Ainda lutando pelo acesso, Náutico recebe Goiás na Arena de Pernambuco

Para o Timbu, que ocupa a quinta posição, vitória é essencial para não perder o contato com os adversários diretos na tabela

Ainda lutando pelo acesso, Náutico recebe Goiás na Arena de Pernambuco
Foto: Divulgação/Goiás Esporte Clube
Náutico
Goiás
Náutico: Julio César; Joazi, Rafael Pereira, Igor Rabello, Gastón Filgueira; João Ananias, Rodrigo Souza, Marco Antônio, Vinícius; Rony, Bergson. Técnico: Givanildo Oliveira
Goiás: Márcio; Sueliton, Felipe Macedo, David Duarte, Juninho; Adriano, Patrick, Léo Sena; Rossi, Walter, Léo Gamalho. Técnico: Gilson Kleina
ÁRBITRO: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA). Assistentes: Marcio Gleidson Correia Dias (PA), Helcio Araujo Neves (PA).
INCIDENCIAS: Partida válida pela 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, a ser realizada na Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata/PE.

Tentando se recuperar do revés diante do CRB que lhe custou a saída do G-4 da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, o Náutico tem mais uma decisão pela frente na luta pelo acesso. O adversário da noite desta terça-feira (8) será o Goiás, num embate que será realizado às 20h30 (horário local) na Arena de Pernambuco. Para o Alviverde goiano as pretensões são bem mais modestas, já que não possui chances matemáticas de acesso ou de rebaixamento.

Para o confronto contra o time esmeraldino, o Timbu contará com força máxima. O lateral-esquerdo Gastón Filgueira, o volante Rodrigo Souza e o atacante Bergson, que não atuaram em Maceió, voltam ao time e deverão entrar em campo. A tendência é que o técnico Givanildo Oliveira repita o time titular que venceu o Atlético Goianiense na Arena de Pernambuco pela 33ª rodada.

Já pelo lado goiano a situação é um pouco mais complicada. Em relação ao time que foi derrotado pelo Atlético Goianiense no último sábado (5), o técnico Gilson Kleina será obrigado a efetuar pelo menos três mudanças. O zagueiro Wesley Matos cumprirá suspensão pelo terceiro cartão amarelo, enquanto o lateral-direito Ednei e o volante David foram vetados pelo Departamento Médico. Além deles, também não viajaram o meia Léo Lima, expulso no clássico, e o atacante Marcão, também lesionado.

Náutico confia no “fator casa” para continuar vivo

Com 54 pontos conquistados até agora, o Náutico está a dois pontos do quarto colocado – o Bahia possui 56 pontos – e a quatro do terceiro colocado, o Avaí que possui 58 pontos. O objetivo do clube da Rosa e Silva é superar estes dois adversários diretos na tabela de classificação, e para isso espera contar com o mando de campo e com o apoio da torcida que tem feito a diferença nos últimos jogos realizados na Arena de Pernambuco.

Para Givanildo Oliveira, treinador alvirrubro, um resultado adverso contra o Esmeraldino significaria quase o fim das pretensões de acesso, pois pelos seus cálculos são necessárias quatro vitórias nos últimos quatro jogos do certame. Mas o comandante timbu confia na capacidade de seu elenco, e lembra que o time já conseguiu uma sequência de vitórias ainda maior.

Antes, fazíamos as contas do acesso com mais três vitórias. Porém, nossos adversários na luta pela classificação estão vencendo os seus jogos. Ou seja, temos que focar nas quatro vitórias. Se já conseguimos seis seguidas, temos sim condições de conseguir uma nova sequência. Sei que não será fácil, ainda mais em um momento de afunilamento da competição. No entanto, temos um grupo forte e que vai sempre buscar o melhor dentro de campo”, analisou Givanildo.

Sem pretensões no campeonato, a meta é ultrapassar o rival

O Goiás conseguiu apenas 44 pontos na Série B 2016 e ocupa a décima terceira posição na competição. Faltando quatro rodadas, não pode mais ocupar o G-4 nem a zona do rebaixamento. Mas no clube esmeraldino não existe o pensamento de “cumprimento de tabela”, e o elenco viajou para Recife na esperança de conquistar pontos contra o Náutico.

Segundo o atacante Walter, a principal meta para as quatro últimas rodadas é somar o máximo possível de pontos e ultrapassar o rival Vila Nova na tabela, a pedido do presidente do clube, Sérgio Rassi. O Vila ocupa a décima segunda posição, com 46 pontos conquistados. O centroavante chegou a se dizer envergonhado pela derrota contra outro rival, o Atlético Goianiense.

Estou muito triste. Vim para cá para tentar dar meu melhor e subir o Goiás. Com todo respeito, mas senti vergonha pelo resultado do clássico. Sou torcedor do Goiás, nem dormi após o jogo. Temos quatro jogos para fazer o que o presidente pediu, que é ficar à frente do Vila Nova. Ninguém quer ficar atrás de um rival. Não dá mais para buscar o Atlético-GO, mas temos de ficar à frente do Vila. E vamos fazer de tudo para isso”, afirmou o atacante.