Cuca lamenta derrota e explica time alternativo: "Tenho confiança no elenco todo"

O Palmeiras sofre mais uma derrota em casa e acaba pressionado para jogo decisivo pela Libertadores

Cuca lamenta derrota e explica time alternativo: "Tenho confiança no elenco todo"
Cuca comandando o time no Allianz Parque (Foto: Divulgação/SE Palmeiras)

No último domingo (6), o Palmeiras recebeu o Atlético Paranaense em sua casa, o Allianz Parque, e foi derrotado pelo placar de 1 a 0.
As 29 mil pessoas presentes no estádio viram o ex-jogador do clube, Thiago Heleno, marcar o único gol para a equipe visitante.

Em entrevista coletiva após o jogo, o técnico Cuca comentou a atuação de sua equipe no jogo, onde teve muitas finalizações, mas sem conseguir marcar um gol. Cuca falou também sobre o fato de ter colocado o time considerado reserva: "Não fizemos bom primeiro tempo, tomamos gol de bola parada, coisa que geralmente não acontece, e no segundo tempo dominamos totalmente, chutamos 20 bolas a gol, e ela não entrou. Se entra uma, fatalmente a chance de entrar a segunda seria muito grande. Tentamos, dentro das possibilidades, mudar a equipe em termos de peças e tática no segundo tempo, e acho que melhorou bastante, mas não foi suficiente."

"A responsabilidade de colocar uma equipe alternativa é do treinador. Automaticamente, o resultado não vindo, não tem que ter outro responsável. Tenho confiança no elenco todo, mesmo com os titulares não haveria certeza de vitória. O que fizemos foi dar aos titulares a condição de estar 100% na quarta-feira", comentou o técnico.

O comandante alviverde falou sobre a situação de seu camisa 9, Borja, que foi muito criticado pela torcida no final do jogo: "Quanto ao Borja, entendo que a torcida quer vencer, de repente pegou um pouco a mais nele, mas ele não é o culpado pela derrota. Todos têm uma parcela. Ele tem uma parcela pequena, assim como os outros, e eu tenho a maior titulares a condição de estar 100% na quarta-feira".

Cuca advertiu as críticas individuais e  dividiu a responsabilidade com todo elenco: "Não tem um culpado. Nós falhamos no gol que tomamos, não é o Borja, sou eu, que treinei, treinei, treinei e acabei tomando o gol. Amanhã ou depois ele joga com mais naturalidade, é jovem, tem 24 anos, e quem sabe possa fazer um, dois gols e pegar a moral de volta. A gente sente que é isso que ele precisa."

Um dos pontos altos do jogo, pelo lado palmeirense, foi a volta após 5 meses do meio campista e camisa 10 do time, Moisés. Cuca falou sobre a atuação do meia e sobre as chances de ele jogar no próximo jogo: "Moisés não tem condição de tempo inteiro. Hoje queria utilizar meia hora e acabei passando um pouquinho. Agora ele tem que recuperar bem para ter condição de nos ajudar na quarta-feira mais um tanto".

"O Moisés entrou naquele estilo Moisés, de chamar o jogo, com inteligência. O Tchê Tchê melhorou muito, o próprio Fabiano subiu também. Tivemos muitos lances de a bola passar ali para alguém pôr para dentro, e infelizmente não aconteceu. O Atlético teve uma chance no segundo tempo, com o Guilherme, e no mais se defendeu muito bem. Dentro desse bloqueio muito bem feito não conseguimos ultrapassar", analisou o técnico do Palmeiras.

Cuca projetou a decisão pela Libertadores no próximo dia 9  e pediu para os atletas entrega máxima"Na realidade, se você ganha hoje, sai daqui e fica com um retrospecto muito bom de vitórias seguidas. Não aconteceu. O que foi falado na reunião para os jogadores? Que esse pessoal que perdeu hoje foi o pelotão de frente, que saiu em defesa dos que vão jogar na quarta. E tem que valer a pena. Não adianta dizer que é jogo da vida, a final, porque depois do dia 9 vai vir o dia 10, ganhando, perdendo ou empatando. O que a gente quer, deles e de mim, é que deem o melhor.

Nós temos jogado muito bem em casa. Vamos tirar o jogo de hoje, em que tivemos equipe alternativa. Quarta é um jogo diferente, porque você tem que fazer dois gols e não pode tomar. Tem que entender que um jogo você ganha no começo, no meio, no fim, às vezes lá no finalzinho, então tem que ter equilíbrio. Amanhã tenho dois treinos com o pessoal que não jogou hoje, para eles poderem entender melhor o adversário. Vamos ver na quarta-feira se valeu a pena".

O treinador ainda elogiou a equipe do Barcelona e declarou que não espera uma retranca por parte do adversário: "Engana-se quem pensa que o Barcelona vai vir só defender. O Atlético também não veio. Ele passou a defender quando o Palmeiras o empurrou para trás, defendeu o resultado que tinha. O Barcelona, pelo que a gente viu, vai vir jogar, vai buscar o gol que é qualificado. Temos que ter alternativas, e estamos testando o segundo atacante dentro dos jogos, com Deyverson e Borja", finalizou.

O Palmeiras volta aos gramados na próxima quarta-feira (9), às 21h45, pela Conmebol Bridgestone Libertadores, onde enfrenta o Barcelona de Guayaquil em seus domínios, tentando reverter uma derrota de 1 a 0 sofrida no Equador.