Paraná e Náutico medem forças por maior regularidade na Série B

Ocupando o meio da tabela, tricolor e alvirrubro se enfrentam com objetivos distintos, mas tentando melhor momento

Paraná e Náutico medem forças por maior regularidade na Série B
Foto: Léo Lemos/Náutico
Paraná
Náutico
Paraná: Marcos; Lucas Taylor, Leandro Silva, Alisson e Henrique; Anderson Uchôa, Lucas Otávio, Nadson, Diego Tavares e Guilherme Queiroz; Fernando Karanga. Técnico: Marcelo Martelotte
Náutico: Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Adalberto e Gastón Filgueira; João Ananias, Rodrigo Souza (Renan Oliveira), Marco Antônio e Vinícius; Bérgson (Yuri Mamute) e Rony. Técnico: Givanildo Oliveira
ÁRBITRO: Cláudio Francisco Lima e Silva (SE)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 27ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, a ser realizada no Durival Britto, em Curitiba, no Paraná

A inconsistência na Série B do Campeonato Brasileiro 2016 é marca registrada de alguns times. Dois deles são Paraná Náutico, que vão se enfrentar na tarde deste sábado (24), às 16h20, pela 27ª rodada. As equipes tentam maior estabilidade, ainda que venham de sequências e se encontrem em fases distintas, em uma partida a ser disputada no Durival Britto, em Curitiba.

No último fim de semana, o Tricolor duelou ante o vice-líder Atlético-GO buscando surpreender e se afastar mais da degola. Fora de casa, o time paranaense acabou sucumbindo e foi derrotado por 2 a 0, com o adversário seguindo perto do Vasco, enquanto que a derrota deixou a Gralha na 14ª posição, somando 33 pontos.

Já o Timbu vive melhor momento, pois não é superado há três jogos e sob o comando de Givanildo Oliveira. No sábado (17) passado, contra o Paysandu, os alvirrubros foram superiores durante os 90 minutos e levaram a melhor ao vencer por 3 a 1, com gols marcados pelo meia-atacante Vinícius, ficando na 11ª colocação, com 36 pontos ganhos.

Com três mudanças, Paraná busca se afastar da degola

Visando descartar qualquer possibilidade de aproximação da zona de rebaixamento, o Paraná vai a campo com três mexidas em relação ao duelo diante do Atlético-GO, sendo uma delas forçadamente. Marcelo Martelotte, que passou pelo Náutico na Série A 2013, não conta com o zagueiro João Paulo, vetado com dores musculares, sendo substituído por Leandro Silva.

O volante Anderson Uchôa, que não atuou contra o Dragão por estar lesionado, voltando a ficar apto ao treinador tricolor. Outro que volta a ser relacionado na Gralha é o atacante Fernando Karanga, porém por ter cumprido suspensão pelo terceiro amarelo, sendo a principal referência ofensiva.

Mesmo sem poder ter força máxima nessa reta final da Segundona, o técnico reconhece a dificuldade em montar a base. O comandante da equipe paranista, entretanto, diz que busca o máximo de alternativas para tentar colocar as peças disponíveis, exaltando a importância de ter um padrão, apesar de alguns jogadores tendo sido contratados na reta final do período de cadastramento junto à CBF.

"É difícil repetir escalação, logo se trabalha com um grupo qualificado e procura-se alternativas para se ter substitutos e maneiras diferentes de colocar a equipe em campo. O mais importante é ter um padrão, um estilo de jogar e, mesmo os que chegaram mais tarde ao time, terão de entender nosso funcionamento, porém seguimos na tentativa de repetir uma base", afirmou Martelotte.

Givanildo faz mistério e deixa duas dúvidas no Náutico

Motivado pela série invicta no comando do Timbu, Givanildo Oliveira decidiu esconder a equipe que irá a campo. O comandante alvirrubro conta com a volta do volante Rodrigo Souza, suspenso ante o Papão, e que esteve de titular no único coletivo ao longo da semana, porém o meia Renan Oliveira é o concorrente para ocupar o espaço no meio.

Quem também ainda não tem vaga assegurada é o atacante Bérgson, uma vez que não vem de boas atuações e poderá perder o lugar para Yuri Mamute, atuando junto a Rony. O lateral-direito Walber, que foi escolhido para tirar Joazi, segue vetado pelo departamento médico, já Niel segue sem previsão de retorno.

Confiante após a sequência positiva, o treinador dos pernambucanos afirma não se preocupar com os rivais diretos na briga para chegar à elite. Para o técnico, o ponto importante é permanecer em boa fase e pontuando, desprezando os resultados dos adversários e buscando as vitórias sempre que possível.

"Se forem acontecendo os resultados favoráveis, é até melhor, mas não gosto muito disso. Se faltarem cinco rodadas, com cinco ou seis pontos para entrar, aí você vai torcer para os outros. Agora não adianta olhar o adversário se você não ganhar, não adianta nada. Agora, é fazer sua parte e vencer, como foi no último jogo", disse Givanildo