Paysandu 2016: sem Yago Pikachu, Papão quer acesso à Série A

Após ótimo início na temporada 2016, o Papão quer retornar a elite do futebol brasileiro após 11 anos

Paysandu 2016: sem Yago Pikachu, Papão quer acesso à Série A
Foto: VAVEL Brasil

O Paysandu Sport Club está há 11 anos longe da primeira divisão nacional. Nesta temporada, o grande desejo dos torcedores é ver o Papão retornar à elite do futebol brasileiro. Maior campeão paraense, o clube bicolor tentará surpreender os favoritos neste Campeonato Brasileiro Série B.

Em 2005, o Paysandu terminou o Brasileirão Série A na 21ª posição, somando 41 pontos após 42 rodadas. No ano seguinte, o clube era um dos favoritos ao retorno, mas amargou o segundo rebaixamento seguido. Foram seis longos anos de muitas decepções na terceira divisão, até que em 2012 – mesmo após uma sequência de oito jogos sem vitória – conseguiram o acesso à Série B. Em 2013, o Papão foi rebaixado novamente, retornando à segunda divisão em 2015.

A Série B não é novidade para o clube, que disputará a competição pela 15ª vez em sua história. O bicolor sagrou-se campeão da segunda divisão nacional em 1991 e em 2001. Graças a esse título, classificaram-se para a Copa dos Campeões de 2002, onde foram campeões e disputaram a Libertadores de 2003.

Foto: Fernando Torres/Paysandu

O Campeonato Paraense 2016 foi disputado por 10 equipes. O bicolor conquistou o título no sábado (7), vencendo o São Francisco por 2 a 1. Lombardi e Fabinho Alvez marcaram para o Papão.

Primeiro colocado do Grupo A2, o Paysandu teve 100% de aproveitamento na fase de grupos da Taça Cidade de Bélem. Foram quatro jogos e quatro vitórias. Na semifinal, o Papão venceu Águia de Marabá nos pênaltis. Após empate em 0 a 0 no tempo normal, a vitória veio na marca da cal por 4 a 2. O goleiro Emerson foi o grande destaque defendendo duas penalidades.

O bicolor enfrentou seu maior rival na final do primeiro turno. Eduardo Ramos, jogador do Remo, marcou contra e a favor. O empate em 1 a 1 levou a decisão para os pênaltis. O Paysandu levou a melhor (4 a 1) e conquistou a Taça Cidade de Belém, garantindo vaga na grande final do Campeonato Paraense.

Dividindo atenções com a Copa Verde, o clube empatou demais e não se classificou para o mata-mata da Taça Estado do Pará. Desta vez enfrentando equipes do outro grupo, o Papão jogou cinco vezes, empatando quatro e vencendo apenas uma partida. Na final, o São Francisco venceu o Cametá por 3 a 0.

Foto: Fernando Torres/Paysandu

O Paysandu enfrentou o Águia de Marabá nas oitavas de final da Copa Verde, vencendo o jogo de ida por 1 a 0, mas o time adversário foi excluído da competição pela escalação irregular do jogador Léo Rosa. O Fast voltou a competição e encarou o bicolor. Empate em 1 a 1 no primeiro jogo e vitória por 3 a 0 dos paraenses.

Nas quartas de final da Copa Verde, o Papão venceu os dois jogos contra o Rio Branco do Acre, 1 a 0 na ida e 5 a 2 na volta. Mais uma vez, o Remo esteve no caminho do Paysandu. O PSC venceu o primeiro jogo por 2 a 1 e bateu o rival na volta por 4 a 2, com dois gols de Raí.

A equipe dividirá atenções no segundo semestre entre a Série B e a Copa Sul-Americana. O clube conquistou o título da Copa Verde e assegurou vaga na competição continental. No jogo de ida, o Papão venceu o Gama por 2 a 0. Na volta, no Distrito Federal, perdeu para o alviverde por 2 a 1. A derrota não tirou o título, mas encerrou a longa invencibilidade do bicolor.

Pikachu (esq.) foi o destaque da equipe em 2015 (Foto: Fernando Torres/Paysandu)

Série B 2015: Com duas derrotas nas primeiras duas rodadas, o Paysandu começou mal a sua participação na Série B 2015. A vitória veio na terceira rodada, quando bateram o Ceará por 2 a 1. O time venceu cinco partidas seguidas e entrou no G-4 após a sétima rodada. A equipe voltou a perder na 11ª rodada, quando foram derrotados pelo Bahia. Acumulando resultados ruins, o Papão deixou a briga pela liderança e saiu da zona de acesso.

A equipe terminou o primeiro turno da Série B com 30 pontos na sétima posição. O inicio do segundo turno foi bom para o Papão. Em boa fase, o time disputava com outras três equipes no G-4 e sonhava com a liderança. A situação permaneceu até a 29ª rodada, quando o clube começou a tropeçar. A irregularidade na reta final do Brasileirão tirou o time da disputa por vaga na Série A. Na última rodada, o Paysandu empatou em 0 a 0 com o Oeste e encerrou sua participação na sétima posição com 60 pontos.

Foto: Fernando Torres/Paysandu

Dado Cavalcanti está no comando técnico do Paysandu desde fevereiro de 2015. Com 34 anos, Luis Eduardo Barros Cavalcanti conquistou a Taça Cidade de Belém com o Papão neste ano. O primeiro clube de expressão treinado por Dado foi o Santa Cruz, em 2009. O treinador rodou o Brasil até que foi contratado pelo Coritiba em 2014, mas foi demitido em 31 de março daquele ano após eliminação na semifinal do Paranaense. Passou por Ponte Preta, Náutico e Ceará antes de chegar ao Bicolor.

Estádio da Curuzú (Foto: Fernando Torres/Paysandu)

O Paysandu costuma mandar seus jogos em dois estádios: O Estádio Estadual Jornalista Edgar Augusto Proença, conhecido popularmente como Mangueirão, e o Estádio Leônidas Sodré de Castro. O Mangueirão tem capacidade para 45.007 pessoas e recebe os principais jogos do bicolor. O Estádio da Curuzú comporta 16.200 espectadores e é propriedade do clube.