Apresentados no Palmeiras, Emerson Santos e Weverton pregam disputa por titularidade

O goleiro medalhista olímpico e o jovem zagueiro chegam para duas posições muito concorridas dentro do elenco

Apresentados no Palmeiras, Emerson Santos e Weverton pregam disputa por titularidade
Weverton e Emerson Santos juntos em apresentação (Foto: SE Palmeiras/divulgação)

Na última quinta-feira (4), o Palmeiras apresentou mais dois reforços para a temporada 2018. São eles o goleiro Weverton e o zagueiro Emerson Santos.
Weverton foi contratado do Atlético Paranaense para esta temporada, com a justificativa de que existe um risco físico dos dois goleiros do clube, Prass e Jaílson, que tiveram lesões na temporada passada.

Já Emerson Santos vêm do Botafogo. Com 22 anos, o zagueiro chega como uma aposta do clube, que tenta manter o ciclo de jogadores jovens em todas as posições.

Campeão olímpico e São Marcos como ídolo: o novo camisa 21 do Palmeiras

Weverton chega ao clube depois de uma temporada contestada no Atlético Paranaense. O goleiro de 30 anos teve jogos oscilantes, chegando até ao ponto de ser vaiado pelos torcedores do furacão.

Chegando ao clube que já conta com Fernando Prass e Jailson, ambos campeões e que contam com o carinho da torcida, Weverton pregou respeito e que irá disputar posição com os dois goleiros: 

Feliz com a oportunidade de estar vestindo a camisa do Palmeiras, sei bem o que vou encontrar, o que estou esperando. Todos sabem da importância que o Prass tem pro grupo, pro clube e por sua historia. Acho que o Prass é importante sim, como o Jailson é e todos os que estão aqui são. E quem ganha com isso é o Palmeiras, com grandes goleiro, como sempre foi em sua história”.

"Sempre bom poder trabalhar com jogadores de alto nível e o Prass é um desses, um cara sensacional, um líder, um cara positivo pro grupo. E pra mim, é sempre um prazer trabalhar com pessoas desse nível”, disse o goleiro.

O goleiro nascido no Acre falou sobre Seleção Brasileira em sua apresentação, até por ele ser medalhista olímpico pelo Brasil, sendo fundamental na grande final, onde pegou um pênalti contra a Alemanha:

"Lógico que jogador de futebol sempre sonha em seleção e copa do mundo. Pra isso eu preciso jogar, trabalhar e lutar dia após dia, pra procurar meu espaço. Lembrando que os goleiros daqui vêm em bons momentos. Mas tenho que procurar meu espaço. Ninguém chega a um clube pensando em receber e ficar sentando".

"Acho que seleção vai estar sempre nos meus planos, preciso trabalhar pra jogar pois pensar em seleção só jogando. O ponto agora é trabalhar, pra mostrar pro Roger que posso jogar e depois pensar em seleção", disse o camisa 21.

A escolha da camisa número 21 se passa por uma idolatria do jogador. São Marcos é um espelho para Weverton, que agora terá a chance de defender as mesmas cores que seu ídolo: "Realmente o 12 é um número que eu gosto bastante. Nada mais justo aqui ela ser aposentada pra goleiro. Eu escolhi o número por ser parecida com 12 e feliz por poder fazer história com o numero 21, que é o 12 invertido".
 

"O que mais me chamava à atenção no marcos era a simplicidade dele dentro do campo, na hora que precisava ele tava ali, não era de fazer firula. Isso me fazia o admirar como pessoa e como goleiro. Hoje estar aqui e passar nos corredores do clube e ver o que ele fez me motiva. Acho que a gente tem uma oportunidade de fazer história, não como a deles, mas tentar ter sua foto carimbada lá", disse o goleiro, sobre o número de sua camisa e sobre Marcos.

Weverton disse que o que o motivou a fechar com o Palmeiras foram os objetivos do clube: "O que motivou foram os objetivos do clube. Que bom que o clube tem uma boa condição financeira e está se rodeando de bons jogadores. Mas isso não é o fator decisivo, a principal motivação são só principais objetivos do clube, que sejam iguais aos meus".

Tímido e discreto,Emerson Santos chega para manter a juventude na defesa

O zagueiro carioca que estava no Botafogo tinha, com o Palmeiras, um pré-contrato desde agosto de 2017. Por conta disso, ele deixou de jogar por seu antigo clube. Emerson comentou essa situação e como se preparou para chegar ao Palmeiras e falou sobre seu antigo clube: “Durante esse período que fiquei parado eu treinava, me empenhava bastante, até porque já tinha assinado um pré-contrato em agosto. Sei do meu potencial, respeito todos, mas vou procurar fazer meu trabalho da melhor maneira”.

"Primeiramente eu agradeço muito ao Botafogo, tive muitos momentos maravilhosos lá e se não fosse pelo clube eu não estaria aqui. Vai ter uma disputa sadia e quem ganha é o Palmeiras. Vai caber ao professor Roger colocar quem estiver melhor", disse o zagueiro.

Emerson falou sobre como foi recebido no Palmeiras e um dos motivos pelos quais ele decidiu fechar com o Verdão: "Primeiramente eu queria agradecer. Desde o primeiro momento que eu cheguei aqui eu fui bem recebido pela torcida. Dentro do campo eu vou dar meu melhor sempre, empenho não vai faltar da minha parte, sempre vou buscar o meu melhor. A gente vai em busca sempre de muitos títulos".

"No momento em que eu joguei no estádio, eu vi a torcida, que me impressionou muito, pela forma de empurrar o time, pela forma de colocar o time pra frente. esse fator me chamou muito a atenção. quando o Palmeiras fez a proposta pra mim eu não pensei nem duas vezes. acho que esse foi o fator que mais pesou pra mim vi pra cá”, completou o jogador.

Emerson falou também sobre uma procura que existiu por parte do Corinthians, antes de ele fechar com o Palmeiras: "O Mattos já tinha procurado até antes de ter uma proposta do Corinthians. Naquele momento meus representantes estavam com ele e foi importante na tomada de decisão pra eu vir pra cá".