Ponte Preta passeia no Arruda e derrota Santa Cruz com boa atuação do setor ofensivo

Time campineiro vence o escrete pernambucano com facilidade, faz 3 a 0 e deixa o Tricolor em situação ainda mais difícil no Brasileirão

Ponte Preta passeia no Arruda e derrota Santa Cruz com boa atuação do setor ofensivo
Jogadores da Macaca comemoram o primeiro gol da partida. Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil
Santa Cruz
0 3
Ponte Preta
Santa Cruz: TIAGO CARDOSO, LÉO MOURA (MARIO SERGIO, MIN. 45), ALLAN VIEIRA, DANNY MORAIS (BRUNO MORAES, MIN. 71), ROBERTO; UILLIAN CORREIA, JOÃO PAULO, LELÊ (WALLYSON, MIN. 45); ARTHUR, KENO, GRAFITE. TÉCNICO: MILTON MENDES.
Ponte Preta: JOÃO CARLOS, JEFERSON, FÁBIO FERREIRA, KADU (DOUGLAS GROLLI, MIN. 21), REINALDO; JOÃO VITOR (RAVANELLI, MIN. 77), RENÊ JÚNIOR, MATHEUS JESUS; POTTKER, CLAYSON, FELIPE AZEVEDO NINO PARAÍBA, MIN. 71). TÉCNICO: EDUARDO BAPTISTA.
Placar: 0-1, MIN. 21, POTTKER; 0-2, MIN. 38, POTTKER; 0-3, MIN. 60, FELIPE AZEVEDO.
ÁRBITRO: FRANCISCO CARLOS DO NASCIMENTO (AL). CARTÕES AMARELOS: LELÊ, MIN. 41; MÁRIO SÉRGIO, MIN. 49; JEFFERSON, MIN. 62.
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA DÉCIMA SEGUNDA RODADA DO CAMPEONATO BRASILEIRO 2016, DISPUTADA NO ESTÁDIO DO ARRUDA, EM RECIFE-PE. PÚBLICO: 8.517 TORCEDORES. RENDA: R$ 111.320,00.

Algum desavisado que não conhecesse a tabela de classificação e visse a partida entre Santa Cruz e Ponte Preta, realizada na noite desta quinta-feira (30) no estádio do Arruda pensaria que a Macaca era líder do Campeonato Brasileiro 2016 e o Tricolor lanterna. Foi essa a tônica da partida, em que a Ponte jogou como se estivesse no Majestoso e não tomou conhecimento da Cobra Coral. Fez 3 a 0 com muita facilidade, sendo dois gols de Pottker na primeira etapa e um de Felipe Azevedo no segundo tempo.

O resultado afundou o time pernambucano na vice-lanterna da competição com 11 pontos ganhos, enquanto a Macaca chegou aos 17 pontos e agora ocupa a 11ª posição. Agora, o Santa Cruz vai até Juiz de Fora/MG enfrentar o Botafogo no próximo domingo (3) às 16 horas, enquanto a Ponte recebe o São Paulo no Moisés Lucarelli, em Campinas, no mesmo dia e horário.

Pottker desencanta e faz dois gols

O Santa Cruz começou procurando obter maior posse de bola e atingiu a meta nos primeiros minutos. Porém, a primeira jogada perigosa foi da Ponte Preta já aos dois minutos de partida. Em ótima jogada de contra-ataque, Felipe Azevedo foi lançado pelo lado direito, avançou até a entrada da área e chutou cruzado. Levou perigo para Tiago Cardoso, mas a bola acabou indo para fora.

Aos poucos, o Tricolor começou a chegar mais à meta adversária. Aos cinco minutos, em cobrança de escanteio, João Paulo quase faz gol olímpico, mas o goleiro João Carlos fez excelente defesa e colocou a bola para escanteio. No minuto nove, Arthur avançou pela ponta direita e cruzou rasteiro para Grafite, na pequena área, que não conseguiu alcançar a bola. Na sequência do lance, Lelê tocou para João Paulo, que chutou fraquinho e João Carlos defendeu sem dificuldade.

Tudo corria bem para o Tricolor, até que aos 21 minutos um lance rápido mudou completamente a história da partida. João Vitor lançou Pottker em profundidade. O atacante não teve dificuldade para chutar cruzado e abrir o placar para a Macaca. Enquanto o time da Ponte comemorava, a torcida do Santa Cruz ficava irritada com o time, que acabou se desestabilizando com a cobrança e as vaias cada vez mais efusivas.

A partir do primeiro gol, a Ponte tomou conta da partida. Os jogadores alvinegros passaram a chegar com muita facilidade ao gol santacruzense, já que os atletas corais se encontravam completamente perdidos em campo. Tanto que aos 30 minutos por muito pouco não saiu o segundo gol, numa cobrança magistral de falta de Reinaldo, que acabou acertando a trave esquerda de Tiago Cardoso.

Sem poder de reação, o time do Santa pouco criava. Não tinha forças para chegar ao gol pontepretano e errava muitos passes. Num desses erros, Lelê deixou Pottker livre pelo lado esquerdo do campo. Ele passou facilmente por Roberto e tocou na saída de Tiago Cardoso, fazendo o segundo gol da Macaca. A partir daí a torcida perdeu de vez a paciência, vaiando e xingando muito o meiocampista até o final da primeira etapa.

Tricolor tenta, Alvinegro amplia

O segundo tempo começou com a equipe campineira claramente jogando com a proposta de segurar a vitória. Ação facilitada pela falta de ímpeto do time pernambucano, que chegava com pouco perigo ao ataque adversário. Somente aos três minutos de jogo João Paulo conseguiu fazer uma boa jogada pela ponta direita e cruzar para Keno, que na pequena área, dominou mal e bateu para fora do gol.

Precisando fazer três gols para conquistar o resultado positivo, aos poucos o Tricolor começava a chegar com um pouco mais de perigo. Aos 15 minutos, Arthur ganhou disputa aérea com Reinaldo e cabeceou para o gol, mas João Carlos saiu bem e evitou o primeiro tento coral. No minuto seguinte, a sobra de uma cobrança de falta caiu nos pés de Keno. O atacante chutou de fora da área, mas o goleiro da Macaca estava atento no lance e novamente segurou firme a bola.

Aos 21 minutos, a melhor chance tricolor na partida veio através de Grafite. O camisa 23 foi lançado na intermediária, avançou livre até a grande área e chutou. João Carlos cresceu para cima dele e conseguiu defender o que seria o gol certo da Cobra Coral. Três minutos depois veio o castigo numa bobeada da defesa, que deixou Felipe Azevedo completamente sozinho do lado esquerdo da grande área. O centroavante pontepretano não teve nenhum trabalho para escorar com o pé direito e fazer o terceiro gol da Macaca, liquidando a fatura.

Com o terceiro gol, a Ponte passou a encarar a partida como um treino de luxo. Aos 27 minutos Clayson passou como quis pela defesa tricolor na ponta esquerda de campo e bateu cruzado na saída de Cardoso, mas a bola acabou passando muito perto da trave esquerda do arqueiro coral. Aos 32, Clayson novamente pinta e borda com os santacruzenses no lado esquerdo da grande área, mas chuta a bola na rede pelo lado de fora.

Mesmo sem vontade, o Santa Cruz ainda chegou perto do gol em mais duas oportunidades no final da partida. Aos 42 minutos, João Paulo cobrou falta com muito perigo, obrigando João Carlos a praticar uma defesa bastante complicada. Aos 44, foi a vez de Bruno Moraes tentar o arremate na pequena área. O arqueiro pontepretano saiu bem do gol e foi buscar a bola nos pés do centroavante santacruzense. Mas a partida terminou com o placar de 3 a 0 e com a torcida gritando “Adeus, Milton” nas arquibancadas.