Executivos analisam principais detalhes e Náutico se aproxima de retorno aos Aflitos

Dois meses após a primeira reunião, profissionais avaliam gramado e irrigação dos Aflitos e reforma está saindo do papel

Executivos analisam principais detalhes e Náutico se aproxima de retorno aos Aflitos
Desde 2013 o Timbu manda seus jogos na Arena de Pernambuco, inicialmente com um contrato de 30 anos, deixando os Aflitos se desgastar com o desuso (Foto: Divulgação/Náutico)

No fim de maio, o Náutico deu o que seria o primeiro passo na volta aos Aflitos. Em reunião, o Executivo e o Conselho Deliberativo discutiram sobre algumas premissas para viabilizar a reforma do estádio. Segundo o presidente do Conselho, Gustavo Ventura, o valor mínimo para uma reforma, seria de R$ 2,4 milhões, ou de R$ 6 milhões a R$ 8 milhões para deixar o estádio completamente novo.

Já na sexta-feira, 10 de junho, o secretário de Turismo, Esportes e Lazer, Felipe Carreras, e o procurador-geral do Estado, César Caúla, afirmaram em entrevista que o contrato entre o Náutico e a Arena Pernambuco não teria mais validade, possibilitando a volta do Timbu aos Aflitos. Desde então, a equipe manda seus jogos na Arena, sob a administração do Estado – com exceção da partida contra o Bragantino, que não houve acordo e o Santa Cruz cedeu o Estádio do Arruda para o evento.

Desejo de grande parte dos torcedores, que pedem a volta ao Eládio de Barros Carvalho, a atual gestão afirmou que o retorno aos Aflitos seria uma prioridade, e lançou várias campanhas na internet para saber a opinião dos Alvirrubros. No aplicativo oficial do Náutico, é possível participar de uma enquete para escolher uma hashtag para ser utilizada nesse retorno.

Na noite da última segunda-feira (25), os presidentes do Executivo (em exercício), Ivan Brondi, e do Conselho, Gustavo ventura, se reuniram com representantes dos dois poderes para tratarem dos trabalhos para o retorno ao estádio. Segundo nota divulgada pelo clube, no encontro, ficou decidido a criação da comissão paritária Volta aos Aflitos, entre o CD e o Executivo, para tratar de assuntos estratégicos.

Em nota, o Náutico explicou o que seria a Comissão. “A comissão Volta aos Aflitos será responsável pela captação de recursos, a continuidade dos estudos e projetos de engenharia e arquitetura, assessoria jurídica, marketing, ações comerciais, representação junto aos sócios e relações institucionais.”

A reunião tratou sobre as medidas de segurança e conforto, estatuto do torcedor, instalações elétricas, estrutura de concreto armado, acessos, drenagem, substituição do gramado, irrigação automática, iluminação e outros fatores imprescindíveis.

“O primeiro orçamento para a recuperação da estrutura de concreto armado da marquise sobre as cadeiras e arquibancadas, vigas, pilares, lajes, entre outros elementos, está no valor de R$ 845.666,80. Além disso, também foi mostrado o orçamento para a reforma do gramado, sem drenagem e sem irrigação, no valor de R$ 430 mil, utilizando a mesma grama dos campos do Centro de Treinamento Wilson Campos e da Arena de Pernambuco”, divulgou a assessoria do Clube.

Na tarde desta quarta-feira, agrônomos e fornecedores de grama visitaram o estádio e fizeram uma avaliação. Segundo os profisisonais, o gramado não está em condição de uso e deverá ser trocado por um semelhante ao utilizado nas Arenas construídas para a Copa do Mundo, que é o mesmo do CT Wilson Campos. Também foram identificados sinais evidentes de falhas no sistema de drenagem, que precisam ser corrigidos. Será enviado um orçamento para ser analisado pelo Executivo, que desde o início do ano vem trabalhando na recupeação da sede do clube.