Técnico Eduardo Baptista lamenta derrota diante do Santos: "Criamos cinco chances reais"

Equipe pontepretana não capitalizou as oportunidades e saiu com resultado adverso da Vila Belmiro

Técnico Eduardo Baptista lamenta derrota diante do Santos: "Criamos cinco chances reais"
Foto: Divulgação/pontepreta.com.br

Nesse sábado (16) a Ponte Preta visitou o Santos na Vila Belmiro pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016. E numa partida bastante franca e de muitas chances para ambos os conjuntos, acabou sendo derrotada por 3 a 1 com gols de Victor Ferraz e Bueno para o Santos com Gabigol completando pro time da casa e Roger descontando para a Ponte na reta final.

Com o resultado o Santos chegou aos 26 pontos e seguiu na quarta colocação, sendo o último ocupante do G-4 da tabela, já o time campineiro parou nos 23 e está temporariamente na sétima colocação, ainda podendo cair até o término da rodada.

Na próxima rodada a Ponte Preta recebe no domingo (24) às 11h no Moisés Lucarelli, já o time da baixada irá visitar no mesmo dia só que às 18h30 o Vitória no Barradão.

Após o confronto, o técnico Eduardo Baptista refletiu sobre o desempenho da equipe, falando sobre a qualidade do rival e sobre o não aproveitamento de chances por parte do seu time.

"A qualidade do Santos fez a diferença. A Ponte enfrentou dificuldades de qualquer time que vem jogar aqui (na Vila Belmiro). O Santos é um time que pressiona, por isso tivemos dificuldade para jogar em 20 minutos. A Ponte fez um bom segundo tempo e criou muito. Criamos cinco chances reais. É difícil uma equipe vir aqui e finalizar mais do que o Santos. Eles tiveram três chances e fizeram dois gols. Quando eles têm a chance, eles matam", disse o treinador.

"Quando se indica um jogador, não é trazer só um volante. A gente busca esses dois há um tempo. Wendel sabe a maneira que gosto, Maycon jogava nessa função no Corinthians. Vejo atuação boa, com participação. Maycon começou tímido, fez grande segundo tempo, deu passes verticais. Estreia boa, agora precisa de entrosamento para trabalhar", declarou.