOS: TIAGO ADAN (MIN. 32), EDUARDO (MIN. 56), MARCOS PARANÁ (MIN. 64), GUSTAVO HENRIQUE (MIN. 88).
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA 11º RODADA DO CAMPEONATO BRASILEIRO, REALIZADA NO ESTÁDIO CENTENÁRIO, EM CAXIAS DO SUL/RS.

Em uma noite bastante fria, o futebol de Brasil de Pelotas e Náutico não ajudou a esquentar o clima no estádio Centenário, em Caxias do Sul. As duas equipes empataram em 0 a 0 nesta quinta-feira (21) numa partida que não empolgou o torcedor, pela décima primeira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016. O duelo foi marcado pelo equilíbrio, com uma ligeira vantagem da equipe pernambucana, mas sem muitas chances reais de gol.

Com o resultado, o Xavante continua na décima posição, mas agora com 16 pontos ganhos, perdendo para o Londrina no saldo de gols. Já o Timbu caiu duas posições e saiu do G-4, ocupando agora a sexta colocação na tabela. Os rubro-negros retornam na próxima rodada ao Centenário para duelar contra o Bahia, enquanto os alvirrubros agora enfrentam uma longa viagem e vão ao estádio Castelão enfrentar o Ceará no próximo sábado (25) às 16h30.

Muito equilíbrio, mas sem alteração do placar

A primeira etapa foi marcada pelo equilíbrio, inclusive nas oportunidades claras de gol. Em alguns momentos o Xavante pressionava mais, em outros o Timbu chegava com mais facilidade. Nos primeiros minutos foi a vez do Rubro-Negro, que chegou com grande perigo pela primeira vez aos 5 minutos numa cobrança de escanteio que sobrou para Diogo Oliveira. O meio-campista conseguiu chutar forte de primeira, mas a bola passou rente à trave alvirrubra.

Após o susto, foi a vez do time pernambucano começar a gostar do jogo. A primeira boa chance que o Náutico teve na partida foi aos 9 minutos, numa saída errada de bola do goleiro xavante Eduardo Martini. A redonda sobrou para Rony, que tentou encobrir o arqueiro, mas mandou para fora. O Alvirrubro ainda tentou chegar outras vezes ao ataque sem sucesso, até que aos 16 minutos levou um novo susto através de Marcos Paraná que chutou de longe e a bola assustou o goleiro Julio Cesar.

Aos 21 minutos, veio o lance polêmico da etapa inicial. O Brasil, num momento em que estava melhor postado em campo, conseguiu chegar ao gol numa jogada rápida que sobrou para Felipe Garcia finalizar. O assistente assinalou impedimento do centroavante e foi bastante contestado pelos atletas e pela torcida xavante. Foi a melhor chance da equipe gaúcha durante todo o primeiro tempo.

Dois minutos depois foi a vez do Náutico revidar e ter sua melhor chance nos primeiros 45 minutos. Julio Cesar mandou a bola para o campo adversário, Wender tentou afastar mas a bola sobrou para Rony, cara a cara com Eduardo Martini, porém o alvirrubro tentou fazer bonito por cobertura e chutou fraco. O goleiro xavante conseguiu fazer boa defesa. Era mais um bom momento timbu na partida, que ainda tentou chegar por mais três vezes nos minutos seguintes, porém sem perigo.

Nos minutos finais da primeira etapa o Brasil tentava chegar ao gol alvirrubro sem muito sucesso até que aos 40 minutos veio mais um susto. Num contra-ataque a bola sobrou para Rony pelo lado direito. Na segunda tentativa de passe ele lançou Jefferson Nem pelo meio, e o atacante bateu forte no canto esquerdo de Martini que conseguiu segurar firme. Mais uma oportunidade perdida pelo Timbu, que levou o troco aos 43 através de Marlon numa cobrança de escanteio. O lateral cruzou e a bola foi em direção ao gol. Por sorte Julio Cesar estava atento e evitou que o placar saísse do zero.

Mais equilíbrio, mais tentativas, nenhum gol

O segundo tempo começou na mesma pegada do equilíbrio. Ambas as equipes tentavam criar chances, porém sem muita objetividade até que aos 10 minutos, numa bobeira da defesa alvirrubra, Felipe Garcia recebe um lançamento pelo meio e tenta invadir a grande área, mas Julio Cesar conseguiu tirar de carrinho, evitando o que seria o gol certo do Xavante.

Com a entrada do meia Renan Oliveira no lugar do improdutivo Caique Valdivia, o Náutico passou a ser mais ofensivo e aos 21 minutos por pouco não abre o placar. Joazi cruzou pelo lado direito, Tiago Adan conseguiu se antecipar à marcação e cabeceou, porém não foi feliz na finalização e a bola saiu pela linha de fundo. Outra boa chance foi aos 26, quando Rafael Pereira lançou Jefferson Nem que bateu cruzado e quase marcou.

Os minutos foram passando e a bola teimava em não entrar. Aos 36 minutos Renan Oliveira pegou a sobra na intermediária rubro-negra, foi com a bola até a entrada da área e chutou forte, assustando Martini que apenas viu a pelota passar por cima do travessão. Já aos 41 foi a vez do Brasil assustar numa jogada de Marlon pelo lado esquerdo. A bola sobrou para Ramon, mas o atacante dominou mal e Julio Cesar conseguiu afastar o perigo, decretando o empate sem gols como placar final.