Com golaço de Egídio, Palmeiras vence Fluminense no Maracanã e se mantém no G-4

O contestado Egídio faz golaço em partida pouco emocionante dos dois times no Rio de Janeiro

Com golaço de Egídio, Palmeiras vence Fluminense no Maracanã e se mantém no G-4
(Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Fluminense
0 1
Palmeiras
Fluminense: Júlio Cesar, Lucas, Nogueira, Frazan, Léo, Orejuela (Marlon Freitas 20/2°T), Wendel, Douglas (Sornoza 32/2°T), Gustavo Scarpa, Robinho (Wellington Silva 20/2°T), Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga
Palmeiras: Fernando Prass, Mayke, Edu Dracena, Juninho, Egídio, Jean (Thiago Santos 26/2°T), Tchê Tchê, Moisés, Dudu, Deyverson (Róger Guedes 26/2° T), Willian (Borja 41/2° T). Técnico: Cuca
Placar: 0-1, 41/1° T, Egídio
ÁRBITRO: Árbitro: Anderson Daronco. Advertidos: Lucas e Nogueira (FLU), Edu Dracena e Egídio (PAL)
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, Maracanã, Rio de Janeiro

O Palmeiras chegou ao seu quarto resultado positivo consecutivo no Campeonato Brasileiro neste domingo (24) jogando fora de casa, contra o Fluminense no Maracanã. Em partida pouco inspirada dos dois times, o lateral Egídio, fortemente criticado pela torcida, principalmente em jogos decisivos, acertou um belo chute de fora da área e comemorou um belo gol, o único do jogo.

Com o resultado, o Palmeiras se mantém na 4ª colocação com 43 pontos, ainda 11 distante do líder. O Fluminense, por outro lado, continua na 12ª posição com 31 pontos. Na próxima rodada, o time alviverde enfrenta o Santos, no Allianz Parque, enquanto o time carioca vai a Arena do Grêmio enfrentar o tricolor gaúcho. 

Primeiro tempo equilibrado e pouco movimentado

A disputa entre os dois times no primeiro tempo foi abaixo da esperada, com os dois times estudando os atos do adversário. O Verdão era mais agressivo, trocava passes no campo para forçar o avanço dos meias e dos atacantes, enquanto o Fluminense tinha que abusar de toques rápidos na bola pra se livrar da marcação alta que o time paulista impunha e para tentar desorganizá-lo.

O Palmeiras forçava a movimentação de Deyverson para que o mesmo ganhasse no alto dos zagueiros e favorecesse a continuidade do lance com Dudu ou Willian. O tricolor carioca, ao mesmo tempo, lançava bolas longas a Henrique Dourado, que muitas vezes não conseguia boa movimentação ou bons passes para seus companheiros finalizarem, já que eram muito apertados pela marcação do adversário. Dessa maneira, o jogo do time de Abel Braga não fluía. 

Aos oito minutos o Alviverde deu seu primeiro susto no Fluminense: Dudu achou Willian sozinho no ataque, mas o mesmo ao tentar drible perdeu a bola. A resposta veio aos 17 minutos, após um primeiro desvio, o lateral Léo ganhou de Deyverson e cabeceou. A bola passou por cima do gol defendido por Prass o assustando. O time paulista ainda reclama de um pênalti não marcado sete minutos depois, quando Léo chegou atrasado e chutou a coxa do Dudu dentro da área. Daronco, entretanto, nada marcou. 

Na metade do primeiro tempo, o Verdão já tinha um grande volume ofensivo de jogo, conseguia realizar triangulações, lançamentos longos e passes curtos, mas pecava muito nas finalizações ou em passes para finalizações, principalmente quando dentro da grande área. O cenário de jogo mudou com o chute de fora da área de Egídio, aos 41 minutos. Logo após tomar cartão amarelo, em boa chegada do ataque palmeirense, o jogador ficou com o rebote, arriscou de longe e acertou o ângulo do gol de Júlio Cesar.

A resposta veio ainda no primeiro tempo e três minutos após o tento palmeirense, com toque de cabeça de Henrique Dourado, que encontrou Douglas livre na grande área. Prass teve que sair do gol e fez boa defesa para ir pro intervalo com vitória parcial. O Fluminense, apesar de levar perigo à meta defendida por Prass, não teve boa pontaria e não assustou tanto.

Segundo tempo mais movimentado e Palmeiras errando muitas finalizações

Os 45 minutos finais do jogo começaram sem nenhuma alteração feita no intervalo pelos treinadores. Entretanto, mesmo sem  mudança real, o time de Abel Braga era outro em campo, já que precisava correr atrás do placar. O mandante da partida começou o forçando o jogo, ficando no ataque. O Palmeiras, por sua vez, trocava passes e tentava diminuir o ritmo de jogo do rival carioca.

Ao mesmo tempo que o Fluminense atacava mais, também deixava a defesa mais exposta no começo, favorecendo os contra-ataques do rival paulista. Foi o que aconteceu aos oito minutos, quando Willian avançou pela direita e passou para Moisés, que bateu cruzado, viu a bola bater na trave e voltar nas mãos de Júlio Cesar. A melhor jogada do Fluminense na partida toda ocorreu aos 17 minutos, quando Wendel recebeu na esquerda após boa troca de passes do Flu e bateu forte, para uma bela defesa de Fernando Prass. 

Percebendo a dificuldade dos seus comandados, Abel Braga fez alterações aos 20 minutos: Saiu o meia Orejuela pra entrada de outro meia, Marlon Freitas e saiu o meia Robinho para a entrada do atacante Wellington Silva, para ajudar Henrique Dourado. Cuca realizou suas mudanças de resposta cinco minutos depois: Saiu Jean para a entrada de Thiago Santos, dando segurança para o meio campo e Róger Guedes entrou no lugar de DeyversonDessa maneira, o comandante alviverde deixava Willian mais centralizado e Roger Guedes assumiria o lado direito do ataque, favorecendo o contra-ataque e abrindo mão de posse de bola.

O Palmeiras fechava os espaços do adversário na defesa e forçava o lançamento de bolas aéreas do Fluminense. Aos 32 minutos, Douglas sai para a entrada de Sonoza, uma tentativa de maior movimentação do meio campo do tricolor carioca, mas que não surtiu efeito. Enquanto isso, o Palmeiras não criava, mas também não sofria apertos. Mas, ao final do jogo o time passou a abusar dos contragolpes: Aos 38 minutos, Juninho apareceu como surpresa no ataque após receber ótimo lançamento, mas errou as duas finalizações. Um minuto depois, Mayke recebeu lindo passe de calcanhar de Róger Guedes, driblou Wellington Silva já na grande área, mas errou o passe pra finalização.

Aos 41 minutos, Cuca promove a última alteração, colocando Borja no lugar de Willian. O colombiano pouco pode fazer em campo, mas completou a marcação e tentava dar combate na saída de jogo do adversário. Com quatro minutos de acréscimo, os times trocaram passes e o Fluminense tentou a pressão final, mas não teve nenhuma chance clara de gol nos últimos instantes da partida. Com o apito final de Daronco, o time carioca teve o quarto jogo consecutivo sem vitória  no Campeonato Brasileiro.